Skip to Content

<

Os Banhos da Amieira

A cache by KmFp Send Message to Owner Message this owner
Hidden : 09/28/2016
Difficulty:
1 out of 5
Terrain:
1 out of 5

Size: Size: other (other)

Join now to view geocache location details. It's free!

Watch

How Geocaching Works

Please note Use of geocaching.com services is subject to the terms and conditions in our disclaimer.

Geocache Description:


Era Setembro de 2016 e resolvemos passar as nossas férias no concelho da Figueira da Foz.

Ficamos instalados nas termas da Azenha, e a caminho destas, deparamo-nos com uns edifícios em ruinas, que despertou alguma atenção da nossa parte.

Ao ligar a aplicação do Geocaching, “Não é que há lá uma cache?!

No último dia de férias, resolvemos explorar a cache https://www.geocaching.com/geocache/GC13KZ4_termas-da-amieira

Durante o percurso até ao ponto final, ficamos estupefactos com a dimensão destas termas abandonadas, pensando, “o que terá acontecido para ficar neste estado?

Em conversa com alguns locais, perguntamos o que teria acontecido com estas termas, e a resposta foi que o dono, já muito idoso, não queria deixar “morrer” esta estância termal, e para isso, entregou-a à camara municipal… Com a morte do dono, a camara deixou de dar importância e as termas ficaram em ruina, tal como conhecemos até hoje.

Esta história deixou-nos intrigados e fomos pesquisar mais a fundo no Sr. Dr. Google, para saber o que realmente teria acontecido.

 

Termas

Estância termal, ou termas, também conhecidas como estância hidromineral ou cidade-spa, é a designação dada a um complexo turístico de características particulares, cujo objectivo é facultar as condições necessárias ao desenvolvimento de terapias com águas minerais, da própria região, através de banhos de imersão, jacto de água, vapor ou ainda ingerindo essa mesma água quando lhe são reconhecidas propriedades medicinais.

O nome de terma vem do latim therma, nome dado pelos antigos Romanos aos estabelecimentos onde realizavam seus banhos públicos, costume que era muito apreciado.

O Norte de Portugal particularmente desenvolveu várias estâncias termais, em resposta ao entusiasmo dos Portugueses e estrangeiros pelas águas termais portuguesas e o recurso a férias saudáveis mantendo desta forma uma tradição milenar que remonta ao período de ocupação Romana.

Dispondo em boa parte de instalações desportivas e um ambiente relaxante, o sucesso dos tratamentos e a cura para as maleitas do corpo é um facto consumado. Embora a maioria encerre durante a época baixa (Inverno), no caso das Caldas de Chaves e da Curia permanecem abertas durante todo o ano.

 

Termas da Amieira

Desde de finais do séc. XVIII, até a construção do Balneário em 1885, os doentes tomavam banho em poças que abriam no terreno pantanoso.

Em 1884 foram analisadas por Santos e Silva, comentando que as obras de captação ainda não estavam completas a essa data

Em 1892, as termas foram descritas como tendo um pequeno número de fogos, capela e estabelecimento explorador das águas. As três nascentes existiam na vertente de uma montanha, à beira de uma planície, atravessada a norte pelo Rio Pranto, dando um caudal diário de quase quatro milhões de litros. A água era de tal modo abundante, que permitia que fosse aproveitada para o estabelecimento balnear, bem como para  exportação para todo o país e para África.

Estas águas foram as primeiras no nosso país classificadas como cloretadas, e pela sua composição e excelente forma de captação receberam variados prémios.

Os balneários contavam com várias classes de banhos com 19 tinas, piscina, e os mais modernos aparelhos nos padrões da altura. Contava ainda com uma oficina de enchimento de garrafas que exportava para diferentes pontos do país e para África. Foram consideradas ainda como uma das mais frequentadas do país, com uma média de 1200 a 1300 visitantes por ano.

Entretanto, em 1910. o alvará de concessão mudou de mãos, e foram feitas obras de renovação. Passaria a apresentar, então, uma única nascente situada ao fundo de uma escavação de 3m de profundidade, situada dentro de uma gruta artificial. O edifício mais antigo passa a ser destinado a banhos de 2.ª e 3.ª classe, enquanto o mais recente possuía salas de inalações, pulverizações, e duches de agulheta, circulares, vaginais e perineais. Os Banhos de imersão eram dados em salas mais amplas, cada uma com uma tina de ferro esmaltado.

Numa vistoria em 1928, é relatado que a buvete construída sobre o depósito ameaçava ruína. Obras de recuperação foram efectuadas no ano seguinte, sem estarem aprovados os projectos. Durante as décadas de 30 e 40, o hotel deixara de funcionar, obrigando os visitantes a instalarem-se na Figueira da Foz. Entretanto, a sua frequência era cada vez menor, justificada na altura pelos arrozais da região, que atraíam mosquitos.

Em 1963, o balneário é classificado como modesto do tipo rural, e embora os arrozais já não significassem um problema, a decadências das termas já era notória, pois o parque e a capela anexa já se encontravam abandonados.

Actualmente, a capela, o hotel, e o parque estão em ruínas, tendo sido classificados como edifícios de Interesse Municipal em 1994. Em ruínas encontram-se também os antigos balneários, pensão e outros anexos destas termas, onde a água mineral corre em grande caudal por três bicas num espaço abaixo do nível do solo, junto do que resta do antigo portão de acesso às termas. Todo o complexo é actualmente pertença da Câmara Municipal de Soure, encontrando-se em elaboração um projecto de recuperação do espaço para fins termais e de lazer.

As termas da Amieira situam-se em Samuel, concelho de Soure e é nesta freguesia que se encontram as três termas deste concelho - Amieira, Bicanho e Azenha, hoje desactivadas.

As últimas a encerrar as portas foram as da Azenha já em meados dos anos oitenta.

 

Características da Água:

Situação Administrativa: Recurso hidromineral não concessionado

Localização:

 * Lugar: Banhos da Amieira

 * Freguesia: Samuel

 * Concelho: Soure

 * Distrito: Coimbra

Captações: Nascente

Temperatura máxima registada: 27º C

 

Ambiente Geológico e Controlo Geológico-Estrutural

As Termas da Amieira situam-se na base da serra de Verride, junto ao seu encontro com a vasta e baixa planura denominada Campo do Carregal, que acompanha o curso do rio Pranto, afluente da margem esquerda do rio Mondego.

O terreno onde estas se localizam, pertencente ao Mesocretácico (Cenomaniano e Turoniano), é constituído por assentadas de calcário mais ou menos argiloso de cor clara, calcário compacto e calcário cavernoso, separadas por pequenas bancadas de argila ferruginosa.

As nascentes, em número de três, emergem da camada de calcário cavernoso do Cretácico superior, que se estende numa direcção sensivelmente N20ºW; estas brotam no fundo de uma escavação feita na rocha calcária, com cerca de 3 m de profundidade, representando um descarregador do maciço calcário que constitui o anticlinal de Verride, em cujas fendas e cavidades se acumulam importantes reservas aquíferas. A saída da água é determinada pelo contacto entre o maciço referido e o enchimento aluvionário do vale do rio Pranto.

A sua temperatura é muito constante à volta dos 27º C, o que parece justificar a sua origem profunda.

Estas águas, cloretadas bicarbonatadas cálcicas, são especialmente usadas no tratamento de moléstias da pele, reumatismos, etc.

Análise Fisico-Quimica (Agosto de 1951):

Fontes:

https://sites.google.com/site/faceocultadeportugal/centro/termas-da-amieira

https://pt.wikipedia.org

http://archive.is/nbx5M#selection-405.0-579.6



A cache:

Com esta EarthCache, pretendemos dar a conhecer a piscina que se encontra nas imediações das termas abandonadas que tanto interesse nos despertou.

Aproveitem e façam a cache https://www.geocaching.com/geocache/GC13KZ4_termas-da-amieira do owner Três Marias & Silveirinha.

Para logar esta cache, responde às seguintes questões:

 

1. Explica, por palavras tuas, o que são termas

2. Em que período geológico pertencem os terrenos destas termas?

3. Qual o tipo de rocha de onde emergem as suas nascentes? Qual o período destas rochas?

4. Que tipo de água podemos encontrar nesta piscina? A água é quente, meio termo, ou fria?

5. Quantas bicas tem a "Fonte das Bicas", existente em N 40º 05.717 W 008º 44.823?

6. Foto do geocacher, junto ou dentro da piscina a tomar o seu banho termal será bem vinda.

 

Se já sabes as respostas, envia para o nosso email para que possas validar o found!

Additional Hints (Decrypt)





Yrin gbnyun r sngb qr onaub :)

Decryption Key

A|B|C|D|E|F|G|H|I|J|K|L|M
-------------------------
N|O|P|Q|R|S|T|U|V|W|X|Y|Z

(letter above equals below, and vice versa)



 

Find...

102 Logged Visits

Found it 99     Temporarily Disable Listing 1     Enable Listing 1     Publish Listing 1     

View Logbook | View the Image Gallery of 50 images

**Warning! Spoilers may be included in the descriptions or links.

Current Time:
Last Updated:
Rendered From:Unknown
Coordinates are in the WGS84 datum

Return to the Top of the Page

Reviewer notes

Use this space to describe your geocache location, container, and how it's hidden to your reviewer. If you've made changes, tell the reviewer what changes you made. The more they know, the easier it is for them to publish your geocache. This note will not be visible to the public when your geocache is published.