Skip to Content

<

Crónicas da Terra Ardente

A cache by Valente Cruz Send Message to Owner Message this owner
Hidden : 1/10/2012
Difficulty:
2 out of 5
Terrain:
3 out of 5

Size: Size: regular (regular)

Join now to view geocache location details. It's free!

Watch

How Geocaching Works

Please note Use of geocaching.com services is subject to the terms and conditions in our disclaimer.

Geocache Description:


Translation
O objectivo desta cache é proporcionar um pequeno passeio pela crista do Portal do Inferno (cerca de 350 metros) e, simultaneamente, prestar uma singela homenagem a uma das nossas maiores paixões: a literatura.

Ao longe, para lá das montanhas, apenas resistem os mais fortes e os sonhos. A vontade não vacila mais do que a sede de aventuras. Coisa pouca, para quem já caminha desde uma terra da Mancha, da qual nunca se conheceu o nome. Dom Quixote, fidalgo armado cavaleiro pelas vicissitudes da leitura, segue à frente, altivo como um príncipe da História, de lança em cabido, adarga antiga e cavalo senhorial, ainda que o próprio não o saiba. Sancho Pança segue atrás, fiel como um sol de Verão. Para trás tinham deixado uma aventura nuns moinhos junto ao rio Vouga. Julgando ouvir o nome da sua donzela Dulcinea desrespeitado, o inefável cavaleiro investiu sobre os gigantes, a montante de toda a coragem do mundo. Venceu-os, mas a batalha deixou-o tão desgastado que não falou durante toda a subida da encosta.

No horizonte, a crista da montanha tinha a feição do dorso de Rocinante. A planura agilizou-lhes o passo e em menos que o pensassem chegaram próximo do pico. Decidiram contorná-lo e subir pela vertente menos agreste. Para seu espanto, avistaram então um grupo de pessoas, numa matiz de estranhas diferenças. Pareciam ter sido repescadas de eras distintas, pois as suas vestimentas eram muito discrepantes entre si. Dom Quixote e Sancho Pança, atónitos, aguardaram alguns instantes, até que desmontaram e decidiram aproximar-se. As pessoas agrupavam-se de acordo com as parecenças e esbracejavam muito entre si. Contudo, pouco se entendiam, pois falavam línguas distintas.

Um pouco mais afastado, Raskólnikov vagueava pela sua solitude. Chegara recentemente da Sibéria, arrastando ainda com uma réstia de culpa. A custo, tinha encontrado o seu lugar no mundo e estabelecera um equilíbrio de humanidade sentida entre o sofrimento, as acções e a importância que as envolve.

Fornido, Leopold Bloom deambulava pelo monte como um capitão do tempo. De rosto perscrutador, ia delineando os passos que percorrera no dia 16 de Junho, divagando a memória por várias eras, como se as passadas já lá estivessem há muito, num fortuito encontro de vidas. Afinal, todas as existências, maiores ou menores, tocam-se sempre nas pequenas coisas. Recitava versos de Hamlet e pensava cada uma das palavras, tentando perceber a sua origem e como elas se relacionavam com o seu criador. Parou então abruptamente e descortinou um sujeito que cobria o corpo com parcas vestimentas e parecia reunir toda a bravura da vida. Sentiu que o conhecia desde sempre e o seu nome assoberbou-se na consciência como uma indubitabilidade: Ulisses.

Colocados em diferentes patamares da encosta, várias gerações da família Buendía – Iguarán entrelaçavam diferentes histórias entre si num realismo fantástico. Discutiam como tinham chegado até ali e tentavam vislumbrar Macondo para lá da linha do horizonte. Com medo que o atassem a uma qualquer árvore que ali crescesse, o coronel José Arcadio Buendía começou a afastar-se dos demais, até que se sentou num ponto mais alto, onde poderia controlar as intermitências que lhes viajavam pela alma.

Os gémeos Estha e Rahel olhavam, assombrados, para todas as diferenças que passeavam à sua volta. Pareciam dois esquimós largados numa exploração africana. Kerala ficava para lá dos seus sonhos e Velutha era uma estrela intocável num céu de solidão, junto dos outros deuses das pequenas coisas.

Ouviu-se então um estranho barulho, que se arrastava pela encosta. Por detrás de uma rocha, surgiu um homem de rosto cansado e mãos calejadas pela exuberância das elites. O homem comum. Carregava um penedo às costas, quase tão grande como ele. Mas não o carregava tão somente, já que arrastava consigo a história de um povo. Por detrás dos raios de sol, surgiu uma passarola fantástica que, ao passar pelo cume, deixou para trás um homem e uma mulher. Estremunhados, levantaram-se e foram trocando olhares de estupefacção. Partilhavam o nome Sete, mas enquanto um era Sol, a outra era Lua.

Todos falavam e poucos se entendiam. Entre as discórdias e tudo o que não sabiam ou porquê ali tinham sido convocados, surgiu uma figura de chapéu pontiagudo. Trazia uma espada numa mão e um cajado na outra. Atrás de si surgiram outros, diferentes no tamanho e no aspecto. Uns eram pequenos, de orelhas esticadas e vinham descalços. Um outro parecia um deus em forma de homem, com o rosto níveo. Nas costas trazia um arco e flechas. Havia ainda um homem de barbas compridas e que tinha uma coroa na cabeça. Outro era pequeno e anafado, erguendo um machado maior que ele. Atrás de todos, e um pouco distanciado, surgiu uma criatura disforme, com o coração dividido entre o amor e o ódio a um anel.

Mais se juntaram ainda, sendo que a passagem do tempo apenas parecia confundir-lhes ainda mais a consciência. Outros, mais insatisfeitos, acabaram mesmo por se ir embora, levados pelo esquecimento. Quando parecia que, por fim, todas aquelas diferenças iriam redundar num abandono generalizado, surgiu um homem de fato negro, laço a condizer e chapéu elegante. Tinha um bigode que parecia formar um pequeno triângulo. Usava ainda uns óculos redondos, vulgares. Atrás dele pareciam caminhar muitos mais, quais espectros da sua consciência. Tinhas as mãos adejadas de um qualquer trabalho publicitário, mas com a mente erguia o génio do mundo e apenas com a palavra o fazia girar. Colocou-se no meio deles e tirou um caderno do bolso, colocando-o depois no chão. Sobre ele deixou ficar uma caneta. Por três vezes rodou o seu olhar e todos lhe acompanharam os movimentos, como se tivessem sido enfeitiçados pela sua vontade. Levantou então a voz e disse, de tal forma que todos o compreenderam:

– Já se perguntaram quem é que vocês são? Por certo saberão o vosso nome, mas será que se conhecessem mesmo. Eu sei, lembram-se de poucas coisas da vossa vida e mais parece que sempre existiram. Alguns atravessaram os séculos e nunca se perguntaram, até agora, porque é que continuam a ver as pessoas partir e vocês permanecem iguais. Perenes como o sol e a lua. Pois bem, vocês são as personagens do mundo e inspiram todas as vidas que vos conhecem. Nasceram de uma ideia, mais ou menos clarividente, que cresceu depois até vos tornar em tudo aquilo que são. Metáforas da vida. Vocês são mais do que um nome; vocês são mais do que uma ideia. São o espelho do mundo e toda a humanidade se resume num ponto infinito da vossa consciência. Fui quem vos convocou para virem até aqui. O Portal do Mundo, entre o Céu e o Inferno. Deixo-vos uma caneta e um caderno em branco, que tem quantas páginas conseguirem imaginar. Estou certo de que saberão o que fazer. Criem a vida!

Depois de falar, o homem ajeitou o chapéu, sorriu em volta, e começou a caminhar, abrindo uma clareira entre a multidão que se tinha juntado, desaparecendo de seguida. Os personagens, cada um na sua vez, pegaram no caderno e deixaram que a caneta lhes discorresse a alma, numa linguagem sentida que todos entenderam.



A CACHE

Esta cache é dedicada às histórias e aos livros, e por isso mesmo resolvemos convidar os personagens principais dos que mais gostamos.

O objectivo é proporcionar um pequeno passeio pelo Portal do Inferno, onde a estrada serpenteia pelas encostas escarpadas e as vistas perdem-se entre o horizonte da memória, sendo que no primeiro ponto irão recolher informações sobre a localização do final, assim como sobre a forma de acederem ao conteúdo. Existe um trilho entre os locais que vos levará até próximo do final, e de onde poderão avistar, entre outras coisas, as cascatas da ribeira de Palhais.

Por ser uma cache dedicada aos livros, considerámos que seria oportuno permitir a permuta dos mesmos entre os geocachers. Assim, no container final irão encontrar alguns livros que poderão ser trocados. Apelamos a que sejam conscienciosos e apenas levantem um livro se lá deixarem outro, caso contrário estão a ir contra o espírito de partilha que esta cache pretende propiciar. Dada a especificidade do container, os livros não deverão ter dimensões superiores a 15x25 cm.

De acordo com o que foi acima descrito, pretende-se ainda que os geocachers façam um registo um pouco diferente do que é habitual. No container final encontrarão também um caderno onde está a história começada pelas nossas personagens e gostaríamos que todos dessem o seu contributo para a mesma crescer, acrescentado algumas linhas de acordo com a sua vontade e a inspiração, deixando ao lado do registo o nick e a data, como é habitual. A seu tempo, iremos transcrevê-la para o listing da cache.


Aconselhamos que estacionem o carro no waypoint referido e se desloquem a pé pelo cume da montanha, já que os pontos não estão muitos afastados e assim desfrutarão melhor da paisagem, para além de que poderão ter dificuldades nas manobras com o cachemobil, visto que por isso mesmo o sítio é conhecido como o Portal do Inferno, já que em tempos idos, e de acordo com os relatos, a passagem pelo local era de facto uma aventura do outro mundo.

Julgamos que o terreno não apresentará dificuldades de maior à generalidade dos geocachers. Ainda assim, e como os containers se encontram próximos de precipícios, pede-se o máximo de cuidado, especialmente com crianças. Em dias de chuva ou com o terreno molhado a dificuldade sobe e a abordagem final pode tornar-se perigosa. Não arrisquem mais do que devem e do que realmente precisam.

Tendo em conta a temática da cache e o local onde se encontra, juntámos alguma banda sonora, mexemos tudo muito bem e surgiu este título sobre odisseia dos descobrimentos, que moldaram a face do mundo e inspiraram a maior relíquia da língua portuguesa, Os Lusíadas. Façam-se à estrada, Por essa vida acima!

Gostaríamos ainda de deixar uma referência ao Mestre Torga, que tão bem descreveu as suas caminhadas pelas serranias, particularmente no Gerês, local onde gostava de regressar. Estamos convictos que ele haveria de gostar do geocaching e das possibilidades de descoberta que ele promove.

No local, e se preferirem algo mais radical, com um pouco de adrenalina à mistura, podem sempre fazer uma descida às entranhas, na procura de Indiana Taparué e o Sonho no Portal do Inferno.

Não publiquem fotos dos containers e não revelem dados sobre os mesmos!
Boas caches, bons livros e boas histórias!

Desfrutem do local, protegendo a Natureza!

free counters
Free counters

Additional Hints (Decrypt)

1 - Dhnfr n purtne nb gbcb, qb ynqb qn rfgenqn.
2 - An yncn, qrcbvf qb pneinyub.

Decryption Key

A|B|C|D|E|F|G|H|I|J|K|L|M
-------------------------
N|O|P|Q|R|S|T|U|V|W|X|Y|Z

(letter above equals below, and vice versa)



 

Find...

121 Logged Visits

Found it 109     Didn't find it 1     Write note 5     Temporarily Disable Listing 1     Enable Listing 1     Publish Listing 1     Needs Maintenance 1     Owner Maintenance 2     

View Logbook | View the Image Gallery of 79 images

**Warning! Spoilers may be included in the descriptions or links.

Current Time:
Last Updated:
Rendered From:Unknown
Coordinates are in the WGS84 datum

Return to the Top of the Page

Reviewer notes

Use this space to describe your geocache location, container, and how it's hidden to your reviewer. If you've made changes, tell the reviewer what changes you made. The more they know, the easier it is for them to publish your geocache. This note will not be visible to the public when your geocache is published.