Skip to content

Fire Department/Bombeiros - RSB 1ª Companhia- Sede Traditional Geocache

This cache has been archived.

A J Pombo: Agradeço a todos os geocachers que visitaram o local e assinaram o logbook.

More
Hidden : 08/31/2012
Difficulty:
2 out of 5
Terrain:
1.5 out of 5

Size: Size:   micro (micro)

Join now to view geocache location details. It's free!

Watch

How Geocaching Works

Please note Use of geocaching.com services is subject to the terms and conditions in our disclaimer.

Geocache Description:

Esta cache faz parte do projeto global dedicado aos Bombeiros. Projeto Bombeiros/Fire Department - Este é dedicado ao Regimento de Sapadores Bombeiros- 1ª Companhia - Sede



Projeto Bombeiros/Fire Department 







1ª Companhia Sede

TELEFONE DE SOCORRO

Gabinete de Relações PúblicasAv. D. Carlos I ,1249-071 Lisboa
Telefone: 218 171 476
e-mail - rsb.relacoespublicas@cm-lisboa.pt


1ª Companhia - Comando
Av. D. Carlos I ,1249-071 Lisboa
Telefone: 218 171 411
Estação - Quartel do Rossio - Largo do Regedor
Telefone: 218 171 412

Situada na Avenida D. Carlos I, é o Quartel mais antigo do Regimento de Sapadores Bombeiros, com uma excelente localização, em Santos perto da Assembleia da República, é lá que está sedeado o Comando do RSB.
Regimento de Sapadores Bombeiros num edifício do século XVI (foto ASF)

É o Quartel Sede da 1ª Companhia, onde se encontra o Comando de todo o Regimento de Sapadores Bombeiros de Lisboa e é composta por:
    1ª Companhia
1ª Companhia
Sede - Quartel do Comando -Av. D. Carlos I
Estação - Quartel do Rossio - Largo do Regedor
Efectivos 165
Chefes 3
Subchefes 52
Sapadores 110
Viaturas 15
Socorro 12
Serviços 03

    C.C.S
C.C.S.
Sede - Quartel do Comando -Av. D. Carlos I
Efectivos 84
Chefes 16
Subchefes 42
Sapadores 26
Viaturas 35
Socorro 07
Serviços 28







Avenida D. Carlos I - (1935) - Foto de Eduardo Portugal (Interior do quartel do "Batalhão de Sapadores Bombeiros", no antigo "Convento da Esperança" visto do lado da parada) in AFML

O REGIMENTO DE SAPADORES BOMBEIROS começou por ser o Corpo de Bombeiros Municipais de Lisboa, o então “Corpo de Bombeiros Municipais de Lisboa” no Quartel nº1 na Avenida D. Carlos I. , este corpo de bombeiros foi criado em 25 de Agosto de 1395 com o nome de “Serviço de Incêndios”, mudando de designação para “Companhia da Bomba” em 1834, depois em 1852 para “Corpo de Bombeiros Municipais de Lisboa”.
Em 1925, o Corpo, já novamente sob tutela do município, passa a denominar-se “Corpo Municipal de Salvação Pública”.
Em 1930 passa a denominar-se “Batalhão de Sapadores Bombeiros”, e em 1988 sobe de escalão para “Regimento de Sapadores Bombeiros”.

As características peculiares da cidade de Lisboa em que sobressaem : a densidade das construções, com recurso a materiais muito combustíveis; a falta de água e o seu insuficiente circuito de distribuição pela cidade (através de poços, fontes e chafarizes); a topografia das suas 7 colinas; a magreza do erário municipal; a rede precária de comunicações e logo a difícil localização do lugar do sinistro; os deficientes meios de combate e de organização, levam a que em 25 de Agosto de 1395, por decreto de D. João I a pedido da Câmara Municipal de Lisboa seja criado o primeiro corpo de bombeiros do país.
[Sapadores de Bombeiros em 1940.1. inventário[4].jpg]
O “Serviço de Incêndios” Quartéis dos Bombeiros Municipais de Lisboa Ao longo dos séculos os Bombeiros Municipais de Lisboa foram sofrendo várias reformas e reorganizações até 1852.
Nesse ano foi promulgado um regulamento mais abrangente e minucioso sobre a prevenção e o combate a incêndios na cidade de Lisboa.

Teve este quartel como primeiro comandante o capitão «GOMES FERREIRA» devendo-se a ele as alterações que o edifício municipal tomou, menosprezando a arqueologia existente no local.
Como a projectada padaria não desse sinais de vida, obviamente os bombeiros foram ocupando os espaços; nasceram assim, paulatinamente, um grande alojamento para pessoal e em 1896 uma estação de serviço. Chamavam então a "Caserna da Esperança" e desde pelo menos 1901, era ali que se encontrava o Comando e os serviços centrais da Corporação, cuja missão é acudir aos cidadãos comuns nas suas maiores aflições.
Nesse mesmo ano de 1901, dá-se a militarização do "CORPO DE BOMBEIROS", que passa da tutela do MUNICÍPIO para o ESTADO.

Em 1912 na parte norte do quartel foi construído uma muralha de suporte dos edifícios da «RUA DA ESPERANÇA» que ameaçavam desabar sobre a parada do Quartel.
No ano de 1925 o corpo, já novamente sob a tutela do MUNICÍPIO, passa a denominar-se «CORPO MUNICIPAL DE SALVAÇÃO PÚBLICA». Em 1930 passa o nome para «BATALHÃO SAPADORES BOMBEIROS» e em 1988 sobe de escalão para «REGIMENTO DE SAPADORES BOMBEIROS».
Diz-nos «NORBERTO DE ARAÚJO» nas suas «PEREGRINAÇÕES EM LISBOA» que:"na parada de entrada ao fundo, na face do muro que ampara a cerca superior - pedaço rústico - há uns azulejos ali colocados há meia dúzia de anos (depois de 1935), e que vieram do "PALÁCIO FOLGOSA " da "RUA DA PALMA", quando este foi encurtado para rectificação da rua, e passou para a "CÂMARA MUNICIPAL DE LISBOA".
No início do século XXI era divulgado que os SERVIÇOS CENTRAIS do «REGIMENTO DE SAPADORES BOMBEIROS», o seu quartel-general portanto, em breve iria sair (mudanças impostas pelos novos tempos), em direcção às novas e modernas instalações, situadas junto do edifício do «CENTRO COMERCIAL COLOMBO», exigências do progresso.
[Quartel dos BSB na Av. D.Carlos I (1950)[7].jpg]
Creio que continuam  ainda alguns serviços, nomeadamente  a 1ª Companhia-Comando do "REGIMENTO DE SAPADORES BOMBEIROS" na «AVENIDA D. CARLOS I», mas do velho «CONVENTO DE Nª. Sª. DA PIEDADE OU DA ESPERANÇA» praticamente nada existe, uma vez que todo o conjunto foi renovado, alterado e adaptado às necessidades dos soldados da paz. Mas a palavra "PIEDADE" e "ESPERANÇA" ficaram sempre, simbolicamente pelo menos, naquelas paredes.

IN http://aps-ruasdelisboacomhistria.blogspot.pt/2012/07/avenida-d-carlos-i-xv.html


Cronologia do RSB


1395
Carta régia de 25 de Agosto, de D. João I, que confirma, a pedido da Câmara, medidas concretas para a prevenção e combate a incêndios em Lisboa. É o primeiro documento que se conhece referente à génese de um serviço de incêndios em Portugal.
1646
A Câmara de Lisboa contrata para o serviço de incêndios, pela 1ª vez, um conjunto de trinta oficiais assalariados, entre carpinteiros, pedreiros e trabalhadores.
1681
O Senado adquire na Holanda as duas primeiras bombas, para além de outras ferramentas como: dois arpéus, baldes de couro, machados, picaretas, enxadas, alavancas.
1683
É publicado o primeiro regulamento do serviço de incêndios, com preceitos organizacionais e disciplinares rígidos.
1766
É criado o lugar de capitão das bombas, atribuído ao mestre de calafate, Domingos da Costa.
1794
O Senado da Câmara cria o lugar de inspector de incêndios, que passa a ter também jurisdição sobre a inspecção de chafarizes, para o qual nomeia Mateus António da Costa, até então capitão das bombas.
1834
Institui-se a Companhia de Bombeiros de Lisboa, vulgarmente chamada do Caldo e Nabo.
1836
Publicação da tabela dos sinais de incêndio, com o número de badaladas tocadas nos sinos das igrejas e a freguesia a que correspondiam, essencial para se localizar com maior precisão o local de sinistro.
1840
Criação do pelouro dos incêndios na estrutura da Câmara Municipal de Lisboa.
1852
Organização do Corpo de Bombeiros Municipais de Lisboa, cujo nome se manterá até 1930, apesar das múltiplas transformações estruturais ocorridas nesses limites temporais. Adquirem-se as primeiras bombas do sistema Flaud.
1901
Considerado militarmente organizado, o Corpo de Bombeiros Municipais transita para a dependência do estado, sob o Ministério do Reino. Em 1913, novamente passa a estar sob a alçada camarária.
1930
Criação do Batalhão de Sapadores Bombeiros.
1988
Passagem a Regimento de Sapadores Bombeiros de Lisboa

Comemorações dos 615 anoshttp://www.youtube.com/watch?v=b3sIk4eJaTM

Additional Hints (Decrypt)

[Excepto R.S.B.]

Decryption Key

A|B|C|D|E|F|G|H|I|J|K|L|M
-------------------------
N|O|P|Q|R|S|T|U|V|W|X|Y|Z

(letter above equals below, and vice versa)