Skip to content

MARINHAS Traditional Geocache

This cache has been archived.

Bitaro: Olá Afam85,
Esta geocache foi arquivada por falta de uma resposta atempada e/ou adequada perante uma situação de falta de manutenção.
Relembro a secção das Linhas de Orientação que regulam a manutenção das geocaches:

O dono da geocache é responsável por visitas à localização física.

Você é responsável por visitas ocasionais à sua geocache para assegurar que está tudo em ordem para funcionar, especialmente quando alguém reporta um problema com a geocache (desaparecimento, estrago, humidade/infiltrações, etc.), ou faz um registo "Precisa de Manutenção". Desactive temporariamente a sua geocache para que os outros saibam que não devem procurar a geocache até que tenha resolvido o problema. É-lhe concedido um período razoável de tempo - geralmente até 4 semanas - dentro do qual deverá verificar o estado da sua geocache. Se a geocache não estiver a receber a manutenção necessária ou estiver temporariamente desactivada por um longo período de tempo, poderemos arquivar a página da geocache.

Se no local existe algum recipiente por favor recolha-o a fim de evitar que se torne lixo (geolitter).

Uma vez que se trata de um caso de falta de manutenção a sua geocache não poderá ser desarquivada. Caso submeta uma nova será tido em conta este arquivamento por falta de manutenção.

More
Hidden : 02/14/2013
Difficulty:
2 out of 5
Terrain:
1.5 out of 5

Size: Size:   other (other)

Join now to view geocache location details. It's free!

Watch

How Geocaching Works

Related Web Page

Please note Use of geocaching.com services is subject to the terms and conditions in our disclaimer.

Geocache Description:


Translation

MARINHAS

 

Ao longo dos anos o binómio mar/monte marcou o quotidiano dos marinhenses.

Sem dúvida, nas proximidades do mar, na foz dos pequenos cursos de água que aí desaguam, existiam, desde a Idade Média, explorações de sal (salinas ou marinhas ). Com o decorrer dos tempos as formações dunares e os trabalhos agrícolas terão coberto ou destruído os vestígios de uma actividade económica que, um dia, passou a designar o próprio local onde se desenvolvia.

Recentemente devido à erosão costeira que se tem feito sentir foi posto a descoberto um antigo porto de mar, que terá sido usado no escoamento do sal e que remontará à idade média ou mesmo a tempos mais remotos.

Ao mar recorria-se para fertilizar os campos. A apanha de sargaço e as campanhas do pilado  foram actividades que marcaram gerações de Marinhenses. Apesar de Marinhas não ser terra de pescadores os seus habitantes, principalmente os do lugar de Cepães, encontravam na pesca artesanal e na apanha de polvos  parte do seu sustento. As mulheres marinhenses apoiavam os maridos na luta do dia à dia e quando estes se deslocavam de pedra em pedra   nas suas jangadas para apanharem polvos e mariscos estas ficavam nas rochas a apanhar algas  que eram vendidas num entreposto .

Apesar da ligação ao mar era a agricultura que determinava a vida d’ antigamente. Era da terra que se arrancava o sustento das famílias e esta actividade está umbilicalmente ligada a uma das profissões mais emblemáticas da nossa terra: As moleiras.

As moleiras percorriam a freguesia com as suas mulas, recolhendo o milho na casa dos lavradores, que transportavam para a Abelheira, para ser moído nas azenhas  ou nos moinhos, milho esse que era devolvido ao lavrador sob a forma de farinha mediante o pagamento de uma maquia (uma percentagem de farinha que era o lucro das moleiras).

Os moinhos construídos em alvenaria com as suas pesadas mós de pedra que necessitavam de ser regularmente picadas  para produzirem uma farinha perfeita são um dos muitos exemplos da arte dos pedreiros e lavristas marinhenses .

Na altura, nas dezenas de pedreiras existentes nas encostas do monte, centenas de marinhenses extraíram toneladas de pedra, que serviu de base a milhares de trabalhos de cantaria que se encontram espalhados por este país fora.


 

A freguesia de Marinhas com uma longa vida, que já ultrapassa os novecentos anos, evidencia, em resultado das actividades que marcaram a vida das suas gentes, um vasto e valioso leque de actividades tradicionais.

Ao longo dos anos o binómio mar/monte marcou o quotidiano dos marinhenses.

Sem dúvida, nas proximidades do mar, na foz dos pequenos cursos de água que aí desaguam, existiam, desde a Idade Média, explorações de sal (salinas ou marinhas ). Com o decorrer dos tempos as formações dunares e os trabalhos agrícolas terão coberto ou destruído os vestígios de uma actividade económica que, um dia, passou a designar o próprio local onde se desenvolvia.

Recentemente devido à erosão costeira que se tem feito sentir foi posto a descoberto um antigo porto de mar, que terá sido usado no escoamento do sal e que remontará à idade média ou mesmo a tempos mais remotos.

Ao mar recorria-se para fertilizar os campos. A apanha de sargaço e as campanhas do pilado  foram actividades que marcaram gerações de Marinhenses. Apesar de Marinhas não ser terra de pescadores os seus habitantes, principalmente os do lugar de Cepães, encontravam na pesca artesanal e na apanha de polvos  parte do seu sustento. As mulheres marinhenses apoiavam os maridos na luta do dia à dia e quando estes se deslocavam de pedra em pedra   nas suas jangadas para apanharem polvos e mariscos estas ficavam nas rochas a apanhar algas  que eram vendidas num entreposto .

Apesar da ligação ao mar era a agricultura que determinava a vida d’ antigamente. Era da terra que se arrancava o sustento das famílias e esta actividade está umbilicalmente ligada a uma das profissões mais emblemáticas da nossa terra: As moleiras.

As moleiras percorriam a freguesia com as suas mulas, recolhendo o milho na casa dos lavradores, que transportavam para a Abelheira, para ser moído nas azenhas  ou nos moinhos, milho esse que era devolvido ao lavrador sob a forma de farinha mediante o pagamento de uma maquia (uma percentagem de farinha que era o lucro das moleiras).

Os moinhos construídos em alvenaria com as suas pesadas mós de pedra que necessitavam de ser regularmente picadas  para produzirem uma farinha perfeita são um dos muitos exemplos da arte dos pedreiros e lavristas marinhenses .

Na altura, nas dezenas de pedreiras existentes nas encostas do monte, centenas de marinhenses extraíram toneladas de pedra, que serviu de base a milhares de trabalhos de cantaria que se encontram espalhados por este país fora.


 


ATENÇÃO

LEVEM ALGUMA COISA PARA ESCREVER E TENHAM ATENÇÃO AOS MUGGLE MAXIMA DESCRIÇÃO  PARA DURABILIDADE DA MESMA 


This page was generated by GeoPT Listing Generator

Additional Hints (No hints available.)