Skip to Content

This cache has been archived.

btreviewer: Esta cache foi arquivada por falta de uma resposta atempada e/ou adequada perante as situações relatadas. Relembro a secção das guidelines sobre a manutenção http://www.geocaching.com/about/guidelines.aspx#cachemaintenance :

[quote]
Você é responsável por visitas ocasionais à sua geocache para assegurar que está tudo em ordem para funcionar, especialmente quando alguém reporta um problema com a geocache (desaparecimento, estrago, humidade/infiltrações, etc.), ou faz um registo "Precisa de Manutenção". Desactive temporariamente a sua geocache para que os outros saibam que não devem procurar a geocache até que tenha resolvido o problema. É-lhe concedido um período razoável de tempo - geralmente até 4 semanas - dentro do qual deverá verificar o estado da sua geocache. Se a geocache não estiver a receber a manutenção necessária ou estiver temporariamente desactivada por um longo período de tempo, poderemos arquivar a página da geocache.

Por causa do esforço requerido para manter uma geocache, por favor coloque geocaches físicas no seu espaço habitual de geocaching e não em sítios para onde costuma viajar. Geocaches colocadas durante viagens não serão muito provavelmente publicadas a menos que possa fornecer um plano de manutenção adequado. Este plano deve permitir uma resposta rápida a problemas reportados, e deverá incluir o Nome de Utilizador de um geocacher local que irá tomar conta dos problemas de manutenção na sua ausência. [/quote]

Como owner, se tiver planos para recolocar a cache, por favor, contacte-me por [url=http://www.geocaching.com/email/?u=btreviewer]e-mail[/url].

Lembro que a eventual reactivação desta cache passará pelo mesmo processo de análise como se fosse uma nova cache, com todas as implicações que as guidelines actuais indicam.

Se no local existe algum container, por favor recolha-o a fim de evitar que se torne lixo (geolitter).

Obrigado

[b] btreviewer [/b]
Geocaching.com Volunteer Cache Reviewer

[url=http://support.groundspeak.com/index.php?pg=kb.page&id=77][i][b]Work with the reviewer, not against him.[/b][/i][/url]

More
<

Trafaria O Sol e o Rio

A cache by geololita Send Message to Owner Message this owner
Hidden : 10/13/2011
Difficulty:
1.5 out of 5
Terrain:
1.5 out of 5

Size: Size: small (small)

Join now to view geocache location details. It's free!

Watch

How Geocaching Works

Related Web Page

Please note Use of geocaching.com services is subject to the terms and conditions in our disclaimer.

Geocache Description:

A Trafaria fica localizada na margem esquerda do rio Tejo entre o Bico da Calha e o Portinho da Costa. Na Cova do Vapor (uma localidade com casas em madeira, a maioria utilizada como segunda habitação.) dá-se o encontro do rio Tejo com o Oceano Atlântico. Aos habitantes da Trafaria dá-se o nome de trafarienses.

AQUI COLOCA O NOME DA FOTO

Muito embora ainda não esteja bem definida a origem da etimologia da palavra Trafaria, várias hipóteses têm sido levantadas por alguns historiadores e investigadores. Frei João de Sousa, na sua obra "Vestígios da Língua arábica em Portugal", afirma que a palavra Trafaria é oriunda do vocábulo árabe Tarifa que significa cousa extrema", final ou ú1tima. Outra hipótese é alvitrada por A. Baldaque da Silva que, em seu entender, Trafaria foi em tempos o principal porto de pesca da margem Sul, sendo a principal arte piscatória no Tejo,- nessa época, a Tarrafa. Como este meio de pescar era muito lucrativo, vinham bastantes Pescadores de Setúbal apanhar pescado para este local, os quais, com o seu sotaque característico de carregar no "R", diziam: - Vamos A Trarrafa à ria" dai, segundo ele, a origem de Trafaria. Porém outras teses são apontadas para a derivação do topónimo Trafaria. No entender do professor David M. Lopes, destacado investigador e estudioso da influência da língua árabe na toponímia portuguesa, a sua origem deve-se à junção do elemento Traf, que significa ponta ou cabo, com o vocábulo latino Arena que, em Português, é areia, dando assim, por sua vez, a formação da palavra Trafarena, (ponta ou cabo de areia) a qual, depois de profunda transformação fonética, no decorrer dos tempos, daria lugar à actual designação de Trafaria. Antiga povoação piscatória situada na margem esquerda da foz do rio Tejo, Trafaria é desanexada, da freguesia da Caparica, em 7 de Outubro de 1926, e elevada a sede da freguesia por Dec. Lei, passando à categoria de vila em 9 de Julho de 1985. Em 1996, esta freguesia tinha cerca de 12 mil habitantes e encontravam-se inscritos nos cadernos eleitorais 6.980 eleitores. Conseguindo conservar o seu aspecto de terra de gente humilde e trabalhadora ao longo dos anos, Trafaria era considerada, em tempos passados, como uma das mais importantes zonas de veraneio e lazer da outra margem do Tejo. Possuidora de uma agradável praia, esta viria, porém, a decair na preferência dos veraneantes em meados dos anos 40, altura em que as praias do mar da Costa de Caparica passaram a ser mais atractivas e preferidas. Talvez, por esse facto, a localidade da Trafaria tenha sofrido uma certa estagnação no seu desenvolvimento, a razão pela qual viria a transformar-se em centro urbano e num dormitório de Lisboa. Edificações e vestígios árabes Não dispondo de grandes monumentos, para além da sua igreja matriz e do seu Forte, a freguesia de Trafaria tem ainda o importante lugar histórico de Murfacém, local onde se pode observar um importante conjunto de cisternas de origem árabe e as capelas de Nª Sª dos Remédios, edificada, provavelmente, nos finais do Séc. XV, funcionando nela um núcleo do Museu de Almada dedicado à arqueologia árabe e à azulejaria de tradição arábica. Esta curiosa capela esteve muito tempo ao abandono, sendo remodelada em 1973, passando então a denominar-se por MORABITO ou Nª Sª do Monte do Carmo. Desconhece-se a data da sua edificação, mas, alguns especialistas têm avançado com a ideia de que o monumento será contemporâneo do Séc. XIV. Como edificações de grande valor arquitectónico, podemos realçar o conjunto de habitações na Avª 25 de Abril, cuja preservação e defesa é algo de importante a manter. Outro edifício de grande interesse é o da Farmácia Central, na Avª General Moutinho, construção única no concelho, que remonta aos finais do Séc. XIX., e o Forte da Trafaria, erigido em meados de 1683, durante o reinado de D. Pedro II. Este notável edifício de cantaria desempenhou, para além de fortificação de defesa da costa marítima, as funções de Lazareto, até ao ano de 1820, altura em que foi desocupado A igrejo matriz do Séc. XIX Dedicado a São Pedro, este templo foi edificado na segunda metade do séc. XIX, no local da antiga ermida de São Jerónimo, fundada antes de 1755, por Jerónimo Leite de Vasconcelos. De fachada simples, possui no espólio imagens da capela de Nª Sª da Saúde - anteriormente situada no Forte da Trafaria e restaurada no inicio do ano de 1910 - e de Nª Sª da Conceição, antigo salão de culto do extinto Solar dos Magriços, destruída por um incêndio em 1835, restando somente as paredes e a torre do campanário. Esta igreja foi palco de um episódio trágico durante a sua construção, em 1856, tendo a sua torre derrocado, abatendo, por consequência, o telhado do prédio contíguo, causando a morte a cinco pessoas. Ainda como dado histórico podemos registar o facto de, no dia 22 de Setembro de 1894, se ter gerado um grave conflito entre o povo e o então prior padre José da Costa Pinto, pelo que a igreja ficou interdita de ter o Santíssimo Sacramento, situação que só seria levantada em Agosto do ano seguinte, por ordem do Cardeal Patriarca. Instituída logo a seguir à sua fundação , a Irmandade de São Pedro era composta por catraeiros e pescadores. Este templo, no ano de 1901, é visitado pela rainha D. Amélia. Um Forte com múltiplas missões Situado entre o extremo oeste da arri ba e o pequeno ribeiro da Raposeira, este edifício militar foi erigido em meados de 1683, durante o reinado de D. Pedro II. Não sendo possuidor de grande história militar, desempenhou, contudo, para além de fortificação de defesa da costa marítima da barra do Tejo, as funções de Lazareto, hospital de quarentena até ao ano de 1820, altura em que foi desocupado. Beneficiando entre os anos de 1829 a 1831 de obras de reparação, o forte da Trafaria passaria a presidio militar até ao fim das lutas liberais. Abandonado pouco tempo depois, é ocupado pela Companhia das Pescarias e utilizado como fábrica de guano de peixe. Condenada esta sua função pelo Conselho de Saúde Pública, seria mais tarde reocupado novamente pelo Estado e, durante o reinado de D. Manuel II, sofre sucessivas obras de adaptação a presídio militar. È nessa altura que a sua ermida, dedicada a Nª Sª da Saúde, é restaurada, não se tomando mais em salão de culto. Encontrando-se, presentemente, em constante degradação, conservando, porém, ainda o seu aspecto exterior. Mais tarde, sob administração da Marinha, o forte passaria a desempenhar funções de presídio militar, transitando, depois, para a tutela do Exército. 0 incêndio de Janeiro de 1777 Entre os vários eventos históricos que ocorreram nesta pitoresca povoaçaõ do concelho de Almada, conta-se o celebre incêndio da Trafaria, em 23 de Janeiro de 1777. Corriam em 1776 rumores de guerra entre Portugal e a Espanha, verificando- se um grande recrutamento por parte do Governo. Nesse época, consta-se que a Trafaria representava um importante centro de refúgio de malandragem e desertores que procuravam escapar aí à Lei. Ao saber desse facto, o Marquês de Pombal mandou sob sua ordem e mando o famoso intendente Pina Manique, com 300 soldados, ao cair da noite, cercar e pôr fogo à povoação e prender todos os fugitivos. Este acto de grande crueldade, continua, ainda hoje, passado tantos anos, envolto em muitas contradições históricas. Fonte;Wikipedia , De "Jornal da Região – Almada" d22.12.1999 ,por Atur Vaz e http://www.folclore-online.com/textos/carlos_gomes/trafaria_terra_piscatoria.html

Additional Hints (Decrypt)

qronvkb qr hzn crqen

Decryption Key

A|B|C|D|E|F|G|H|I|J|K|L|M
-------------------------
N|O|P|Q|R|S|T|U|V|W|X|Y|Z

(letter above equals below, and vice versa)



 

Find...

156 Logged Visits

Found it 146     Didn't find it 1     Write note 4     Archive 1     Temporarily Disable Listing 1     Publish Listing 1     Owner Maintenance 1     Post Reviewer Note 1     

View Logbook | View the Image Gallery of 35 images

**Warning! Spoilers may be included in the descriptions or links.

Current Time:
Last Updated:
Rendered From:Unknown
Coordinates are in the WGS84 datum

Return to the Top of the Page

Reviewer notes

Use this space to describe your geocache location, container, and how it's hidden to your reviewer. If you've made changes, tell the reviewer what changes you made. The more they know, the easier it is for them to publish your geocache. This note will not be visible to the public when your geocache is published.