Skip to content

Caminhos de Santiago -Camiño Torres- #53 Traditional Cache

This cache is temporarily unavailable.

Bitaro: Olá Faruck,

Pelo teor dos últimos registos, parece necessária a intervenção do dono da cache para verificar o estado da mesma.
Até lá, ficará desativada.

Por favor leia atentamente as Linhas de Orientação que regulam a manutenção das geocaches:

O dono da geocache é responsável por visitas à localização física.

Você é responsável por visitas ocasionais à sua geocache para assegurar que está tudo em ordem para funcionar, especialmente quando alguém reporta um problema com a geocache (desaparecimento, estrago, humidade/infiltrações, etc.), ou faz um registo "Precisa de Manutenção". Desactive temporariamente a sua geocache para que os outros saibam que não devem procurar a geocache até que tenha resolvido o problema. É-lhe concedido um período razoável de tempo - geralmente até 4 semanas - dentro do qual deverá verificar o estado da sua geocache. Se a geocache não estiver a receber a manutenção necessária ou estiver temporariamente desactivada por um longo período de tempo, poderemos arquivar a página da geocache.

Esta designação serve para geocaches que estão com alguma questão pendente ou um problema temporário por resolver.
Como owner, tem ao dispor, pelo menos, quatro soluções possíveis:

  1. Efetuar a manutenção necessária e reativar a geocache, dentro do prazo estabelecido pelas Linhas de Orientação
  2. Colocar uma nota na geocache com o plano de manutenção, caso esta não possa ocorrer num curto espaço de tempo. Nessa nota deve constar:
    • o prazo em que pretende efetuar a manutenção,
    • o argumento pelo qual o prazo indicado abaixo terá de ser ultrapassado para que fique novamente ativa;
  3. Caso não consiga assegurar a manutenção da mesma, pode considerar o processo de adopção por um geocacher local;
  4. Arquivar a geocache se não tiver disponibilidade para assegurar o estado pleno da mesma. Por favor, tenha em consideração que nesta opção é necessário remover a geocache ou os conteúdos da mesma para evitar que se tornem lixo (*geolitter*).

Assim, caso não seja feita manutenção ou indicado um motivo válido pelo qual a geocache deva estar desativada além do tempo previsto pelas Linhas de Orientação, a mesma será arquivada num prazo de 30 dias.
Relembro que não é possível desarquivar uma geocache que seja arquivada por falta de manutenção.

Obrigado pela colaboração
Bitaro
Community Volunteer Reviewer

Centro de Ajuda
Linhas Orientação

More
Hidden : 09/11/2015
Difficulty:
1.5 out of 5
Terrain:
1.5 out of 5

Size: Size:   micro (micro)

Join now to view geocache location details. It's free!

Watch

How Geocaching Works

Please note Use of geocaching.com services is subject to the terms and conditions in our disclaimer.

Geocache Description:

Por favor, tenham muito cuidado na reposição do container para não ficar visivel e bastante atenção aos muggles! Não costumam ser muitos por esses lados, mas convém sempre estar de olho neles.


Caminhos de Santiago -Camiño Torres-

No início do século IX, a descoberta dos restos mortais de um apóstolo de Cristo, Santiago Maior, reatou uma tradição milenar que já na pré-história dirigia os homens para o Finis Terrae galego, recorrendo, no fundo, à tradição antiga dos homens reproduzirem o trajeto da Via Láctea na terra. Embora não seja o único caminho ancestral em direção a Ocidente, e que percorre com perfeição todo um paralelo terrestre, o Caminho de Santiago foi aquele que acabou por moldar definitivamente e gerar a Europa moderna.

A partir do século X, duas ordens religiosas incumbem-se de cristalizar esse objetivo antigo do homem, de se renovar por dentro. Foram elas a ordem de Cluny e a dos Templários, que se encarregam da reconstrução do velho Império Romano na Península, e de traduzir os velhos símbolos das culturas atlantes já existentes, como o tridente de Poséidon, a estrela ou a concha, adaptando-os à peregrinação cristã. O Caminho cristão começa então a tomar forma, principalmente pela mão destas duas Ordens, que se tornam protetores dos peregrinos, à medida que a reconquista cristã avança e expulsa os mouros para sul até ao último reduto em Granada.

Acreditamos que a importante Via da Prata, que trazia os peregrinos do sul da Península Ibérica por Sevilha e Mérida, ao chegar a Cáceres, convidava o peregrino a encurtar o percurso natural para noroeste, pela chamada Via Dalmatia, a contornar a Serra da Malcata e atravessar o Vale do Côa. De Cidade Rodrigo, chegam-nos, até hoje, relados escritos de peregrinos por terras lusas, como Torres Villaroel ou Leon de Rosmithal. Também Francisco de Assis, segundo rezam as crónicas, passou por ali, a caminho ou no regresso de Compostela, já que uma iconografia surpreendente na Catedral de Santa Maria de Ciudad Rodrigo, datada do séc. XIII, o caracteriza em peregrinação. Do lado português, também a oralidade nos indica que poderá ter pernoitado em Castelo Rodrigo, no seu caminho por Bragança onde fundou o primeiro convento da Ordem Franciscana em Portugal.

Segundo autores, como Otero ou Matos, os portugueses peregrinam a Santiago desde o século XII, para apenas no séc. XVIII a peregrinação entrar em decadência com as influências do Iluminismo, do Liberalismo e das crises social e política, consequentes das invasões francesas.

Marcar, hoje, os caminhos de Santiago no Vale do Côa não é tarefa fácil, pois é percorrer um milénio cheio de adversidades geopolíticas, económicas e sociais, que influenciaram certamente as suas direções. É desvendar um percurso que ora morria ora nascia, em quase todos os seus pontos, criando assim múltiplos e os chamados caminhos secundários, que acabam por desaguar nas vias principais.

Ainda assim, fomos à descoberta das memórias do culto jacobita, das pontes e das vias de comunicação milenares, do românico, da presença das ordens religiosas na região, da existência de albergarias medievais ou da toponímia do território, dos santuários, com a finalidade de reunir uma trama de referências para um mapa de possíveis e diversas escolhas.

Desafiamo-lo(a) assim para um dos vários caminhos que foi foi apresentado em Maio de 2011 o Camiño Torres, um caminho que foi percorrido em 1737 por Diego de Torres Villarroel, académico da Universidade de Salamanca que andou diversos anos errante por Portugal e que decidiu peregrinar a S. Tiago por Portugal desde Salamanca.
De referir que a partir de Trancoso esta é a rota já conhecida do Caminho Portugues do Interior, que deriva em Lamego para Guimarães para entroncar no denominado 'Caminho Central' em Ponte de Lima

Algumas dicas...

Este PT está inserido na etapa Almeida-Pinhel e tem uma distançia de 21,7 Km.

O percurso pode ser feito em modo TT, BTT ou Pedestrianismo.

Quem optar por fazer a pé, lembrem-se que se trata de uma caminhada longa e embora estejam disponiveis alguns pontos de abastecimento de água, é necessário que cada um se prepare e abasteça conforme as suas necessidades.

Não se esqueçam de levar roupa e calçado apropriado para o efeito.

Quem quiser descarregar o Track em GPX, está disponivel aqui:

Informações mais detalhadas em: Almeida -Pinhel



This page was generated by Geocaching Portugal Listing Generator

Additional Hints (Decrypt)

Pneenfpn

Decryption Key

A|B|C|D|E|F|G|H|I|J|K|L|M
-------------------------
N|O|P|Q|R|S|T|U|V|W|X|Y|Z

(letter above equals below, and vice versa)