Skip to content

#6–PR-BAO–CAMINHO DE JACINTO: Casa do Lodeiro Traditional Cache

This cache has been archived.

Bitaro: Olá QuestionMan,
Esta geocache foi arquivada por falta de uma resposta atempada e/ou adequada perante uma situação de falta de manutenção.
Relembro a secção das Linhas de Orientação que regulam a manutenção das geocaches:

O dono da geocache é responsável por visitas à localização física.

Você é responsável por visitas ocasionais à sua geocache para assegurar que está tudo em ordem para funcionar, especialmente quando alguém reporta um problema com a geocache (desaparecimento, estrago, humidade/infiltrações, etc.), ou faz um registo "Precisa de Manutenção". Desactive temporariamente a sua geocache para que os outros saibam que não devem procurar a geocache até que tenha resolvido o problema. É-lhe concedido um período razoável de tempo - geralmente até 4 semanas - dentro do qual deverá verificar o estado da sua geocache. Se a geocache não estiver a receber a manutenção necessária ou estiver temporariamente desactivada por um longo período de tempo, poderemos arquivar a página da geocache.

Se no local existe algum recipiente por favor recolha-o a fim de evitar que se torne lixo (geolitter).

Uma vez que se trata de um caso de falta de manutenção a sua geocache não poderá ser desarquivada. Caso submeta uma nova será tido em conta este arquivamento por falta de manutenção.

More
Hidden : 04/01/2012
Difficulty:
2 out of 5
Terrain:
3 out of 5

Size: Size:   small (small)

Join now to view geocache location details. It's free!

Watch

How Geocaching Works

Related Web Page

Please note Use of geocaching.com services is subject to the terms and conditions in our disclaimer.

Geocache Description:

Todos os containeres têm um logbook com uma frase ou citação do escritor, Eça de Queirós. Bem como objectos de troca. De espírito aliviado pela divina paisagem, não espere ter a sorte de Jacinto e Zé Fernandes, pois nem a égua russa nem o burro de Sancho o transportarão até lá acima. A alternativa é trepar até Tormes.

Caminho de Jacinto

Este é o 1º projecto das Caches literárias. Este percurso pedestre é efetuado não pelo caminho turístico do "Caminho de Jacinto", mas pelo Caminho da Pedreda, pois este era o antigo caminho que os locais usavam para virem a pé do cimo da freguesia para os seus fundos, como para apanharem o comboio, para irem à missa, ou mesmo utilizado pelos homens que calcorreavam a freguesia a pé para avisarem a data dos funerais. O percurso pedestre que de acordo com o relato do romance “A Cidade e as Serras”, tem início na Estação de Tormes (Aregos) prolongando-se serra acima por caminhos de natureza passando por Tormes ou Quinta de Vila Nova até à Ermida que se encontra no cimo do Monte, por trás da Quinta.
O “Caminho de Jacinto” colheu inspiração nas veredas que Eça efectivamente subiu ou que as gentes de Vila Nova e arredores faziam para apanhar o comboio. Por isso, é um caminho de ficção, reinventado agora nas variantes da fonte de inspiração original. Pode dizer-se que é também uma metáfora de todo o percurso interior que a personagem Jacinto vai realizando ao longo da novela.


"Vales lindíssimos, carvalheiras e soutos de castanheiros seculares, quedas de água, pomares, flores, tudo há naquele bendito monte. A quinta está situada num alto, num sítio soberbo - que abrange léguas de horizonte, e sempre interessante. (..) Logo adiante da casa, o monte desce até ao Douro, logo por trás da casa, o monte sobe até aos cimos onde há uma ermida."
Eça de Queirós, a Correspondência


A Estação é um dos elementos fundamentais do itinerário, pois é neste cenário que a expectativa urbana se confunde com a rusticidade do lugar, onde a curiosidade sobranceira de Jacinto se verga perante a graciosidade acolhedora da pequena infra-estrutura instalada entre a serra omnipresente e a, agora, calmaria das águas do rio.

"...a pequenina Estação de Tormes, termo ditoso das nosssas povoações. A sineta repicou... E com um belo fumo claro, o comboio desapareceu por trás das fragas altas."
Eça de Queirós, A Cidade e as Serras

Deslumbre-se com os vales fofos de verdura, os bosques quase sacros, os pomares cheirosos em flor, a frescura das águas cantantes, as ermidinhas branqueando nos altos, as rochas musgosas, o ar de uma doçura de paraíso, toda a majestade e toda a lindeza. Deixando resvalar o olhar observe os vales poderosamente cavados (...) os bandos de arvoredos, tão copados e redondos de um verde tão moço e sinta, por todo o lado, o esvoaçar leve dos pássaros.








Additional Hints (Decrypt)

Avaub qr pneevçn. Qrvkrz n pnpur r b avaub pbzb bf rapbagenenz, cbe snibe.

Decryption Key

A|B|C|D|E|F|G|H|I|J|K|L|M
-------------------------
N|O|P|Q|R|S|T|U|V|W|X|Y|Z

(letter above equals below, and vice versa)