Skip to Content

<

AZGT - Pico Alto - Santa Maria

A cache by clcortez with support of Scolpit Send Message to Owner Message this owner
Hidden : 01/23/2011
Difficulty:
1.5 out of 5
Terrain:
2 out of 5

Size: Size: small (small)

Join now to view geocache location details. It's free!

Watch

How Geocaching Works

Please note Use of geocaching.com services is subject to the terms and conditions in our disclaimer.

Geocache Description:


Bem vindo a esta cache que lhe dá a conhecer o Pico Alto, o ponto mais alto da Ilha de Santa Maria, no Arquipélago dos Açores.

 

O Local

O Pico Alto é uma elevação com 587m, que é o miradouro por excelência desta ilha. É normal estar envolto em nuvens, resultantes da humidade dos ventos, dificultado a espectacular vista, mas contribuindo assim para a rica vegetação nas suas encostas, e na ilha no seu conjunto. Daqui se obtém (quando o tempo o permite) uma espectacular vista a 360º sobre toda a ilha e por vezes até à Ilha de S.Miguel.

De origem vulcânica, esta montanha está inserida nos Picos, o conjunto de elevações no centro da ilha. Tem um coberto vegetal extraordinário, e em alguns locais é possível encontrar floresta laurisilva com algumas espécies endémicas.

Para além desta cache mostrar essencialmente o Miradouro do Pico Alto, dá a conhecer também o local onde a 8 de Fevereiro de 1989 (por volta das 14h.) durante a aproximação ao Aeroporto Internacional de Santa Maria (LPAZ), um avião do tipo Boeing 707 331B da Independent Air, se despenhou, vitimando 137 passageiros e 7 membros da tripulação, provocando um total de 144 vítimas sem que existissem sobreviventes, e é actualmente o maior desastre aéreo em Portugal.  Em baixo, foto do Memorial e do Monumento no local do acidente.

 

A Ilha de Santa Maria

A ilha de Santa Maria situa-se no extremo sudeste do arquipélago dos Açores, de que integra o Grupo Oriental, a cerca de 100 km a Sul da ilha de S.Miguel. Tem uma população residente de cerca de 5 500 habitantes, distribuída pelas cinco freguesias que compõem o concelho de Vila do Porto, o único da ilha (que é também a vila mais antiga dos Açores).

Recortada por baías profundas, a ilha de Santa Maria tem 97,42 Km2 de superfície, com 17 km de comprimento e 9,5 km de largura máxima. A um planalto de baixa altitude segue-se uma área acidentada que tem no Pico Alto a maior altitude.

A costa da ilha é em geral escarpada, atingindo os 340 metros de altura nas arribas do lugar da Rocha Alta. A ilha tem um conjunto de promontórios muito pronunciadas (Ponta do Marvão, Ponta do Castelo e Ponta do Norte), demarcando algumas baías abrigadas com praias de areia branca - São Lourenço e Praia Formosa. Existem alguns ilhéus de dimensão apreciável, com destaque para o Ilhéu da Vila, o Ilhéu de São Lourenço e o Ilhéu das Lagoínhas.

A Geografia da Ilha

A Ilha de Santa Maria, emergiu à cerca de 8 milhões de anos, é a mais antiga do arquipélago dos Açores. Tem uma forma grosseiramente oval, com um comprimento máximo no sentido Noroeste-Sudeste de 16,8 Km, a ilha está dividida em duas regiões geomorfológicas nitidamente distintas:

· Uma extensa região aplanada e de baixa altitude, ocupando os dois terços ocidentais da ilha, com uma altitude máxima de 277 metros nos Piquinhos, com solos argilosos. A baixa altitude gera um clima seco, que dá a esta região da ilha um caráter distintamente mediterrânico, em forte contraste com o resto do arquipélago. No extremo sudoeste desta zona aplainada situa-se as freguesias de Vila do Porto, de São Pedro e de Almagreira. O aeroporto de Santa Maria ocupa toda a faixa litoral oeste da ilha, aproveitando a paisagem naturalmente plana do local e a ausência de obstáculos nas suas zonas de aproximação. Na costa sudoeste, na foz das duas ribeiras que ali confluem, encontra-se uma profunda enseada onde se localiza o porto comercial da Vila do Porto.

· O terço oriental da ilha é constituído por terras altas, muito acidentadas e esculpidas pela erosão. Nesta região, situa-se as freguesias de Santa Bárbara e de Santo Espírito, as mais rurais e mais agrícolas da ilha. Nesta zona situa-se o ponto mais elevado da ilha, o Pico Alto (com 590 metros), e os picos das Cavacas (491 metros) e Caldeira (481 metros). A intercepção da humidade dos ventos leva à formação de nuvens orográficas em torno do pico, propiciando abundante precipitação oculta e dando à área condições para a existência de uma vegetação rica e de alguma agricultura.

A Geologia da Ilha

A geologia é caraterizada pela presença de um substrato basáltico deformado por fraturas que seguem uma orientação preferencial NW-SW, no qual está intercalada uma densa rede filoniana com a mesma orientação. Intercalados nos basaltos se encontram algumas formações de caráter traquibasáltico. Sobre estes materiais encontram-se extensos depósitos fossilíferos, incrustados em depósitos calcários de origem marinha, formado num período de transgressão em que o oceano se encontraria a cerca de 40 metros acima do atual nível médio do mar. A presença destes depósitos, únicos nos Açores, originou na ilha uma indústria de extração de calcário e fabrico de cal, que atingiu o seu auge no princípio do século XX, encontrando-se há muito extinta.

É a única ilha dos Açores que possui sedimentos marinhos fossilíferos incrustados em depósitos calcários intercalados nas suas rochas vulcânicas. Nos últimos cinco milhões de anos, o oceano se encontrava no máximo 50 metros acima do atual nível médio do mar, o que significa que a ilha elevou-se no minimo 70 metros.

O fóssil mais antigo encontrado tem mais de cinco milhões de anos. Os paleontólogos confirmaram a ausência de fósseis durante um longo período de tempo, para voltar a encontrar fósseis com cerca de 100 mil anos. Neste momento, são conhecidas cerca de quinze jazidas do final do Miocénico‐início do Pliocénico, com idades entre os 7 / 5 milhões de anos (jazidas da Pedra-que-Pica, Cré, Malbusca e Ponta do Castelo) e três jazidas fossilíferas Plistocénicas, com idades entre os 130 mil / 117 mil anos.

A descoberta de fósseis decorre do fato de Santa Maria não ter atividade vulcânica há mais de dois milhões de anos.

A História e Actualidade da Ilha

Terá sido a primeira ilha dos Açores a ser avistada, por volta de 1427, pelo navegador português Diogo de Silves. Posteriormentem em Fevereiro de 1493, Cristóvão Colombo escalou na ilha no regresso da sua primeira viagem à América.

Hoje em dia, o principal pilar de sustentação da economia da ilha é a actividade aeronáutica, com o Aeroporto de Santa Maria e o Centro de Controlo Aéreo do Atlântico, o qual administra a FIR Oceânica de Santa Maria, uma das maiores e mais importantes regiões de informação de voo do mundo. Para além do arquipélago dos Açores, estende-se para sul até à região de informação de voo do arquipélago de Cabo Verde (em Cabo Verde este Centro está no Monte Tchota, conforme foto em baixo) e a Oeste à de Nova Iorque. É uma das maiores e mais importantes regiões de informação de voo do Mundo.

Em 2007 foi inaugurada na ilha uma base operacional da Agência Espacial Europeia (ESA). Esta estação para além de fazer rastreio de satélites de lançamentos de foguetões espaciais, fornecerá suporte aos projetos da Agência Europeia de Segurança Marítima, e de Monitorização e Segurança Ambiental Global.

 

O desastre aéreo no Pico Alto

Ao chegar ao Pico Alto vai encontrar uma cancela (está por norma aberta), e onde pode estacionar. Logo após a mesma vai encontrar o Memorial às vítimas do desastre aéreo, mesmo em frente aos antigos “bunkers” das Forças Armadas, onde estão os nomes de todos os que ali perderam a vida. Se seguir a estrada de alcatrão irá ter em frente da entrada dos “bunkers”,e acaba aí, mas se logo a seguir ao Memorial seguir pela direita por um caminho de terra (que desce) irá ter ao local do acidente. Este caminho vai até à torre da NAV, onde opera o radar do Centro de Controlo Aéreo do Atlântico. Mais ou menos a meio irá encontrar uma placa indicativa do local exacto do acidente, onde estão ainda duas partes e peças do avião acidentado. No mesmo local está uma lápide de agradecimento do embaixador Italiano no nosso país e também uma cruz para lembrar os que 144 que ali morreram. Não deixe de visitar este local, e se for um dia nublado imagine o avião a aproximar-se e o que terão sentido ao ver este local segundos antes...

Curiosidades:

Não ocorreu deflagração de incêndio após o impacto, devido à pequena quantidade de combustível que existia no deposito do avião e devido às características da florestação existente no Pico Alto;
- O impacto com o Pico Alto não ocorreu na zona de maior Altitude da Serra;
- A maioria das Vitimas eram Italianas e deslocavam-se em férias para Punta Cana;
- A Independent Air, na sequencia do acidente e dos prejuízos económicos e de imagem que dele resultaram, viria a falir em 1990;
- Durante 6 meses o acesso ao pico alto esteve restringido;
- A identificação dos corpos
foi posta de lado, após ser feita aos primeiros cadáveres devido às dificuldades logísticas e devido ao estado físico dos corpos;
- As equipas de intervenção eram compostas por agentes de protecção civil de várias ilhas, em conjunto com funcionários da empresa ANA,SA, funcionários de organismos públicos e ainda por populares que se voluntariaram.

Pode encontrar mais informação sobre este acidente nos seguintes links:

Video com as comunicações na cabine nos últimos 6 minutos (reconstituição)

Montagem vídeo sobre o acidente com fotos da época

Informações no Wikipédia sobre o Pico Alto e o acidente

 

A cache : 

O Pico Alto e esta cache estão inseridos no Percurso Pedestre Pico Alto-Anjos (PR2SMA), um PR linear de cerca de 14km e que pode ser feito em cerca de 4h e com dificuldade Média. Este PR começa no cruzamento (Cruz dos Picos) onde começa a estrada alcatroada (estrada florestal) que vai até ao Pico Alto, sendo que pode fazer optar por fazer esta primeira parte do PR a pé ou de carro. Pode deixar o carro a cerca de 50m da cache. Se o deixar no início do caminho são cerca de 2km com um desnível de cerca de 150m. Pode ver toda a informação acerca deste PR aqui (trilho em formato*.gpx, Google Earth e o folheto do PR, assim como fotos e mapas). Aconselho vivamente a fazer este percurso na totalidade, onde encontrará o que a zona Norte da Ilha de Santa Maria tem para oferecer, um misto de floresta (primeiro terço do percurso), uma zona mais seca sem floresta mas ainda verde (segundo terço) e uma parte única nos Açores e junto ao mar (ultimo terço). Apesar de não precisar de o fazer na totalidade para encontrar esta cache, só o percurso que fará até chegar à cache já é de uma beleza extraordinária!

Quando chega ao fim da estrada faça o desvio para a escadas (estão indicadas) que o levam a subir os degraus para galgar os metros finais até ao ponto mais alto da ilha, onde um miradouro de 360º o espera!...Aproveite para desfrutar o local e depois procure calmamente a cache. Apesar de o local ser pouco frequentado tenha atenção a outros possíveis turistas que podem aparecer.

A cache é um recipiente do tipo Small com cerca de +/- 10x10x5cm. 

O conteúdo inicial, além do logbook, lápis, afia e documentação é :

- 1 fita de pescoço
- 1 porta chaves
- 1 bracelete

 

Ah, e não se esqueça nunca: "Cache in, Trash out!"

 

 

Esta cache é uma forma de agradecer a todos os Marienses que tão bem me acolheram enquanto estive na ilha de Sta Maria em trabalho. É uma forma também de dar a conhecer mais um recanto desta magnífica ilha, que todos os geocachers amantes da Natureza deviam conhecer!

Additional Hints (Decrypt)

CG: n 3z qr purtne nb gbcb, qb ynqb qvervgb, n prepn qr 1z qr nyghen.
RA: Gb 3 zrgref sebz gur gbc, va gur evtug fvqr, bar zrgre urvtug.

Decryption Key

A|B|C|D|E|F|G|H|I|J|K|L|M
-------------------------
N|O|P|Q|R|S|T|U|V|W|X|Y|Z

(letter above equals below, and vice versa)



Return to the Top of the Page

Reviewer notes

Use this space to describe your geocache location, container, and how it's hidden to your reviewer. If you've made changes, tell the reviewer what changes you made. The more they know, the easier it is for them to publish your geocache. This note will not be visible to the public when your geocache is published.