Skip to content

Estação Iberia NATO (SATCOM) Traditional Cache

Hidden : 07/31/2013
Difficulty:
1.5 out of 5
Terrain:
1.5 out of 5

Size: Size:   micro (micro)

Join now to view geocache location details. It's free!

Watch

How Geocaching Works

Please note Use of geocaching.com services is subject to the terms and conditions in our disclaimer.

Geocache Description:

AQUI COLOCA O NOME DA FOTO


Desde as primeiras experiências de comunicações sem fios a bordo do NRP D. Carlos I, realizadas na Baía de Cascais, em 26 de Maio de 1902, houve uma transformação enorme nas comunicações navais. A TSF marcou o século XX naval, a viragem do século fica associada ao fim do MORSE e o início do século XXI é marcado pela mobilidade, pelo acesso transparente aos serviços e aos sistemas em rede, onde e quando forem necessários. Este documento insere-se num ciclo de duas conferências sobre a evolução das comunicações na Marinha, desde o seu início até à actualidade. A primeira conferência, desenvolvida pelo Contra-almirante Leiria Pinto, enquadrou o período desde a invenção da TSF até 1975. Esta segunda conferência centra-se nas evoluções registadas depois de 1975 até à actualidade. Os momentos históricos mais marcantes depois da contracção do dispositivo naval, depois do 25 de Abril de 1974, são: a redução de 26 Estações Radionavais e 99 Postos Radionavais para apenas 2 Estações Radionavais, uma no Continente e outra nos Açores; a chegada das fragatas da classe Vasco da Gama que representou um salto tecnológico que se veio a reflectir nas comunicações e nos sistemas de informação; a implementação do projecto SINCOMAR que permitiu a substituição das 2 centrais telefónicas analógicas por centrais digitais e a introdução do correio electrónico militar; a modernização da Rede de Comunicação da Marinha que assegura o acesso aos serviços e sistemas em rede, em terra e no mar; a activação do novo Centro de Comunicações da Marinha com um novo paradigma de junção, num mesmo espaço, do principal nó de comunicações de Comando e Controlo Terra-Terra e Terra-Navio com o centro de dados da Marinha; a recente criação do Centro de Operações Marítimas (COMAR), que precisa das comunicações para a partilha da informação e a subsequente geração de conhecimento situacional; e a modernização organizacional, que foi acompanhando a evolução da tecnologia, e que resultou, recentemente, na criação da Superintendência dos Serviços de Tecnologias da Informação (SSTI)1, através da nova Lei Orgânica da Marinha publicada em 15 de Setembro de 2009. 1994 - Primeiro SATCOM Em 1994 foi instalado o primeiro sistema de comunicações via Satélite nas fragatas da classe “Vasco da Gama”. Planeava-se, nessa altura, o primeiro comando português da SNFL (1995/1996). Os requisitos NATO na área dos sistemas de comunicação e informação exigiam, de entre outras coisas, a introdução, pela primeira vez na Marinha, de equipamentos de recepção e transmissão via satélite em SHF permitindo troca de informação com altos débitos binários. Era também requisito a utilização de um sistema de informação de comando e controlo chamado Maritime Command and Control Information System (MCCIS) para permitir ao Comandante no mar o acesso a informação disponibilizada pelo seu Comando Operacional. relevante para a respectiva missão e contribuir com a informação compilada pelo navio para a visão global da área de interesse e assim para uma decisão mais fundamentada A utilização do MCCIS veio a revelar-se fundamental para que quatro anos depois a Marinha pudesse desenvolver doutrina sobre o seu emprego operacional e iniciar um programa de investimento tendo em vista a sua edificação como o sistema fundamental de comando e controlo da Marinha. Assistiu-se, neste período, a uma enorme evolução de toda a componente naval e a um incremento das velocidades de operação dos serviços Navio- Terra-Navio e Navio-Navio, resultando na obsolescência da utilização do MORSE. Em 2002 foi submetido o documento de candidatura a co-financiamento NATO - Type B Cost Estimate (TBCE) - o qual foi apresentado pela Marinha ao Working Group of National Technical Experts (WGNTE). A divisão de custos foi acordada com o ratio 56% NATO e 44% Portugal, quer na sustentação quer no investimento, bem como a utilização, pela Marinha, de equipamentos e infra-estruturas NATO existentes nos locais de transmissão e recepção de Coina e Fonte da Telha. Fonte: AS COMUNICAÇÕES NA MARINHA DEPOIS DE 1975

Additional Hints (Decrypt)

Abin qvpn: onvkb gryunqb/ haqre ebbs

Decryption Key

A|B|C|D|E|F|G|H|I|J|K|L|M
-------------------------
N|O|P|Q|R|S|T|U|V|W|X|Y|Z

(letter above equals below, and vice versa)