Skip to content

Vila de Oliveirinha Mystery Cache

Hidden : 01/25/2014
Difficulty:
2 out of 5
Terrain:
1 out of 5

Size: Size:   small (small)

Join now to view geocache location details. It's free!

Watch

How Geocaching Works

Please note Use of geocaching.com services is subject to the terms and conditions in our disclaimer.

Geocache Description:

A Cache

Esta geocache não se encontra nas coordenadas publicadas e tem como objetivo dar a conhecer o local onde se situam as infraestruturas: administrativas (Junta de Freguesia), educacionais (Escola Básica Castro Matoso e CICPOL), de saúde (extenção de saúde), desportivas e culturais (Complexo desportivo e Casa do Povo) da Vila de Oliveirinha.


"OLIVEIRINHA"

A freguesia de Oliveirinha fica situada na Província da Beira Litoral e enquadra-se na região do Baixo Vouga.
Pertence ao Concelho e Distrito de Aveiro, distando desta cidade apenas 6 quilómetros para Sul.
Confina pelo norte e nascente com as freguesias de Aradas, São Bernardo, Santa Joana e Eixo-Eirol, e pelo sul e poente com as freguesias de Nª Sra. de Fátima-Nariz-Requeixo, Sôsa e Ílhavo.

Por vezes, é designada por Oliveirinha do Vouga, não só por estar próximo deste rio, mas também para se distinguir de outras freguesia e povoações, que, no País, adotaram o mesmo nome, tais como Oliveirinha da Serra, no concelho de Carregal do Sal, Oliveirinha do Ribatejo e Oliveirinha do Minho.

O nome de Oliveirinha é-nos legado pela tradição. Com efeito, dizem os antigos, que, em tempos muito remotos, toda esta área onde hoje assenta a freguesia da Oliveirinha, teria sido terra deserta, votada ao abandono nas redondezas do Alavarium. E porque os viandantes do Sul teriam de passar por aqui, entre veredas, em primitivos meios de locomoção e quási sempre pedibus calcantibus, em demanda de antigas povoações romanas situadas a norte, como Águeda e Talábriga, servir-lhes-ia de ponto de referência ao longo da caminhada, uma OLIVEIRA, situada nas proximidades do atual mercado, onde por vezes fariam paragem a recuperar as forças. Há mesmo quem afirme ter-se localizado esta oliveira no local onde hoje está implantada a igreja matriz.
Daqui fácil é deduzir o ter uma simples árvore dado o nome à terra, que anónimos padrinhos, suposto que fossem os primeiros habitantes do burgo, teriam adotado e legado à sua prosperidade.

Súmula Histórica

A Freguesia de Oliveirinha, geograficamente situada no centro da área Sul do Concelho de Aveiro, dista desta cidade 6 Km e tem a área de 14 Km2, quase totalmente planos.

Habitada desde o século XV, foram estas férteis terras propriedade de várias casas, ordens, conventos e famílias nobres do Reino (de Leão desde a pré-nacionalidade) até ao referido século XV.
Nesta altura, por determinação do Rei D. João II, são as terras de Oliveirinha (entre outras) doadas


Princesa Santa Joana
a sua irmã, Princesa Santa Joana, no ano de 1485 que, em 1488 as aforou a um seu protegido de nome Jorge Silva. Este juntamente com sua mulher Isabel Soares, são então os primeiros habitantes conhecidos de Oliveirinha e fundadores do Morgadio de Oliveirinha. Esta família esteve na posse de grande parte das terras até ao século XVIII.


Casa do Morgadio                   


Nos séculos XVI e XVII, houve uma explosão de povoamento e desenvolvimento agrícola, tendo as terras em grande parte sido subaforadas e muitas vendidas.
A sexta possuidora da família Silva, casada, sem filhos, faleceu, pelo que o marido Bento de Almeida Cabral, filho de Luíz Cardoso Matoso, casou 2ª vez, tendo nascido um filho deste casamento - Romualdo Matoso herdeiro do Morgadio de Oliveirinha, herdando assim não só os bens, vindos dos Silva, mas também quintas do Rabaçal e Espinhal.
Romualdo foi cavaleiro da ordem de Cristo e membro do Santo Ofício, tendo sido o primeiro a assinar pedindo a aprovação dos estatutos da Irmandade da Srª. dos Remédios, em 1753, e, ainda hoje existente.

Em 1826 D. Maria Augusta de Menezes Silveira, única herdeira do Morgadio, bisneta de D. Romualdo, casa com D. Joaquim Francisco de Castro Pereira Corte-Real, nobre da casa de Fijó de Vila da Feira, sendo desta data o brasão da casa do Morgadio de Oliveirinha (estilo neo-clássico rural) antecedido pelo brasão da casa da Granja dos primeiros habitantes já referidos, da freguesia - os Silva.
Em 1846, um decreto Régio, vem abolir a obrigação do pagamento dos foros.
Entretanto é iniciado o desmembramento da então freguesia de Eixo à qual as terras de Oliveirinha, Moita, Granja, Valade e Quintãs, estavam ligadas que, culminou com a criação desta freguesia por Decreto da Rainha D. Maria II, em 2 de maio de 1849.
É por esta altura (1860 e 1863) que são publicadas leis, acabando com os Morgadios existentes no Reino, pelo que D. Francisco Joaquim de Castro Pereira Corte-Real, foi o último titular do Morgadio. Foi então Presidente da Câmara Municipal de Aveiro em 1857 e 1858.
Do casamento de D. Maria Augusta com D. Francisco Joaquim, nasceram seis filhos, de onde se destacam três:

Augusto Maria de Castro: licenciado em direito e Juiz do Supremo Tribunal, que por sua vez teve dois filhos, tendo um deles, Dr. Augusto de Castro, sido embaixador de Portugal em Londres e no Vaticano.

José Luciano de Castro

José Luciano de Castro: licenciado em direito, Juiz do Supremo Tribunal Administrativo, Jornalista, Lider do Partido Progressista, Deputado e Ministro da Justiça em 1869 e Presidente do Conselho de Ministros em 1886, sendo Rei D. Carlos I. Faleceu em 1914.

Francisco de Castro Matoso da Silva Corte-Real: também licenciado em direito, foi deputado por Aveiro em 1884 e por Coimbra 1887, par do Reino em 1898, Presidente do tribunal da Relação de Lisboa em 1900 e Juiz Conselheiro do Supremo Tribunal de Justiça em 1901. Presidente da Comissão para a criação do Hospital de Aveiro e seu grande impulsionador e primeiro contribuinte. Ministro das Obras Públicas, a ele se devem a construção da Ponte sobre o Vouga em S. João de Loure e a estação do Caminho de Ferro de Quintãs, entre outras, homem sensível aos problemas do mundo rural, a quem os agricultores muito devem na liberalização do uso e posse da terra. Faleceu em 1905.

Aqui nasceu também Tomé de Barros Queirós: que foi, Vereador da Câmara de Lisboa, Presidente do Conselho Disciplinar do Ministério das Finanças, Secretário Geral do mesmo Ministério, Diretor Geral da Fazenda Pública, Deputado, Vice Presidente da Câmara de Deputados e Ministro das Finanças em 1915. Faleceu em 1926.

Mais recentemente aqui nasceu, Arnaldo de Almeida Vidal, que foi homem reconhecido pelo seu espírito esclarecido e consciência reta, como Magistrado, Juiz Conselheiro do Supremo Tribunal de Justiça e seu Vice-Presidente.

Na atualidade, outros naturais desta freguesia, se salientam nos mais diversos meios da vida Nacional, nomeadamente: na Medicina, Finanças, Ensino, Indústria, Comércio, Administração, sendo dos melhores, entre os melhores, mantendo assim bem alto o prestígio desta Freguesia de que a população da vila muito se orgulha.

Descrição da Cache

Trata-se de um contentor pequeno sem material de escrita. Não permite troca de objetos.
Não é preciso retirar o container, basta abrir a tampa.
Esta cache é mais fácil de fazer durante a semana depois das 18 horas ou ao fim-de-semana.
Da tua discrição depende a duração da cache.
Muitos muggles durante o dia.
Boas cachadas!

ENIGMA

N 40º 36,ABC' W 008º 36,DEF'

Para chegares aos valores de A, B, C, D, E e F tens de os encontrar nos seguintes conjuntos de algarísmos:

1624735 -> A
1215733 -> B
1678518 -> C

1235783 -> D
1886686 -> E
1265937 -> F

Additional Hints (Decrypt)

Crafn pbzb hz oéoé. Rk. (b zrh aº qr gryrsbar): 916191858 -> 7 N + O + P + Q + R + S = 19 Aãb é n cergn!

Decryption Key

A|B|C|D|E|F|G|H|I|J|K|L|M
-------------------------
N|O|P|Q|R|S|T|U|V|W|X|Y|Z

(letter above equals below, and vice versa)