Skip to content

This cache has been archived.

Team Ribeiro: Game over!
Obrigado a todos os que aceitaram o desafio de encontrar esta cache.

More
<

Quinta da Pontinha

A cache by jose ribeiro Send Message to Owner Message this owner
Hidden : 01/24/2011
Difficulty:
1.5 out of 5
Terrain:
1.5 out of 5

Size: Size:   small (small)

Join now to view geocache location details. It's free!

Watch

How Geocaching Works

Please note Use of geocaching.com services is subject to the terms and conditions in our disclaimer.

Geocache Description:

A Quinta da Paiã situa-se junto à CRIL e à velha estrada que ligava a pontinha a A-da- Beja. O edifício principal é datado do século XIX

quinta

O vale da Paiã e a própria Freguesia da Pontinha faziam parte, no século XIX, da freguesia de Carnide. Toda esta área estava dividida em quintas e casais de que restam ainda algumas das designações iniciais (nomeadamente a Quinta do Enforcado). As quintas eram parte da zona saloia, também chamada Termo de Lisboa, e os seus habitantes dedicavam-se à agricultura, vendendo depois os seus produtos nos mercados da capital (o Rio da Costa foi utilizado para o escoamento de produtos hortícolas). Os arredores de Lisboa eram local de veraneio para as famílias burguesas da capital, dos séculos XVII e XVIII, onde passavam férias, convalesciam, vinham dar à luz. Na Paiã, mais concretamente, foram edificadas várias capelas e ermidas, que deram muitas vezes nome às quintas em que estavam integradas. Chegaram a habitar neste vale os frades de Rilhafoles. Em consequência do terramoto 1755 «a Paiã viu aumentar a sua população em cerca de quatrocentas pessoas que fugiam ao terror da destruição de Lisboa» Com o passar dos anos, as quintas foram sendo abandonadas e passaram para a administração primeiro da Junta Distrital de Lisboa, agora do Governo Civil de Lisboa. Dada a sua vocação agrícola estiveram também sob a chancela da Escola Profissional Agrícola cujos terrenos cultivava e cuidava. Devido a isto muitos funcionários da escola passaram a habitar as casas das Quintas.
A QUINTA DA PONTINHA Quanto à Quinta da Pontinha, terá surgido também no século XVII, pois já existia em 1657, data que se encontrava inscrita num nicho com a imagem de Nossa Senhora da Conceição. Quem o garante é José Baptista Pereira, que a observou em 1895. Mas, é, certamente, mais antiga, pois Gabriel Pereira afirma que encontrou, também em finais no século XIX, uma “casa quadrada”, com a data de 1622 afixada, perto da Casa da Pontinha e Júlio de Castilho confirma esta última data, referindo a existência, na estrada da Pontinha, de “um mirante onde se lê a data 1622” . No início do século XVIII ainda não se chamava assim, pois era conhecida pelo nome de Quinta dos Brasileiros e nela vivia, em 1719, por Domingos Fernandes Barboza, que ali faleceu em 1730. No ano seguinte, o seu morador principal foi Raymundo Costa.. Nos finais do século, mais precisamente em 1796, já pertencia à família Valladares, nome pela qual passou a quinta a ser conhecida. Estendia-se, na parte urbana, até à chamada Casa de Pau, passando a ser cortada um século depois pela Estrada Militar. A parte rústica também era extensa, onde havia uma casa com funções de posto aduaneiro e que ainda existia em 1895, como o atesta o padre José Baptista Pereira. Em meados do século XIX era habitada por um armador, de nome Nicolau Ribeiro da Silva, casado com uma senhora chamada Carlota, que edificou a Ermida de Nossa Senhora da Conceição em 1855, um ano depois da consagração católica do dogma da Imaculada Conceição. Nos anos de 1854 e de 1855, realizaram-se naquela quinta duas pomposas festas para assinalar esses dois eventos religiosos. Por morte de Nicolau Ribeiro da Silva, a quinta passou para Narcizo Soares, que ali construiu casas, que viriam a ser consumidos por um fogo e construiu outras, que se conservam em bom estado até final de oitocentos. A ermida acabaria por ser encerrada e convertida em casa de habitação e os terrenos e as casas seriam adquiridos pelo Estado. Só durante o século XIX começou a ser conhecida pelo nome de Quinta da Pontinha. MARTINS, Jorge, Subsídios para a História da Pontinha, Junta de Freguesia da Pontinha, 2005 A Cache: Esta será uma de entre outras, que vos levarão a conhecer a história de Odivelas e arredores. Não destruam e sempre que possam façam CITO. Esperamos que se divirtam a fazer esta cache e que apreciem as vistas. Por favor não publiquem nenhuma foto local do container, Obrigado. Conteúdo inicial: - Logbook - Lápis

Additional Hints (No hints available.)



Reviewer notes

Use this space to describe your geocache location, container, and how it's hidden to your reviewer. If you've made changes, tell the reviewer what changes you made. The more they know, the easier it is for them to publish your geocache. This note will not be visible to the public when your geocache is published.