Skip to content

O Convento do Mosteiró Traditional Geocache

Hidden : 05/22/2013
Difficulty:
1.5 out of 5
Terrain:
1.5 out of 5

Size: Size:   small (small)

Join now to view geocache location details. It's free!

Watch

How Geocaching Works

Please note Use of geocaching.com services is subject to the terms and conditions in our disclaimer.

Geocache Description:




A existência de uma comunidade monástica em Cerdal é referida no ‘Santuário Mariano’ onde se diz: “no tempo dos Godos houvera aqui convento de Eremitas de Santo Agostinho. E com a entrada dos Mouros em 713, os Eremitas fugiram deixando escondida a imagem da Senhora, a qual se manifestou no tempo de D. Ramiro II, rei de Leão, fundando logo a condessa D. Muma, em 920, convento para Bentos, que se extinguiu por causa da peste”

Era um eremitério pobríssimo com uma capela dedicada a Nossa Senhora, de fruste construção e cuja cobertura era em palha. Estava situada na “parte de baixo das escadas que vão para Ozende, onde somente existe a haste do cruzeiro; outros dizem que era onde nasce a fonte de Santo António” (idem, ibidem). A comunidade era dirigida por um ermitão e um deles, João Martinho “altercava com a Senhora quando achava danificada a sua horta”

O eremitério foi, depois, atingido por um incêndio que poupou a capela, mas não evitou o posterior abandono.

No séc. XIV, mais precisamente em 1392, Frei Diogo Árias ou Aires acompanhado de outros seis frades, que não aceitavam o Papa de Avinhão, chegam ao local onde se erguia e primitivo eremitério e resolvem fundar um convento para o que solicitaram a respectiva autorização ao Papa Bonifácio IX que lhes concedeu a licença (idem, ibidem). “O terreno para a igreja ter-lhe-á sido dado por Martim Solteiro de Valença. Seguindo o seu exemplo outros deram os terrenos para o convento e a cerca”

Em 2 de Abril de 1475, D. Afonso V concedeu aos frades franciscanos, incluindo os de Mosteiró, carta de privilégio e protecção pela qual ficaram isentos de pagar “«fintas, talhas (…) sissas, dízimas, portagens e costumagens de pam, vinho, carnes, pescados e outras quaesquer cousas (…) pera seus mantimentos, nem de panos honestos que comprarem para seus vestires e necessidades, nem de cousas que comprarem para repairaçom de seus mosteiros e casas deles e cera, que lhe seja dada por esmola e de quaisquer outras cousas que lhe sejam dadas ou leixadas, que elles posuir nom posam e quaesquer joyas e ornamentos que também comprarem ouverem para os serviços divinaes assy como vestimentas e capas e livros e quaesquer outras cousas que pêra ello pertencerem»” (Rodrigues, 2006).

Contudo, no séc. XVI o convento achava-se arruinado pelo que foi demolido e reconstruído. As obras da reconstrução datam de 1547 “sendo provincial Frei Diogo de Andrade e guardião Frei Afonso de Albuquerque”



No séc. XVIII a igreja e convento estavam, de novo, degradados. Em 1729, realizaram-se obras de remodelação do dormitório “do lado do Coro a que se seguiu a reconstrução de todo o convento. Em 1745 foi necessário mesmo demolir a igreja, sendo transferida a imagem de Nossa Senhora para a Capela do Capítulo e ali permaneceu sete anos tantos quantos demorou a conclusão do novo templo” .

Contudo, a conclusão da capela-mor só se verificou no ano seguinte, pois foi “em 18 de Abril de 1753 que o Santíssimo Sacramento foi transferido para o sacrário definitivo”

O financiamento da “fábrica da igreja do mosteiro foi obtido dos padroeiros José Soares Pereira e Pedro de Sousa Pereira que contribuíram, anualmente, com 800 reis até 1743, em que desistiram do padroado”

“Com a extinção da Casa do Duque de Caminha, por ser partidário dos Filipes de Espanha, vagou esta para a Coroa que, por sua vez a cedeu ao Infantado. O Infante D. Francisco aceitou o padroado deste convento em 1742, com as mesmas condições que tinha o marquês”

Com a extinção em 1834 das Congregações Religiosas, o convento e Quinta de Mosteiró foi comprado por particulares. Entretanto, em 1884, a igreja passou a ser gerida pela Confraria de Nossa Senhora de Mosteiró sendo proprietários os descendentes de D. Miguel Pereira Forjaz

Em 1895 a Quinta de Mosteiró pertencia a José Malheiro de Sousa Meneses e sua mulher, D, Mariana de Sousa Pereira Caldas senhores da Casa do Rosal, em Valadares (Monção). Em 6 de Dezembro chamaram um tabelião para realizarem uma escritura notarial pela qual vendiam por 1:400.000 reis a João Manuel Pereira d’Azevedo, proprietário, do lugar de Mosteiro, a “quinta chamada de Mosteiro, sita na freguesia de Cerdal, Câmara de Valença que se compõe de casas, com rocios, terra lavradia e terrenos de monte, que tudo confronta do nascente com monte baldio e vários consortes; do poente com regueiro que vem de Gondelim para Bade, do norte com regueiro que vem de Tayão (…) e do sul com monte baldio”
Só no séc, XX e já em 1942, se quebrou o isolamento do convento pela construção do caminho partindo da igreja paroquial e quatro anos depois “concluíram-se os trabalhos de levantamento do projecto para a construção, pela Junta de Freguesia, do 2.º lanço do caminho municipal da igreja a Mosteiro, por Godim”


Flag Counter

Additional Hints (Decrypt)

CG:Nonvkb n znvbe ebpun, cergb qb pnzvaub
RA:Haqre gur ovttrfg ebpx, arne gur cngu

Decryption Key

A|B|C|D|E|F|G|H|I|J|K|L|M
-------------------------
N|O|P|Q|R|S|T|U|V|W|X|Y|Z

(letter above equals below, and vice versa)