Skip to content

<

#Bónus - Poetas e Escritores - Irene Lisboa

A cache by ARRASADOR Send Message to Owner Message this owner
Hidden : 01/31/2016
Difficulty:
1.5 out of 5
Terrain:
2.5 out of 5

Size: Size:   large (large)

Join now to view geocache location details. It's free!

Watch

How Geocaching Works

Please note Use of geocaching.com services is subject to the terms and conditions in our disclaimer.

Geocache Description:


Esta cache bónus faz parte de um conjunto de 7 caches (6 tradicionais e 1 mistério) sobre escritores e poetas Portugueses que deram o seu contributo na literatura portuguesa.

Não se esqueçam que, para obter os códigos escondidos nas caches tradicionais terão de usar lanterna UV ou QR Code Reader.

Irene Lisboa

 

 

Irene do Céu Vieira Lisboa nasceu na Quinta da Murzinheira, Freguesia de Arranhó, Concelho de Arruda dos Vinhos. Foi uma escritora, professora e pedagoga portuguesa. Tem uma biblioteca com o seu nome em Arruda dos Vinhos.

Formou-se na Escola Normal Primáris de Lisboa, depois continuou os estudos na Suiça, França e Bélgica onde se especializou em Ciências de Educação, permitindo-lhe escrever várias obras sobre assuntos pedagógicos. Durante a estadia em Genebra, mercê de uma bolsa do Instituo de Alta Cultura, teve a oportunidade de conhecer Jean Piaget e Édouard Claparède, com quem estudou no Instituto Jean-Jacques Rousseau.

Começou a vida profissional como professora da educação infantil. Em 1932 recebeu o cargo de Inspectora Orientadora do ensino primário e infantil. Como destaca Rogério Fernandes: «o programa de tal departamento desenhado por Irene Lisboa, reformulava de alto a baixo as funções de um órgão estatal até aí consagrado exclusivamente ao controlo ideológico, administrativo e disciplinar dos docentes.» Eis a razão porque Irene Lisboa foi afastada do cargo, primeiro para funções burocráticas – foi nomeada para o Instituto de Alta Cultura – e depois, em 1940, definitivamente afastada do Ministério da Educação e de todos os cargos oficiais, por recusar um lugar em Braga. Na verdade, foi uma forma de exílio para uma pedagoga incómoda pelas suas ideias avançadas.

Irene Lisboa dedicou-se por completo à produção literária e às publicações pedagógicas, depois de se reformar aos 48 anos. No entanto não foi livre na expressão dos seus pensamentos. «Restavam-lhe a imprensa, o livro, a conferência. Grande parte das suas intervenções tem, precisamente, esses suportes, mas convém não esquecer que o controlo censório exercido pela ditadura salazarista sobre a expressão pública do pensamento não lhe permitiu certamente a transmissão das suas opiniões com toda a claridade.»

Faleceu a um mês de cumprir 66 anos de idade. Os restos mortais da escritora foram, em 13 de Janeiro de 2013, trasladados do cemitério da Ajuda, em Lisboa, para o cemitério de Arruda dos Vinhos.

A escrita dominou toda a sua vida. A obra literária que produziu foi elogiada por alguns dos seus pares como José Rodrigues Miguéis, José Gomes Ferreira e João Gaspar Simões, embora nunca tenha tido grande aceitação por parte do público.

Em homenagem à pedagoga Irene Lisboa a Federação Nacional dos Professores (FENPROF) fundou, em 12 de Janeiro de 1988, o Instituto Irene Lisboa.

A produção literária de Irene do Céu Vieira Lisboa reparte-se pela poesia, pelo conto, pela crónica e pela novela. Apesar da variedade das formas toda a sua obra se caracteriza por ter um núcleo intimista e autobiográfico que a unifica.

Irene Lisboa estreia-se no palco literário português em 1926 com Treze Contarelos, um livro de contos destinado às crianças. Ao longo do livro Irene Lisboa usa a frase curta, mas bem estruturada. Tudo com o propósito de cumprir as ideias pedagógicas desenvolvidas nos seus trabalhos teóricos que publicava sob o nome de Manuel Soares.

Entretanto, continua a colaboração com jornais e revistas da época, dos quais se destacam Seara Nova, Presença e O Diabo. Em 1936, sob o pseudónimo de João Falco, publica o segundo livro, desta vez de poesia, intitulado Um dia e outro dia… – Diário de uma Mulher. No ano seguinte, sob o mesmo pseudónimo, surge Outono havias de vir, outra obra de poesia.

Outra vertente da prosa de ficção de Irene Lisboa centra-se nas curtas formas de narrativa, que a própria escritora denomina como "crónica" ou "reportagem".

Os pseudónimos que Irene Lisboa utilizou na sua escrita literária e cientifica foram:

  • João Falco
  • Manuel Soares
  • Maria Moira

A Cache

A cache não se encontra nas coordenadas indicadas. Em cada cache tradicional da série irá em contrar um número que não estará diretamente à vista. Terá de usar alguma ferramenta adicional para os obter. Esses números formarão a coordenada final desta cache bónus.

N 38º 48.ABC W 009º 10.DEF

Para abrires o container, terás de obter o código. Para tal, deverás resolver o enigma abaixo, somar os anos de nascimento dos escritores e poetas e somar os anos de falecimento dos mesmos. Depois é resolver (somatório AF - somatório AN).

Apreciem as vistas enquanto aproveitam dos miminhos que se encontram no container. Tem espaço para muiiiitos TB's. Por favor, recoloquem a cache protegida tal como a encontraram ou, se possível, melhor, pois disso depende a sua durabilidade. As caches tradicionais necessárias para obter as coordenadas finais desta cache Bónus são: GC6A7QH, GC6A7VX (arquivada), GC6A7XP (arquivada), GC6A7YZ, GC6A7ZR E GC6A80W.

Additional Hints (Decrypt)

(fbzngóevb NS - fbzngóevb qr NA) = ??? r a.º ízcne

Decryption Key

A|B|C|D|E|F|G|H|I|J|K|L|M
-------------------------
N|O|P|Q|R|S|T|U|V|W|X|Y|Z

(letter above equals below, and vice versa)



Reviewer notes

Use this space to describe your geocache location, container, and how it's hidden to your reviewer. If you've made changes, tell the reviewer what changes you made. The more they know, the easier it is for them to publish your geocache. This note will not be visible to the public when your geocache is published.