Skip to content

Forte da Cruz Traditional Geocache

Hidden : 01/24/2011
Difficulty:
2 out of 5
Terrain:
2.5 out of 5

Size: Size:   small (small)

Join now to view geocache location details. It's free!

Watch

How Geocaching Works

Please note Use of geocaching.com services is subject to the terms and conditions in our disclaimer.

Geocache Description:

Este Forte (ou Bateria) é a Obra N.º 131 construída a propósito das Linhas de Torres. Situa-se à esquerda de Varatojo no Casal da Cruz.
O forte já se encontra praticamente destruído, mas dá para ver alguma da sua forma e como era importante a sua posição, dada a vista para o vale do Sizandro.

Estava equipada com 90 Homens e 4 peças de artilharia.

As Invasões Francesas

As primeiras invasões francesas (século XIX), Napoleão Bonaparte expande o império francês e decreta o Bloqueio Continental, para isolar a Inglaterra. Ao longo da primeira década daquele século, estas duas grandes potências iriam utilizar o território português para disputarem a hegemonia da Europa.
Portugal é velho aliado dos ingleses e em 1801, com o apoio francês, Espanha invade-nos.
A primeira invasão francesa dá-se em Novembro de 1807, sob o comando do General Junot e, a conselho dos ingleses, a Família Real foge para o Brasil. Junot ocupa Lisboa e assume a presidência do conselho de Governo.

Em 1808 os britânicos (General Wellesley) chegam a Lisboa. As tropas francesas, (General Delaborde), sofrem a sua primeira derrota, frente ao exército anglo-português, na batalha da Roliça, a 19 de Agosto.

O que restou das tropas francesas retirou-se para Torres Vedras, onde estava o grosso do exército, comandado por Junot, formando uma força de cerca de 12.000 homens.
Ao mesmo tempo, aos 14.000 soldados anglo-portugueses, juntavam-se mais 4.000 soldados ingleses, desembarcados no Porto Novo (Maceira, T. Vedras), junto ao Vimeiro, onde se travou uma nova batalha, a 21 de Agosto, que marcou a derrota definitiva do exército francês.

Os Generais Wellesley e Kellermann assinaram, na Maceira, o acordo de cessar-fogo, depois ratificado sob a designação de Convenção de Sintra.
Em 1809, o exército francês(Marechal Soult), invade novamente o país, dois meses depois, as tropas de Wellesley e Beresford vencem a batalha do Douro, obrigando Soult a sair de Portugal.

Após a retirada das tropas de Soult, o duque de Wellington defende Lisboa. Coronel Vincent elabora um relatório 1807, a pedido de Junot, sobre as excelências defensivas do terreno na região de Torres Vedras, bem como dos estudos topográficos do Major Barreiros e do Brigadeiro Neves Costa, manda edificar aquele que é considerado o mais eficiente sistema de fortificações de campo da História militar.
Este sistema defensivo consistia numa tripla linha de redutos de alvenaria, que reforçavam os obstáculos naturais do terreno, formando uma barreira delimitada pelo oceano e pelo rio Tejo. A primeira linha tinha uma extensão de 46 Km e ligava Alhandra à foz do Sizandro (T. Vedras).

A segunda linha, construída a cerca de 13 Km a Sul da primeira, tinha uma extensão de 39 Km e ligava o Forte da Casa a Ribamar. A terceira linha, que consistia no perímetro defensivo da praia de embarque (S. Julião da Barra), acerca de 40 Km a Sul da segunda linha, tinha uma extensão de 3 Km e ligava Paço de Arcos à Torre da Junqueira. Uma quarta linha foi ainda levantada na península de Setúbal, para evitar uma aproximação pelo Sul.

A eficiência deste sistema baseou-se em 5 pilares fundamentais que eram, sumariamente, a construção de estradas, de redutos de peças de artilharia, de um sistema de comunicações telegráficas, de construlção de fortificações em segredo e de uma política de queimada e de desertificação para melhor visibilidade e defesa.

No seu conjunto, as Linhas constituiam um verdadeiro reduto armado, defendido por 36.000 portugueses, 35.000 britânicos, 8.000 espanhóis e cerca de 60.000 homens de tropas portuguesas não regulares.
As Linhas de Torres Vedras estendiam-se por mais de 80 Km e eram constituídas por 152 fortificações, guarnecidas com 600 peças de artilharia.

(in cm-tvedras.pt)

A Cache

??A Cache é uma regular com alguns itens para troca, logbook e lápis.??

A cache encontra-se dentro da área Forte, mas fora do "morro de terra", não está no que resta dos muros.
A CACHE
NÃO ESTÁ NOS MUROS, POR FAVOR NÃO DESTRUAM!

Apesar de ser um forte, está rodeada de casas, sejam discretos!

Additional Hints (Decrypt)

[PT] Qronvkb qr hz zbagr qr crqenf, whagb qn irqnçãb.
[EN] Haqre frireny fgbarf, arne gur srapr.

Decryption Key

A|B|C|D|E|F|G|H|I|J|K|L|M
-------------------------
N|O|P|Q|R|S|T|U|V|W|X|Y|Z

(letter above equals below, and vice versa)