Skip to content

<

Pq Dom Pedro

A cache by mendesnmo Send Message to Owner Message this owner
Hidden : 02/11/2014
Difficulty:
4 out of 5
Terrain:
1.5 out of 5

Size: Size:   micro (micro)

Join now to view geocache location details. It's free!

Watch

How Geocaching Works

Please note Use of geocaching.com services is subject to the terms and conditions in our disclaimer.

Geocache Description:

O Pq Dom Pedro, é um exemplo da devastação e abandono do governo.

O local ainda possui muitas arvores que são exemplo da sobrevivência da natureza.

No dia que escondi o cache, estava trabalhando no local, e estas arvores proporcionaram abrigo e refrigério do sol escaldante do verão.


O cache fica em um local do parque bem próximo a entrada do Metro, beirando uma das calçadas. 

Assim, principalmente em horário de pico, havera uma grande movimentação de pessoas.

Como ha muitos mendigos que moram nas imediações, pode-se tornar um pouco perigoso procurar a noite.

Nas madrugadas, sei que ha uma Base Móvel da Policia de São Paulo que fica estacionada em frente a estação. 

 

O parque fica a menos de um quilômetro da Praça da Sé, em um pedaço da antiga Várzea do Carmo que costumava ser inundado pelo rio Tamanduateí. Foi na Várzea do Carmo que se deu o primeiro jogo de futebol reconhecido em território brasileiro, embora não se saiba o local exato. Segundo o jornal O Estado de S. Paulo, "reza a lenda" que o prédio do 2.º Batalhão de Guardas, localizado no parque, teria sido, originalmente, um presente do imperador dom Pedro I à Marquesa de Santos, servindo como local para os encontros entre os dois. Mais tarde o local abrigaria a sede de uma das chácaras da Várzea do Carmo, o Seminário das Educandas e o Hospício dos Alienados, a partir de 1930 a Força Pública e depois do Golpe Militar de 1964 foi tomado peloExército. Parte da Várzea do Carmo foi aterrada na metade do século XIX, quando da retificação do curso do rio, e foram criados jardins e praças. Quando dessa retificação, foi criada no rio a Ilha dos Amores, uma ilha artificial que existiu até 1910. A região virou um depósito de lixo por cerca de cinco anos na década de 1870, sendo recuperada por questões sanitárias.

Outrora belo e arborizado, foi inaugurado em 1922, com projeto do francês Joseph-Antoine Bouvard e era na época considerado a principal área de lazer da cidade. Na década de 1940 ganhou o Parque Shangai, um dos parques de diversões mais movimentados no Brasil durante muitos anos, na esquina da Avenida do Estado com a Rua da Mooca. O parque seria desapropriado em novembro de 1968, para dar lugar aos viadutos que hoje cortam a região. A concorrência pública dos trabalhos preliminares para a "urbanização" do parque fora aberta em 3 de junho daquele ano, prevendo cinco viadutos, pavimentação das pistas da Avenida do Estado ao longo do canal do Rio Tamanduateí e outras obras. A inauguração da Avenida do Estado é considerada o marco do início da degradação do parque, além da construção dos viadutos nos anos 1960, que eliminaram muito do verde do parque. O terminal de ônibus, inaugurado em 1971, e a Estação Pedro II do Metrô, que começaria a ser construída poucos anos depois, fizeram o parque perder ainda mais áreas verdes. Em 1980, o parque era, nas palavras do jornal Folha de S. Paulo, "um canteiro de obras do Metrô e da canalização do Rio Tamanduateí, além de um terminal de ônibus". Hoje, trata-se de um dos lugares mais movimentados da cidade, pois constitui-se em uma região de passagem, especialmente para quem transita entre o centro e a zona leste de São Paulo, mas é também considerado "a área do centro mais esquecida pelo poder público desde a década de 1940".

O parque é constantemente usado como exemplo da devastação que áreas verdes sofreram em São Paulo para criar ou alargar ruas e avenidas. O urbanista Nestor Goulart Reis, em entrevista ao jornal O Estado de S. Paulo, declarou em 2008 que "nos últimos setenta anos o local virou uma colcha de retalhos, com medidas apenas pontuais", e que "nunca houve um projeto para o conjunto do parque que fosse colocado em prática". Nas mudanças que o parque sofreu na segunda metade do século XX, apenas o sistema viário foi privilegiado.

Com a migração dos mais abastados do centro para outros bairros, a partir da primeira metade do século XX, o Parque Dom Pedro II passou a ser considerado a divisa entre a "pujança da parte nobre da capital" e a zona leste, a "cidade dos trabalhadores", em metáfora citada por O Estado

Additional Hints (Decrypt)

Rz qvnf qr pnybe, anqn zryube dhr hz fbeirgr. Rfgr ndhv wá npnobh, znf ibpê cbqr nvaqn ire cnegr qb cnyvgb.

Ba ubg qnlf, abguvat orggre guna na vpr pernz. Guvf bar vf bire, ohg lbh pna fgvyy frr cneg bs gur zngpufgvpx.

Decryption Key

A|B|C|D|E|F|G|H|I|J|K|L|M
-------------------------
N|O|P|Q|R|S|T|U|V|W|X|Y|Z

(letter above equals below, and vice versa)