Skip to Content

This cache has been archived.

Misticspell: Obrigado a todos pela comparência.

Ate breve.

Misticspell

More
<

PR3 – Rota das Laranjeiras – Sever do Vouga

A cache by MilheiroenseBTT & Misticspell Send Message to Owner Message this owner
Hidden : Sunday, January 27, 2013
Difficulty:
2 out of 5
Terrain:
2 out of 5

Size: Size: not chosen (not chosen)

Join now to view geocache location details. It's free!

Watch

How Geocaching Works

Please note Use of geocaching.com services is subject to the terms and conditions in our disclaimer.

Geocache Description:

Se és geocacher ou muggle, gostas do contacto com a natureza enquanto convives com outros como tu então este evento é para ti. O objetivo é formar um grupo para percorrer o PR 3 - Rota das Laranjeiras.

MilheiroenseBTT

PR3 – Rota das Laranjeiras – Sever do Vouga

Dia 27 de Janeiro de 2013 (Domingo)

 

Programa:

08h45:Ponto de encontro final N40º42.529 W008º22.103 Estacionamento no largo fronteiro à Igreja Matriz de S. Martinho, de Pessegueiro do Vouga

09h00:Início da caminhada.

12h00:Fim do percurso (estimado).


Ficha Técnica:

Partida e Chegada:Igreja Matriz, Pessegueiro do Vouga

Âmbito:Desportivo, cultural e paisagístico.

Tipo de Percurso:PR circular, por caminhos rurais e florestais. Junto às povoações, algum asfalto.

Distância a Percorrer:Cerca de 9,5km

Duração do Percurso:Cerca de 3h00

Nível de dificuldade:Baixo

Época Aconselhada:Todo o ano.

Desníveis: Irrelevantes

 

O “PR3 – Rota das Laranjeiras”, é um percurso pedestre de Pequena Rota marcado, nos dois sentidos, segundo as normas da Federação de Campismo e Montanhismo de Portugal. As marcas com tinta amarela e vermelha estão de acordo com a figura.

 

Sinaletica

Notas:

» Devem levar água (!não deve nunca faltar água!), e comida, alimentos práticos e energéticos (ex. barras energéticas, marmelada).

» Material necessário:

- Roupa e calçado adequado a caminhar no campo/natureza e à meteorologia do dia.

 

Folheto

Descrição do percurso:

O PR3 “Rota das Laranjeiras” inicia-se no largo fronteiro à Igreja Matriz de S. Martinho, de Pessegueiro do Vouga. Ruma-se dali para o Calvário, primeiro subindo pela rua da escola da Lomba até à estrada nacional que se atravessa, seguindo-se a rua do Alto da Forca e depois uma vereda.

Do Calvário obtêm-se uma bela panorâmica sobre os lugares que constituem o núcleo principal de Pessegueiro, até ao Vouga e, do lado de lá, terras de Paradela.

Desce-se agora até à estrada nacional pela rua do Calvário, tomando-se de imediato, à direita uma rua que sobe e que conduz a antigos caminhos entre quintais que descendo atingem o largo de Sto. António pela ruela do Ribeiro do Sóligo.

Toma-se agora a rua da Bandeira por onde rapidamente se chega à capela de Sta. Quitéria. Visitado o local toma-se, agora, à esquerda da capela, abaixo da escadaria que lhe dá acesso, um caminho por entre floresta que conduz à antiga via-férrea do Vouga.

Aqui chegado, o percurso percorre, à esquerda, a antiga linha agora em forma de asfalto reservado a trânsito pedestre, equestre e ciclista até se chegar à ponte do Poço S. Tiago. Antiga ponte de arcos, do principio do séc. XX, construída em alvenaria.

Atravessando a ponte, segue-se até à antiga estação de Paradela e à Fábrica de Massas Alimentícias “Vouga”.

Agora desce-se pela estrada nacional EN328, passa-se pelo acesso à Quinta do Barco- praia fluvial e parque de diversões – atravessando-se outra vez o Vouga após o que se torna a estrada nacional 16, ao longo do rio, para a esquerda.

Do lado direito da rua, antes da farmácia, torna-se uma estreita ruela em escadaria – a calçada da Barquinha – que segue depois por um estreito caminho entre quintais salpicados de laranjeiras.

Atinge-se agora o lugar da barquinha em escadaria sobre o Vouga, toma-se a rua do mesmo nome para a esquerda e depois um caminho antigo que atravessa os campos até ao Porto Carro. Aqui, toma um antigo caminho que leva de novo à Igreja Matriz, onde se iniciou.

(Fonte: “Folheto PR3 – Rota das Laranjeiras”)

 

Pessegueiro do Vouga e Paradela do Vouga:

Pessegueiro do Vouga é uma povoação muito antiga, embora com este nome apenas se saiba que era referido nas Inquisições reais de D. Dinis em 1282.

Localiza-se na margem direita do Rio Vouga, que lhe dá o nome, e que a banha numa extensão de cerca de 9 Km, desde a foz da Ribeira da Salgueira, perto da Ermida, até à foz Do Rio Mau.

A povoação da Ponte, também conhecida por Ponte de Pessegueiro, importante centro rodoviário, teve o seu nome da ponte que aí fez erigir o Padre Dr. Manuel António Dias Santiago. Abade que foi desta freguesia, no primeiro quarto do século passado.

O lugar de Pessegueiro e a povoação hoje denominado de Barca, estender-se-ia até à Ponte de Pessegueiro (Abade), onde existiria a barca para a passagem do rio para “além do Rio” como se designavam os lugares da actual freguesia de Paradela, na margem esquerda do Rio Vouga. A actual Freguesia de Paradela do Vouga, com todos os seus lugares pertenceu, até meados do século XVIII á freguesia de Pessegueiro do Vouga. Conforme referem documentos históricos, em 1747 com a construção da sua Igreja de evocação À Nossa Senhora de Loreto, no lugar da Capela da Sra. Da Ouvida, foi-lhe proporcionando alguma autonomia em relação à freguesia de Pessegueiro. Porém, só por altura do Liberalismo é que a freguesia de Paradela do Vouga se tornou autónoma.

O Porto do Carro, lugar pertencente à freguesia de Pessegueiro, e sobranceiro ao Rio Vouga, teria sido um porto fluvial, onde os carros de bois iriam carregar e descarregar mercadorias.

A construção da ponte rodoviária de Pessegueiro do Vouga, permitiu que fossem ultrapassadas as dificuldades naturais, de acesso entre as duas freguesias, e por aí foram encaminhadas duas estradas nacionais, a EN 16 (Aveiro/Vilar Formoso) e a EN 328 de Vale de Cambra a Talhadas. A época de transporte por via-férrea fez unir, uma vez mais, estas duas freguesias, através da ponte ferroviária (Ponte do Poço de Santiago) concluída em 1913 e por onde passava o saudoso “Vouginha” que tinha em Paradela do Vouga, junto à Fábrica das Massas Vouga, uma paragem obrigatória, a Estação de Paradela do Vouga.

O Rio Vouga teve um papel importante no tráfego da via fluvial na altura em que o transporte rodoviário ainda estava pouco desenvolvido, e era em barcos, denominadas mercantéis, que transportavam do porto fluvial do Poço de Santiago, nas proximidades da Ponte de caminho-de-ferro, a lenha, a carqueja, o mato, a laranja e outros frutos e produtos, para a cidade de Aveiro e povoações vizinhas. No regresso, traziam ria-acima, a telha, o sal e outras mercadorias da região aveirense.

No portinho fluvial de Santiago, chegavam a juntar-se dezenas de mercantéis a carregar e descarregar, mas com a intensificação do transporte ferroviária e rodoviária essas viagens fluviais cessaram por volta de 1966.

(Texto extraído e adaptado do livro “Pessegueiro do Vouga – Das Origens à Actualidade”, de António Henriques Tavares).

Brasão

Mapa

Igreja Ponte Ponte

Additional Hints (No hints available.)



 

Find...

23 Logged Visits

Write note 3     Archive 1     Will Attend 7     Attended 11     Publish Listing 1     

View Logbook | View the Image Gallery of 21 images

**Warning! Spoilers may be included in the descriptions or links.

Current Time:
Last Updated:
Rendered From:Unknown
Coordinates are in the WGS84 datum

Return to the Top of the Page

Reviewer notes

Use this space to describe your geocache location, container, and how it's hidden to your reviewer. If you've made changes, tell the reviewer what changes you made. The more they know, the easier it is for them to publish your geocache. This note will not be visible to the public when your geocache is published.