Skip to content

A OUTRA VISTA PARA FOZ CÔA Traditional Geocache

Hidden : 08/08/2013
Difficulty:
2.5 out of 5
Terrain:
3 out of 5

Size: Size:   small (small)

Join now to view geocache location details. It's free!

Watch

How Geocaching Works

Please note Use of geocaching.com services is subject to the terms and conditions in our disclaimer.

Geocache Description:


A OUTRA VISTA PARA FOZ CÔA

1 photo 1_zps322922f0.jpg

O Concelho de Vila Nova de Foz Côa está inserido na região do Douro Superior pertence ao Distrito da Guarda com uma área de 395,88 km² com 7.312 hab. é composto por 17 freguesia ( Almendra, Castelo Melhor, Cedovim, Chãs, Custóias, Freixo de Numão, Horta, Mós, Murça, Muxagata, Numão, Santa Comba, Santo Amaro, Sebadelhe, Seixas, Touça e Vila Nova de Foz Côa) recebeu o seu foral em 1299 pelo Rei D. Dinis, mais tarde pelo mesmo monarca foi o mesmo renovado em 1314 e recebeu novo foral desta feita pelo rei D. Manuel I em 1514.

 photo 3_zps55974fa4.jpg

Nas suas raízes, Vila Nova de Foz Côa encontra o homem Paleolítico que, com modestos artefactos, vincou na dureza do xisto ambições e projectos do seu universo espiritual e material, fazendo deste santuário o maior museu de arte rupestre ao ar livre, hoje Património da Humanidade.

 photo 2_zps98bb40a8.jpg

Os vestígios da ocupação humana, mais ou menos intensa, prolongam-se pelos tempos castrejos e romanos. Os escassos testemunhos do período suevo-visigótico e árabe garantem, contudo, a continuidade dos núcleos populacionais. Contrariando as vicissitudes próprias das terras fronteiriças nestas paragens, a vida comunitária revelou-se regular e contínua, a partir do século X.

10 photo 10_zpsebc1b636.jpg

A zona de Vila Nova de Foz Côa apresenta um relevo acidentado em grande parte da sua área, consequência da tectónica rígida e da erosão diferencial, relacionada com o encaixe do rio Douro e dos seus principais afluentes da margem esquerda. Esta zona é detentora de inúmeras falhas com a mesma orientação, das quais as mais importantes são: as de Vilariça, Horta do Douro, Numão, Arnozelo e Custoias. Esta área, encontram-se essencialmente compartimentadas em dois grandes blocos separados pela grande falha da Vilariça.

No aspecto económico há a realçar a quase dependência agrícola, salientando-se as culturas da vinha, amendoeira, oliveira e ainda a figueira, laranjeira e horticultura em geral. No aspecto industrial, salienta-se apenas para a extracção de xisto para esteios de vinha, na sede do concelho. Noutros tempos, existiam as culturas do linho, seda e sumagre, hoje desaparecidas. De tudo isto resulta um azeite finíssimo, um óptimo vinho (de mesa e do Porto), amêndoas em profusão e figos secos, que um concelho eminentemente agrícola são prenúncio de boa gastronomia, com acento na doçaria.

6 photo 6_zpsfce88a83.jpg

As paisagens, adjacentes principalmente ao Rio Douro, são de enorme beleza além de serem únicas no mundo. O turista pode apreciá-las de baixo para cima, passeando no rio ou de comboio, mas também de cima para baixo, numa viagem de carro pelas sinuosas estradas que ligam os principais aglomerados populacionais da região.

 photo 7_zps4ebbbf84.jpg

A gastronomia desempenha um papel relevante na promoção e desenvolvimento turístico. O pão, os enchidos, os pratos de caça, lebre e perdiz, o alho e o porco, a pescaria dos rios Douro e Côa e a fruta são também um bom motivo para uma visita a Foz Côa e ao seu concelho, pois nas mais diferentes aldeias existem restaurantes prontos a dar ao cliente iguarias de grande qualidade.

8 photo 8_zpsad080457.jpg

O Parque Arqueológico do Vale do Côa é considerado como “um dos mais importantes sítios de arte rupestre do mundo e é o mais importante sítio com arte rupestre paleolítica de ar livre”. Aqui foram identificados cinco dezenas de núcleos de arte, ao longo dos últimos 17 quilómetros do Rio Côa, até à sua confluência com o Douro. Estes núcleos apresentam gravuras datadas, na sua maioria, do Paleolítico superior (mais de 10.000 antes do presente) mas o vale guardou também exemplos de pinturas e gravuras do Neolítico e Calcolítico, gravuras da Idade do Ferro e dos séculos XVII, XVIII, XIX e XX, altura em que os moleiros, os últimos gravadores do Côa, abandonaram o fundo do vale.”

 

4 photo 4_zps193179ba.jpg

Vista do GZ para Vila Nova de Foz Côa

 photo 5_zps3505ff86.jpg

Vista para o GZ a partir d Vila Nova de Foz Côa

9 photo 9_zpse4be6a6a.jpg

Mais uma das belas vistas a partir do GZ para a Barragem do Pocinho

---***««»»***---

NOTA: EXISTE UM ACESSO MAIS FÁCIL QUE SUBIR ESTA ENCOSTA MAIS Á FRENTE  EM N41° 05.035 W007° 11.355 PODE PARQUEAR AQUI  N41° 05.090 W007° 11.302 - NÃO A FAÇA Á NOITE SE O FIZER FAÇA-A ACOMPANHADO.

 

Additional Hints (Decrypt)

B dhr znvf ndhv uá fãb Fgbarf rfgbh gncnqn cbe hzn.

Decryption Key

A|B|C|D|E|F|G|H|I|J|K|L|M
-------------------------
N|O|P|Q|R|S|T|U|V|W|X|Y|Z

(letter above equals below, and vice versa)