Skip to content

<

A Décima Ilha - Banco D. João de Castro

A cache by mcassis Send Message to Owner Message this owner
Hidden : 11/18/2014
Difficulty:
5 out of 5
Terrain:
5 out of 5

Size: Size:   other (other)

Join now to view geocache location details. It's free!

Watch

How Geocaching Works

Please note Use of geocaching.com services is subject to the terms and conditions in our disclaimer.

Geocache Description:


Banco D. João de Castro

O Banco D. João de Castro é um aparelho vulcânico submarino localizado no Arquipélago dos Açores, entre as ilhas de S. Miguel e Terceira, numa zona conhecida por rifte da Terceira. Esta zona é constituída por um conjunto de cones vulcânicos e falhas normais dispostos entre o Sul da Ilha de Santa Maria até à dorsal médio Atlântica, sendo por isso desprovido de plataforma continental. 

Presume-se que este aparelho vulcânico se formou por volta de 1720, a 31 de Dezembro, após uma erupção vulcânica que originou uma ilha circular. Posteriormente, devido à abrasão marinha, esta foi desaparecendo, até que desapareceu totalmente por volta de Julho de 1722. Dois séculos depois, por volta dos anos 40 do século XX, descobriu-se que esta ilha, na realidade, se tinha transformado num recife e se encontrava apenas uns metros abaixo da linha de água, podendo ter sido, por isso, origem de naufrágios.

A nível geológico, este Banco é constituído por escoadas de lavas de formas irregulares e muitas cavidades, estando sobrepostas a estes depósitos vulcanoclásticos submarinos. Existem inúmeras falhas vulcânicas, através das quais se dá a libertação de gases. Esta formação ígnea é importante porque se situa numa zona de rifte, constituindo, por isso, um excelente local para o estudo da tectónica das placas e consequente actividade sísmica e magmática. A informação proveniente destes estudos poderá servir para melhor compreender a dinâmica destes eventos dramáticos e, em última análise, contribuir para a sua prevenção. As zonas de rifte são limites divergentes de placas onde ocorre renovação da crosta oceânica. Deste modo a génese da crosta oceânica e fenómenos daí provenientes podem também ser alvo de estudo, nomeadamente as fontes hidrotermais que são características destes locais a profundidades de 2000 a 3000 metros. No entanto, no Banco de D. João de Castro as fontes hidrotermais estão localizadas a profundidades menores (300 a 600 metros).

Os jazigos minerais, concentrações de algum ou alguns elementos minerais superiores ao seu clarke (média) correspondente, formados por diferentes processos geológicos, o que torna rentável a sua exploração, podem ser originados por processos hidrotermais. A água proveniente do interior da crosta liberta-se a altas temperaturas, com inúmeros metais dissolvidos. Esta água, ao ascender pelas fissuras da crosta, devido a alterações químicas de temperatura e pressão, causa a precipitação dos minerais, levando à sua acumulação. Os processos hidrotermais são os responsáveis pela maior parte dos depósitos minerais, como tal, o Banco D. João de Castro reúne condições favoráveis ao estudo da formação destes jazigos.

A nível biológico, este Banco revela bastante interesse uma vez que, nas poucas expedições efectuadas, se detectaram cerca de 300 espécies de diversos filos, o que nos leva a concluir que neste local existe uma interessante biodiversidade, que poderá ser alvo de estudos. Espécies como jamantas (Mobola tarapacana), bicudas (Sphyraenaviridensis), cavalas-da-Índia (Acanthocybium solandri), bonitos (Katsuwonus pelanis) e serras (Sarda sarda), têm interesse, umas pela sua raridade e valor ecológico e outras pela sua beleza. O Arquipélago dos Açores é uma importante rota de migração de diferentes espécies. Logo, o Banco D. João de Castro, por aí se localizar, constitui um óptimo local para a possível ocorrência de espécies raras que não tenham sido inclusivamente registadas nas expedições anteriores, como tubarão-frade (Cetorhinus maximus), tubarão-baleia (Rhincodon typus), botos (Phocaena phocaena), orcas (Orcinus orca) e baleias-azuis (Balaenoptera musculus). As comunidades de seres vivos como os extremófilos, que vivem em condições extremas (nomeadamente, falta de luz, baixa temperatura, pressão elevada e abundância de elementos tóxicos), não são dependentes da fotossíntese, mas sim da quimiossíntese, servindo-se do enxofre proveniente das fontes hidrotermais para sintetizar matéria orgânica. Assim, estes constituem a base de uma cadeia alimentar, a qual fica assegurada apesar da ausência de luz. 

 

Perguntas:

1-    Por quantos picos é composto este vulcão submarino?

2-    No local consegue deslumbrar alguma manifestação vulcânica activa? Se sim nomeie e descreva o fenómeno.

3-    Após chegar ao pico mais próximo da superfície descreva o que vislumbra.

Para efectuar o log terá de enviar as respostas para o perfil ou através do correio electrónico miguelcassis@gmail.com

Apesar de facultativo, ilustre o seu log com fotografias da aventura

 

ATENÇÃO

O GZ encontra-se entre 12 a 15 metros de profundidade e vejam bem os atributos assim como o grau de dificuldade/terreno

Additional Hints (No hints available.)



Reviewer notes

Use this space to describe your geocache location, container, and how it's hidden to your reviewer. If you've made changes, tell the reviewer what changes you made. The more they know, the easier it is for them to publish your geocache. This note will not be visible to the public when your geocache is published.