Skip to content

Vila do Conde e os Descobrimentos Traditional Cache

This cache has been archived.

btreviewer: Esta geocache foi arquivada por falta de uma resposta atempada e/ou adequada perante uma situação de falta de manutenção.
Relembro a secção das Linhas de Orientação que regulam a manutenção das geocaches:

O dono da geocache é responsável por visitas à localização física.

Você é responsável por visitas ocasionais à sua geocache para assegurar que está tudo em ordem para funcionar, especialmente quando alguém reporta um problema com a geocache (desaparecimento, estrago, humidade/infiltrações, etc.), ou faz um registo "Precisa de Manutenção". Desactive temporariamente a sua geocache para que os outros saibam que não devem procurar a geocache até que tenha resolvido o problema. É-lhe concedido um período razoável de tempo - geralmente até 4 semanas - dentro do qual deverá verificar o estado da sua geocache. Se a geocache não estiver a receber a manutenção necessária ou estiver temporariamente desactivada por um longo período de tempo, poderemos arquivar a página da geocache.

Se no local existe algum recipiente por favor recolha-o a fim de evitar que se torne lixo (geolitter).

Uma vez que se trata de um caso de falta de manutenção a sua geocache não poderá ser desarquivada. Caso submeta uma nova será tido em conta este arquivamento por falta de manutenção.

btreviewer
Geocaching.com Volunteer Cache Reviewer
Work with the reviewer, not against him

More
Hidden : 03/15/2015
Difficulty:
3 out of 5
Terrain:
1.5 out of 5

Size: Size:   micro (micro)

Join now to view geocache location details. It's free!

Watch

How Geocaching Works

Please note Use of geocaching.com services is subject to the terms and conditions in our disclaimer.

Geocache Description:

Vila do Conde é uma cidade com uma história muito ligada aos descobrimentos. Esta cache leva-te à histórica zona ribeirinha vilacondense onde podes desfrutar de um local tranquilo e descobrir a forte ligação que esta cidade têm com o mar.

Vila do Conde e os Descobrimentos


Alfândega Régia – Museu de Construção Naval 


O edifício da Alfândega Régia - Museu de Construção Naval fica situado na rua Cais da Alfândega, no coração da zona ribeirinha de Vila do Conde, onde, outrora, laboraram os estaleiros navais vila-condenses. 
Em pleno século XV, o apogeu do comércio marítimo provoca um crescente movimento nos portos do reino, ao qual o porto de Vila do Conde não é exceção. Assim, neste contexto D. João II, por carta de 27 de Fevereiro de 1487, cria a Alfândega Régia de Vila do Conde.
O edifício sofreu, ao longo do século XVIII, sucessivas ampliações de modo a colmatar as necessidades ditadas pelo intenso tráfego comercial que então se fazia sentir. 

No decorrer do século XX, o edifício entra em processo de degradação, tendo servido de apoio aos serviços da Guarda Fiscal e de armazém afetos aos estaleiros de construção naval. No ano de 2001, fruto da candidatura vila-condense “Rosa dos Ventos” ao Projeto Piloto Urbano, é totalmente reabilitada e convertida em espaço museológico. 

A exposição permanente patente ao público, assume três vertentes, as quais traduzem a função do Museu: a Navegação Portuguesa, nomeadamente aquela que tem origem e destino em Vila do Conde; a história da Alfândega Régia e seu funcionamento, oficiais e produtos desalfandegados; a história da Construção Naval, tipos de barcos construídos em Vila do Conde e respetivos processos construtivos. 
 Nas mesmas instalações, está sedeado o Centro de Documentação dos Portos Marítimos Quinhentistas CEDOPORMAR, extensão especializada do Arquivo Municipal de Vila do Conde, sobre a história dos burgos marítimos portugueses, destacando-se como primeiro núcleo “Vila do Conde Quinhentista”, da construção naval, navegações e do comércio ultramarino no período quinhentista.


Nau Quinhentista

Fundeada desde 2007 nas águas do rio Ave, a réplica da Nau Quinhentista, construída pelos estaleiros Samuel & Filhos, Lda, de Vila do Conde, é um importante e precioso complemento ao núcleo museológico Alfândega Régia - Museu de Construção Naval. Para além de um importante elemento de atração turística e lúdica, tem uma função pedagógica, pois, construída com o maior respeito pelas investigações científicas da responsabilidade do Almirante Rogério d’ Oliveira, incorpora o saber ancestral dos carpinteiros e calafates dos estaleiros vilacondenses.

A nau portuguesa do século XVI era um navio redondo, de alto bordo, com uma relação de 3:1 entre o comprimento e a largura máxima, três ou quatro cobertas, castelos de popa e de proa, com três e dois pavimentos, respetivamente, cuja arquitetura se integra perfeitamente no casco; arvorava três mastros, o grande e o traquete com pano redondo, e o da mezena com pano latino.
A nau assim concebida satisfazia uma maior necessidade de capacidade de carga do que a conhecida até então nas navegações portuguesas. As viagens para a Índia eram tão longas, que forçavam os navios ao transporte de grande quantidade de alimentos sólidos e líquidos para o sustento da tripulação, tanto mais que a rota impunha longos períodos de navegação sem se ver a costa ou quaisquer pontos de apoio. Acrescia o fator comercial: o comércio das especiarias implicava o transporte de uma carga valiosa, mas volumosa, que requeria espaços adequados para o seu acondicionamento. A tudo respondia a nau, com o seu casco bojudo, e ampla capacidade de acomodação.

A fim de mostrar a complexidade da organização das viagens, a Nau Quinhentista apresenta os aposentos de alguns dos tripulantes, assim como os próprios elementos da tripulação, através de esculturas humanas: o capitão, o piloto, o escrivão, o capelão, o boticário, o timoneiro, o bombardeiro e o grumete.

Simultaneamente, estão expostos vários instrumentos de navegação, material cartográfico, diferentes tipos de mercadorias, uma botica, procurando elucidar sobre a complexidade e as vicissitudes da vida a bordo.



Casa do Barco

Casa do barco

Num espaço de arquitetura contemporânea, e muito próximo dos núcleos museológicos Alfândega Régia – Museu de Construção Naval e Nau Quinhentista, a Casa do Barco apresenta, para além da Loja Interativa do Turismo do Porto e Norte de Portugal, um espaço dedicado à importância das pescas e de outras atividades de vocação marítima. 

A presença da réplica de uma embarcação de pesca tradicional - o gasoleiro - é o mote central da exposição, onde, para além de podermos contactar com as tradições inerentes às comunidades marítimas, aprestos e alfaias do quotidiano, observamos, simultaneamente, diversos modelos de embarcações, com destaque para um importante acervo fotográfico, documentando as diferentes atividades económicas relacionadas com o mar. 

Passado, presente e futuro, aqui associados e assinalando a indelével gesta do povo vilacondense, certamente que poderão levar esta terra ao achamento de novo rumo à sua sempiterna glória.


Capela de Nossa Senhora do Socorro 

Capela de Nossa Senhora do Socorro

Implantada sob um maciço rochoso sobranceiro ao rio Ave, a Capela de N.ª Sr.ª do Socorro apresenta uma arquitetura peculiar, com uma planta quadrada, coberta por uma abóbada. Destaque para a decoração interior de belíssimos azulejos do século XVIII, representativos da vida de Cristo, bem como para o retábulo de estilo rococó. 
Foi mandada construir por Gaspar Manuel, cavaleiro professo da Ordem de Cristo e piloto-mor das carreiras da Índia, China e Japão e por sua mulher Bárbara Ferreira de Almeida, que aí se encontram enterrados. 



This page was generated by Geocaching Portugal Listing Generator

Additional Hints (Decrypt)

rz onvkb n grhf céf.. aãb rfgn an irtrgnçãb arz ab zheb!! nwhqn 918189103

Decryption Key

A|B|C|D|E|F|G|H|I|J|K|L|M
-------------------------
N|O|P|Q|R|S|T|U|V|W|X|Y|Z

(letter above equals below, and vice versa)