Skip to content

OpFZ#15 Gurupés Traditional Cache

Hidden : 06/10/2013
Difficulty:
2 out of 5
Terrain:
3.5 out of 5

Size: Size:   micro (micro)

Join now to view geocache location details. It's free!

Watch

How Geocaching Works

Please note Use of geocaching.com services is subject to the terms and conditions in our disclaimer.

Geocache Description:




Este Power Trail pretende dar a conhecer algumas das muitas Operações dos Fuzileiros portugueses, nas antigas colónias portuguesas, durante a Guerra do Ultramar. Esta foi a zona escolhida para este “PT” porque, durante muitos anos, foi uma das principais zonas de instrução e exercícios operacionais dos Fuzileiros Portugueses.



OPERAÇÃO “GURUPÉS” – Moçambique Outubro 1966

Missão: Bater a bacia do rio Lussefa, procurando capturar as populações refugiadas no mato e controladas pelo IN

do relatório da operação...“... Com o pessoal já todo em campo aberto, a coluna caiu totalmente debaixo de fogo, numa emboscada cuidadosamente montada, em que as ML´s, com outras armas automáticas, estavam distribuídas de forma a bater todo o pessoal, que assim ficou completamente metido na !zona de morte”. O IN aproveitou bem elementos como o nosso cansaço, após cerca de 11horas de marcha com somente algumas horas de intervalo, a natureza do piso, etc... Com o seu fogo baixo e bem apontado não evitou os prisioneiros e população que conduzíamos, incluindo mulheres e crianças. Estas, com grande alarido, rastejavam para fora da zona de fogo e nessa altura corriam em diversas direcções... Como já se sabe, um ataque nestas condições conduz a grande confusão no dispositivo, sendo praticamente impossível perseguir o IN e controlar a população ao mesmo tempo.

O grumete FZE, mostrou grande decisão, energia, sangue frio e notável serenidade reflectida debaixo de fogo, pois apesar dos inúmeros impactes à sua volta e a ausência absoluta de máscaras, levantou-se e indiferente aos projécteis perseguiu a população mais afastada, conseguindo recapturá-la e juntá-la à coluna, mais tarde, com a ajuda de outras praças que seguiram o seu exemplo de decisão. Entretanto a ausência de abrigos e máscaras não permitiam ao pessoal, inicialmente, nenhuma possibilidade de manobra, pois que o volume de fogo IN era bastante grande e os projécteis ricocheteavam na areia, ao longo de toda a coluna, mesmo junto ao pessoal. O IN bem dissimulado, não se avistava e iniciou-se o tiro de reacção e reconhecimento, com o qual ele não se intimidou. Antes manteve o seu ritmo de fogo talvez cerca de dez minutos.

Quando foi possível mexermo-nos por redução do fogo IN e depois de uma desconcertante falha de fogo, iniciou-se o tiro de morteiro, com o qual o IN se pôs em fuga.”


Additional Hints (No hints available.)