Skip to content

abelha maia Traditional Cache

Hidden : 03/26/2016
Difficulty:
1.5 out of 5
Terrain:
1.5 out of 5

Size: Size:   regular (regular)

Join now to view geocache location details. It's free!

Watch

How Geocaching Works

Please note Use of geocaching.com services is subject to the terms and conditions in our disclaimer.

Geocache Description:

local onde pasei a minha infancia.

 


Polinização, Ambiente e Economia. Por Joaquim Pífano Técnico da ADERAVIS montedomel@gmail.com Desde há muito que se especula sobre o futuro da Terra e da Humanidade na ausência das abelhas. Assunto sobre o qual se têm traçado os mais diversos cenários, cada um mais negro que o outro. É indiscutível a importância de cada espécie no equilíbrio natural do planeta, até de algumas que nem percebemos bem para que servem. De qualquer forma, desde há séculos que se regista a extinção de inúmeros grupos de seres vivos sem que isso tenha alterado muito a nossa vida, o que não deixa de ser lamentável, e em termos naturais há facturas que demoram milénios a serem pagas. No caso das abelhas è possível determinar uma relação causa/efeito imediata, quer em termos económicos directos nas explorações apícolas, quer indirectamente na polinização de espécies cultivadas e na vegetação dita espontânea. É portanto a partir dos impactos económicos e sobretudo ambientais que nos baseamos para simular os ditos quadros, face a uma eventual e não pouco provável extinção da Apis mellifera. Há portanto uma relação muito próxima entre os insectos polinizadores e as plantas, o que se chama uma coevolução, na medida em que estes dois grupos evoluíram conjuntamente, adaptando-se muito um ao outro. Esta relação resulta da necessidade de reprodução das plantas face à impossibilidade de se deslocarem para encontrar um parceiro sexual. É aqui que entram os polinizadores (insectos, aves, mamíferos, etc...) que medeiam a troca de genes entre plantas, funcionando como casamenteiros. Deste facto retira-se um dos ensinamentos mais importantes do mundo natural, na natureza não se fazem favores, ninguém trabalha de graça, tem de haver sempre um incentivo, suborno ou moeda de troca. A natureza é uma das mais perfeitas aulas de economia. Para que as abelhas transportem os grãos de pólen de uma flor para outra, a planta começa por atraí-las com pétalas de cores vistosas e disponibilizando-lhe néctar com que as alimenta. Há plantas que dispensam esta ajuda, produzindo um pólen menos nutritivo, em maior quantidade e com estruturas que lhe permitem voar, sendo levados pelo vento, são as ditas plantas anemófilas em oposição às entomófilas (polinizadas por insectos ou zoófilas quando polinizadas por animais em geral). De notar que o vento não é um “carteiro” muito fiável, e a probabilidade de o grão de pólen chegar ao destino é reduzida, daí a grande produção de pólen destas plantas como o pinheiro. Já com as abelhas é completamente diferente, todos conhecem a fidelidade destes insectos à mesma espécie de plantas o que facilita muito as trocas genéticas na chamada polinização cruzada.

Additional Hints (Decrypt)

mrmrmrmrmrmrrrrrrrr fbh hzn noryun

Decryption Key

A|B|C|D|E|F|G|H|I|J|K|L|M
-------------------------
N|O|P|Q|R|S|T|U|V|W|X|Y|Z

(letter above equals below, and vice versa)