Skip to content

<

#8 - Poço d'El Rei [PT - Penamacor]

A cache by NPALJVENES TEAM Send Message to Owner Message this owner
Hidden : 01/20/2012
Difficulty:
2 out of 5
Terrain:
2 out of 5

Size: Size:   small (small)

Join now to view geocache location details. It's free!

Watch

How Geocaching Works

Please note Use of geocaching.com services is subject to the terms and conditions in our disclaimer.

Geocache Description:



Com esta cache pretendemos dar a conhecer o Poço d'El Rei, uma antiga cisterna, de onde se pode ter uma vista espectacular para a Torre de Menagem e para a zona mais baixa da vila. Para nós, é um dos locais mais bonitos de Penamacor, por isso deixámos para a última cache tradicional. Daqui é directo para a cache bónus.

Perto do local desta cachepoderá encontrar vários monumentos concentrados num espaço relativamente pequeno da zona designada por "Cimo de Vila", pela sua localização mais elevada em relação ao resto da vila. 1- Pelourinho (Séc. XVI) O pelourinhos são antigos símbolos de autonomia administrativa e judicial. Junto deles se proclamavam os editais e, por vezes, se executavam sentenças. O pelourinho de Penamacor é considerado peça única no Distrito de Castelo Branco, por manter ainda as argolas nos seus ganchos de ferro forjado. Seguindo a regra, situa-se junto à Câmara, donde emanavam as decisões das autoridades públicas. O terreiro contíguo serviu, primeiramente, de praça pública e mercado e, mais tarde, quando aquelas funções se deslocaram para o arrabalde, como cemitério, situação que se verificava ainda no início do séc. XIX. A data inscrita no brasão de armas da vila, na face sul do capitel, é de 1565, a mesma que se encontra no brasão da fachada norte da Câmara. 2- Igreja da Misericórdia (Séc. XVI) As Misericórdias foram instituídas em Portugal com o alto patrocínio da rainha D. Leonor, a partir de 1498, com a finalidade de assistir aos pobres e enfermos. A Misericórdia de Penamacor data, certamente, do reinado D. Manuel I (1495-1521), em cuja época a vila regista um assinalável surto de crescimento urbano, atestado pelos numerosos apontamentos arquitectónicos disseminados pelo arrabalde, de feições caracteristicamente manuelinas, cujo o melhor exemplo é o bonito portal da própria igreja, com as suas arquivoltas ornadas de motivos vegetalistas, típicos do gótico final português. No interior sobressai o altar-mor, em talha de estilo nacional, bem como as magníficas imagens de Nossa Senhora das Dores e do Senhor dos Passos, que ocupam os altares laterais. À porta da Misericórdia funcionou, até ao primeiro quartel do séc. XX, a roda dos expostos, artifício pelo qual se recebiam os recém-nascidos enjeitados. Por tradição, que ainda se mantém, cabe ao sino da Misericórdia anunciar o falecimento dos naturais da vila. 3 - Torre do Relógio (Séc. XIV ou XVI) Adossada à muralha medieval, esta torre foi peça importante na defesa das portas da vila. A sua construção remonta, provavelmente, a meados do séc. XIV. As actuais ameias e campanário resultam da reconstrução operada em meados do séc. XX, para receber o novo relógio carrilhão instalado em 1956, em substituição do antigo, que já vinha do séc. XIX. As numerosas inscrições que se observam no aparelho de cantaria são marcas de canteiro. 4- Antiga Casa da Câmara (Séc. XVI) A Antiga Casa da Câmara, singular exemplo de arquitectura civil do séc. XVI, integra-se, curiosamente, na estrutura defensiva que abraça o burgo medieval, já que se encontra no alinhamento da muralha e assenta sobre a antiga porta da vila, a cujo primitivo portal românico se justapôs o portal gótico, originando uma entrada em túnel. A data inscrita no brasão da fachada virada ao arrabalde é de 1568, reinava D. Sebastião. No interior encontramos dois compartimentos: o mais pequeno servia para o escrivão da Câmara, e no outro realizavam-se as sessões. Aqui reuniram e deliberaram os vereadores do concelho até 1871, ano em que a Câmara transitou para a actual localização, junto ao Terreiro de Santo António. Despojado das suas antigas funções, o edifício viria a ser paiol da guarnição militar, sede do Clube de Penamacor, e, já em 1949, sede do núcleo embrionário do Museu Municipal. Em 2005 passou a acolher o Posto de Turismo. 5- Castelo de Penamacor - Torre de Menagem (Séc. XII a séc. XVI) Logo após a Reconquista Cristã, Penamacor foi vila régia. Em 1209 D. Sancho I outorga-lhe Carta de Foral. Nos séculos seguintes, o Castelo é reforçado e ampliado face ao aumento da população e à permanente ameaça dos reinos vizinhos. Durante o século XVII, no decurso da Guerra da Restauração, a velha fortaleza medieval é parcialmente demolida e surge uma estrutura abaluartada que envolve toda a vila. O Castelo, implantado em promontório rochoso, aproveitando as condições naturais que permitiam alcançar largas vistas, integrava a linha de defesa da fronteira. Hoje, a Torre de Menagem é tudo o que resta da alcáçova de uma das mais importantes fortalezas da Beira. Não se pode, com rigor, situar o ano ou reinado da sua construção. Sabe-se que no início do séc. XVI sofreu obras, provavelmente de reforço ou de restauro. Um testemunho do séc. XVIII ainda a descreve coroada com balcão de matacães assente em cachorrada. A entrada processava-se por uma das dependências assobradadas da alcáçova, através de porta única, situada a cerca de seis metros da base e à qual se acede hoje por escada exterior. O Castelo de Penamacor foi classificado Monumento Nacional em 1973. Fonte: www.cm-penamacor.pt A cache: Esta é a oitava de um conjunto de 8 caches de um Power Trail especialmente criado por nós para dar a conhecer vários pontos de interesse turístico da vila de Penamacor. Em algumas das caches terá que apontar o código fornecido, que será necessário para obter as coordenadas da cache mistério final. Assim, terá que descobrir 6 códigos (A, B, C, D, E, F). Não se esqueça de tomar nota. Não existe nenhuma ordem que nos pareça natural para fazer este power trail. A sequência numérica das caches é apenas aleatória. O trajecto pode ser feito de carro, mota, bicicleta ou a pé. A duração total estimada é de cerca de duas horas se for feito a pé, o que recomendamos vivamente. Até porque alguns dos pontos mais interessantes encontram-se na parte antiga da vila onde não é fácil transitar de carro. O grau de dificuldade do trajecto é médio/baixo, mas cuidado com as subidas inclinadas... Uma última nota: nas caches próximas de habitações sejam discretos nas buscas. Há sempre alguém numa janela, sentado num banco, ou simplesmente a ler o jornal na rua. Conteúdo da cache: -Stashnote -Logbook -Lápis -Afia

Additional Hints (Decrypt)

[PT] Qronvkb qr hzn tenaqr gncnqn pbz crdhranf. Ire sbgb fcbvyre.
[EN] Haqre n ovttre bar, pbirerq jvgu fznyyre barf. Frr cubgb fcbvyre.

Decryption Key

A|B|C|D|E|F|G|H|I|J|K|L|M
-------------------------
N|O|P|Q|R|S|T|U|V|W|X|Y|Z

(letter above equals below, and vice versa)



Reviewer notes

Use this space to describe your geocache location, container, and how it's hidden to your reviewer. If you've made changes, tell the reviewer what changes you made. The more they know, the easier it is for them to publish your geocache. This note will not be visible to the public when your geocache is published.