Skip to Content

This cache has been archived.

JI_Team: Arquivada!

More
<

Lagoa dos Viveiros Florestais - Rio Âncora

A cache by JI_Team Send Message to Owner Message this owner
Hidden : 11/27/2011
Difficulty:
1.5 out of 5
Terrain:
2 out of 5

Size: Size: regular (regular)

Join now to view geocache location details. It's free!

Watch

How Geocaching Works

Please note Use of geocaching.com services is subject to the terms and conditions in our disclaimer.

Geocache Description:


Translation



Lagoa dos Viveiros Florestais – Rio Âncora

 

Rio Âncora

 

O Rio Âncora é um pequeno rio minhoto que nasce na encosta oeste da Serra D’Arga, na Fonte da Urze, na freguesia de São Lourenço da Montaria, concelho de Viana do Castelo. A extensão deste rio é de aproximadamente 19 km e a sua bacia hidrográfica tem 77,0 km2. É limitado a norte pela bacia hidrográfica do Rio Minho e a sul pela bacia do Rio Lima. Desde a nascente até a confluência com o Rio Galego, este rio corre em leito rochoso, com declive acentuado. A partir da freguesia de Freixeiro de Soutelo, o rio atravessa um vale largo. O caudal médio anual é de 3,20m3/s.

Este rio tem como principais pontos de interesse as suas belíssimas cascatas, os moinhos e azenhas de água que existem ao longo das suas margens, bem como a prática de desportos radicais, nomeadamente, Canyoning e Escalada. Durante o Verão é muito frequentado por turistas e pelas gentes das diferentes freguesias para ali refrescarem-se do calor. É composto por alguns açudes que serviam para levar a água para os terrenos agrícolas e para fazerem mover os moinhos e azenhas de água que se encontram mais afastados das suas margens.

 

A Lenda

 

Conta a lenda que no tempo em que ainda não havia o nome de Portugal, a Rainha desta terra, que ia desde a Galiza até Gaia, tomou-se de namoros com um fidalgo marroquino. Chamava-se a Rainha D. Urraca e o mouro Alboazar. Bem ela afirmava o seu amor ao Rei D. Ramiro, mas o coração fugia-lhe para longe. Um dia a renegada, perdida de amores, fugiu com o marroquino para um castelo em Gaia, julgando-se ali segura e feliz!

O pobre Rei D. Ramiro viu-se sem esposa e sem honra! Tal ultraje e afronta não podia ficar assim. Temia envolver numa guerra todo o seu exército, aquando a traidora fugisse para mais longe. Por isso resolveu tomar outras medidas. Vestiu-se de pobre mendigo, e embarcou numa pequena barca, que foi descendo pela costa até entrar pelo rio dentro. Aí informou-se da presença da mulher. Era verdade! Eles estavam naquele castelo, em descurada vigilância, entregues à paixão.

Assim, numa noite de breu, roubou a esposa enquanto todos dormiam. Correndo para um navio que ali estava atracado, subiu pelo mar até um lugar chamado de Gontinhães, na foz de um pequeno rio, onde atracou para descansar.

Aqui chegado, contou aos seus fidalgos e aos seus filhos a traição da rainha, pedindo-lhes ajuda para dar a melhor justiça, a tão vil acto de sua mulher. Todos ouviram com muita tristeza a tamanha maldade daquela mulher. O Infante D. Ordonho, com as lágrimas pelos olhos, disse para seu pai.

- Senhor, a mim não cabe falar, porque é minha mãe! Não digo senão que olheis pela vossa honra! Mais ninguém ousou dizer alguma coisa ao Rei. Como era noite, foram todos descansar, deixando a rainha presa, junto com as mulheres que estavam com ela. No dia seguinte foram dizer ao Rei que a Rainha estava a chorar.

Logo o Rei disse:

- Vamos vê-la!

Foram todos os seus conselheiros com ele. Quando chegaram junto dela, perguntou-lhe o rei:
 - Porque é que chorais?
 - Porque mataste Alboazar, que era muito melhor do que tu!

Todos ficaram horrorizados com semelhante afronta! O Infante, não querendo acreditar no que ouvira, só teve tempo para dizer:
 - Isto é obra do diabo! Meu pai, o que fareis com ela? Ela ainda vai fugir novamente!

Então o Rei amarrou a esposa traidora a uma âncora e lançou-a ao mar.

Orgulhoso, não a deixou nas mãos do inimigo, mas, ofendido na sua honra, também a não quis para si.

Abandonando D. Urraca no fundo do mar presa à âncora, regressou D. Ramiro ao seu castelo.

A partir daquele dia, o rio onde tal sucedeu passou-se a chamar Âncora!

 

A Lagoa

 

Está lagoa, localiza-se no segmento dos Viveiros Florestais, sendo um dos principais pontos atractivos destes, e dos mais procurados no Verão, quer pelos visitantes, quer pelas gentes da terra que ali se refrescam e apanham sol. Ao longo dos anos, está lagoa foi adquirindo as suas próprias formas, estando todos os anos diferente, ora mais fundo, ora menos fundo, ora mais frio, ora mais quente…

É dos locais mais apreciados desta freguesia, pois tem como pano de fundo a encosta da Serra D’Arga, o silêncio sepulcral só perturbado pelo barulho da água e pelo cantar dos animais que por ali andam… É um pequeno paraíso que ainda não foi esquecido e que muita gente atrai a está freguesia.

 

Lagoa

Lagoa 2


A cache

 

A cache encontra-se nas mediações desta lagoa, num dos recantos mais verdes e sossegados deste local.

É um container de tamanho regular que permite a troca de objectos.

 



GeoPT.org - Geocaching Portugal

Additional Hints (Decrypt)

Ire Fcbvyre

Decryption Key

A|B|C|D|E|F|G|H|I|J|K|L|M
-------------------------
N|O|P|Q|R|S|T|U|V|W|X|Y|Z

(letter above equals below, and vice versa)



 

Find...

39 Logged Visits

Found it 32     Didn't find it 1     Write note 3     Archive 1     Publish Listing 1     Post Reviewer Note 1     

View Logbook | View the Image Gallery of 15 images

**Warning! Spoilers may be included in the descriptions or links.

Current Time:
Last Updated:
Rendered From:Unknown
Coordinates are in the WGS84 datum

Return to the Top of the Page

Reviewer notes

Use this space to describe your geocache location, container, and how it's hidden to your reviewer. If you've made changes, tell the reviewer what changes you made. The more they know, the easier it is for them to publish your geocache. This note will not be visible to the public when your geocache is published.