Skip to content

<

Parque da Segueteira

A cache by =SemGPS= & =ComGPS= Send Message to Owner Message this owner
Hidden : 02/24/2011
Difficulty:
3 out of 5
Terrain:
2.5 out of 5

Size: Size:   other (other)

Join now to view geocache location details. It's free!

Watch

How Geocaching Works

Please note Use of geocaching.com services is subject to the terms and conditions in our disclaimer.

Geocache Description:


 

*      Introdução

Esta é a primeira cache de um grupo de amigos que vem deste modo comemorar a 100º cache encontrada.

Desde o início decidimos criar uma cache especial, ficando decidido dar a mostrar uma fantástica zona da nossa infância, onde desde miúdos nos sentimos atraídos. Trata-se de uma zona onde existem várias formações calcárias a que se dá o nome de Lapiás.

 

*      Parque da Segueteira

Desde já temos de referir que este local, constituído por um conjunto interessante de pedras, está situado num local que se não fosse a falta de civismo de que tem sido alvo, poderíamos considerar privilegiado. Por tal, pedimos que não nos façam arrepender por ter colocado uma cache na zona, pois terá uma desactivação imediata.

 

Fonte

Neste local existe uma Fonte, rodeada por carvalhos, que já teve água potável onde nós em miúdos “matamos” muitas vezes a sede. Hoje porém, não é possível pois está imprópria para consumo humano.

Conta a lenda, que a mina de água comunicava com um lago subterrâneo navegável e que se dizia comunicar com um túnel que iria ter a Sintra.

Falava-se também no aparecimento de uma Fada acompanhada de um Urso em determinadas alturas do ano.

 

Lapiás

Acontece que a maioria do conjunto de Lapiás da zona é constituída por rochas zoomórficas. Dizem os entendidos que fazem parte de um calendário astronómico muito antigo.

Junto a uma formação, a que os populares dão o nome de “Rocha do Elefante”, há um arco por onde passamos e que se situa por debaixo da cabeça.

Outra estrutura tem a forma de uma bilha de água que por acaso está orientada para o nascer do Sol. Conta a lenda que no Solstício de Verão, o sol direccionava a sombra da rocha com a bilha iluminada, mostrando a entrada da mina de água. Esta formação tem um nicho esculpido, indicador de cristianização e, coincidência, o Santo Orago da povoação é o S. João Baptista, que é celebrado anualmente através dos festejos tradicionais.

Junto a esta formação existem as ruínas de uma casa. Contam os populares mais idosos que nela habitava um alquimista. A casa está inserida no meio de vários Lapiás e dá acesso a uma gruta. O que levou a associar a casa à Alquimia foi ao facto, entre outros, de haver ainda uns canteiros suspensos, alcandorados nos Lapiás, onde ainda se encontram várias árvores de frutos, todos eles simbólicos: ameixoeiras, pessegueiros, romãzeiras, oliveiras, etc.

As árvores alimentam-se directamente da água-mãe, e aí nascem e exalam da própria rocha.

Actualmente a casa encontra-se bastante destruída, mas vive na memória dos populares mais idosos. Uma casa que decerto contaria uma imensidão de lendas e histórias fantásticas.

No entanto, a formação rochosa que consideramos com maior realço é um lapiá que é furado.

Quando andávamos na escola primária, costumávamos ir brincar variadíssimas vezes para o Parque da Segueteira. Uma das brincadeiras, que os mais corajosos ousavam fazer, era passar através da rocha. Percurso tal, todo feito de rastos no seu interior, empurrando o corpo com os pés. Entrando pelo lado poente, o traçado do percurso assemelha-se a um sifão e toda a manobra corporal teria de ser feita em modo semelhante ao que fazemos quando nascemos. Concluindo o percurso difícil, a nossa cabeça é apresentada à saída de uma fenda, por onde brotavam águas, fenda essa de forma vaginal e virada para Nascente. Conta a lenda que nesta rocha, outrora se praticavam rituais de cariz iniciático.

 

*      Conclusão

Poderíamos contar mais histórias se tivéssemos o conhecimento e a sabedoria, pois é bastante difícil arranjar dados acerca do local, contudo temos que agradecer às pessoas que nos forneceram tais conhecimentos, pois sem elas seria apenas mais uma cache no meio de pedras.

Espero que tenham gostado da visita ao Parque da Segueteira, onde as lendas e as histórias são repletas de mistério.

 

Cache

Em relação à cache, não é necessário desbravar mato, há um pequeno trilho até ao GZ. A CACHE NÃO SE ENCONTRA NAS PAREDES EM RUÍNAS, LOGO NÃO DESTRUAM!! Aconselhamos a utilizar o estacionamento mencionado para o passeio ser mais agradavél.

NOTA: Não publiquem fotos Spoilers, fotos do Container nem façam comentários que divulguem a cache. Se tiverem dificuldades em encontrar a cache vejam a hint ou entrem em contacto connosco, teremos todo gosto em ajudar!

 

 

 

Descrição: C:\Users\Paulo Leandro\Desktop\Parque da Segueteira\Site\ingles.jpg

Click on a flag to translate.

Haga clic en una bandera para traducir.

 

Descrição: C:\Users\Paulo Leandro\Desktop\Parque da Segueteira\Site\espanha_bandeira.jpg

 

Additional Hints (Decrypt)

Ab ohenpb.

Erpbzraqn-fr b rfgnpvbanzragb ab cnedhr vaqvpnqb!

Decryption Key

A|B|C|D|E|F|G|H|I|J|K|L|M
-------------------------
N|O|P|Q|R|S|T|U|V|W|X|Y|Z

(letter above equals below, and vice versa)



Reviewer notes

Use this space to describe your geocache location, container, and how it's hidden to your reviewer. If you've made changes, tell the reviewer what changes you made. The more they know, the easier it is for them to publish your geocache. This note will not be visible to the public when your geocache is published.