Skip to content

<

Vida por Vida @ Peniche

A cache by geoeste Send Message to Owner Message this owner
Hidden : 10/08/2016
Difficulty:
1.5 out of 5
Terrain:
1.5 out of 5

Size: Size:   micro (micro)

Join now to view geocache location details. It's free!

Watch

How Geocaching Works

Please note Use of geocaching.com services is subject to the terms and conditions in our disclaimer.

Geocache Description:


Vida por Vida @Peniche - Associação Humanitária dos Bombeiros Voluntários de Peniche

É desconhecida ao certo a data em que se criou uma instituição visando a defesa dos haveres e vidas dos cidadãos, em caso de fogos. Consta, na Câmara Municipal de Peniche, um documento datado de 20 de Julho de 1873, no qual a Câmara Municipal aprova a seguinte deliberação:

“Um oficio do Governador da Praça, pedindo à Câmara lhe dispense, para guardar a Bombas de apagar incêndios, uma casa que esta Câmara possui na rua da Palha, por ser mais central e no interior da povoação. A Câmara, em vista das ponderações feitas pelo dito Governador, concedeu a casa pedida para o fim indicado".

Neste caso, tratava-se de uma dependência na actual Rua 13 de Infantaria pertencente à antiga Casa da Fanga (celeiro municipal) vendida a Emídio Balbino em 1905. Tudo leva a crer que o voluntariado não existia, mas que a imposição imperava.

Anos mais tarde, foi necessário tomar algumas providências para que se criasse um corpo de bombeiros pois, os incêndios eram frequentes.

A 4 de Junho de 1929, em sessão camarária, foi tomada a seguinte deliberação:

“O Sr. Presidente lamenta que não exista em Peniche uma corporação de bombeiros e reconhecendo também que a Câmara não possui rendimentos que lhe bastem para crear uma corporação de bombeiros municipais, propõe que a Comissão Administrativa desta Câmara tome a iniciativa da organização de tão útil quão benemérita instituição, de forma que ela seja um facto dentro de pouco tempo. Propõe mais que para esse fim a Comissão Administrativa nomeie uma Comissão Organizadora que ficará sob o seu patrocínio a quem serão entregues as verbas que Câmara for metendo nos seus ornamentos ajudando assim a criação deste corpo de bombeiros”.

Em menos de duas semanas, a 16 de Junho, foi criada oficialmente a Associação dos Bombeiros Voluntários de Peniche. N39 21.275

A sua primeira sede estava instalada no edifício dos Paços do Concelho, no rés-do-chão, funcionando no andar superior o actual salão nobre. Será de referir que a Autarquia foi solidária em tudo aquilo que lhe foi possível ao alcance das suas possibilidades financeiras, bem como o Comando Militar da Praça de Peniche colocou à disposição as dependências da Cidadela, bem como os terraços para as instruções, formaturas e tudo aquilo que estivesse ao abrigo da sua competência militar. Para poderem desempenhar cabalmente e com eficiência a sua elevada missão, havia que providenciar a aquisição de apetrechos, mas o dinheiro era escasso…No primeiro ano e outros que se seguiram, para angariar receitas realizam-se quermesses, verbenas, jogos de futebol, gincanas, bailes, cinema, apresentaram-se grupos dramáticos, organizam-se festas diversas, incluindo a da "Flor", e até vacadas. Também todas as receitas em posse da Comissão Pró-Monumento a Jacob Rodrigues Pereira, por ter sido posta de parte a ideia da sua construção, reverteram a favor dos bombeiros. Tiveram logo em consideração, no princípio de 1930, de construírem a Casa-Escola, vulgarmente conhecida por "Esqueleto", destinada aos exercícios de instrução da corporação.


Em Abril do mesmo ano foi adquirido um carro braçal de escadas pelo valor de 6.130$00, que actualmente se encontra exposto na sala que serve de museu no novo edifício da Corporação.

Com a criação da Liga dos Bombeiros Portugueses, em 18 de Agosto de 1930, não tardou que, a 23 de Abril de 1932, fossem aprovados pelo Governador Civil deste Distrito, os Estatutos da Associação dos Bombeiros Voluntários de Peniche. W009 22.679

Não sendo possível o desempenho das suas funções sem o mínimo de condições, continuou a luta para a aquisição de mais material. Em 1935 já possuíam 3 carros de tracção braçal, que se distinguiam por "bomba braçal com depósito para água" (caldeira) – “carro escada” e “material diverso”.

Mais tarde, em 1935 entram em negociações com a Firma Guérin, Lda, de Lisboa, para a compra de uma camioneta da marca "Fargo", com o fim de aproveitar o chassis adaptando-o a pronto socorro.

Nesse mesmo ano, também a Câmara Municipal se responsabilizou pelo pagamento de uma moto-bomba, tipo Liliput Magyrus, fornecida pela Firma H. Vaultier, pela importância de 22.500$00, sendo o maquinismo para lançar a água na extinção de incêndios por 15.000$00 e o restante em utensílios para adaptar na referida máquina. Foi na época uma aquisição de grande utilidade.

Em 1937 pairava já a ideia de um novo quartel, tendo sido o Arquitecto Paulino Montez convidado para a elaboração do projecto, mas tudo ficou na gaveta. A luta por fazerem mais e melhor era constante e a acção dos bombeiros não se ficava só pelos incêndios.

As grandes tarefas de socorro que se apresentavam no dia-a-dia, cada uma com o seu problema específico, fez sentir àqueles soldados da paz a necessidade de melhor se apetrecharem, confrontados muitas vezes com situações de perigo no combate a incêndios, ficando eles próprios sujeitos a traumatismos, queimaduras, asfixia e, em alguns casos, afogamentos. Assim, cedo se aperceberam das suas carências no campo da saúde.


Três anos mais tarde, em 1940, quando o transporte de feridos e doentes era encarado como uma prioridade pela Associação, a Junta de Província da Estremadura cedeu-lhe, a título gratuito, um automóvel com o objectivo de ser adaptado a auto-maca.

Em Maio de 1944 os consórcios Sr. Joaquim Guilherme Faria Júnior e Luís Correia Peixoto ofereceram para ser montada no telhado da sede uma "sirene”. Ficou assim dispensado o auxílio do sino grande das torres das Igrejas de S. Pedro e de Nª. Sª. da Ajuda, de que permanentemente pendiam cordas para o exterior, com a finalidade de serem usados para alarmes quando ocorriam situações carentes da intervenção dos bombeiros.

A 19 de Junho de 1962, por deliberação camarária, foi atribuído aos "Soldados da Paz" que formam a Corporação dos Bombeiros Voluntários de Peniche, pelas acções desenvolvidas a bem de Peniche e Concelho, a "Medalha em Ouro de recompensa da Vila de Peniche". Era iminente a construção de um novo quartel, pois, com um corpo de bombeiros em plena forma e um grupo de 6 viaturas, sendo 4 para combate a incêndios, 1 para socorros a náufragos, com respectivo atrelado, uma outra para serviços de ambulância, 2 moto bombas para serviços de incêndios e outras tantas para serviço de esgotamento, manter-se a Corporação num pobre e modestíssimo quartel, em edifício de renda, tornava-se de todo incapaz para acomodar todo o pessoal e material.

Desta forma, em 1969, para obtenção do necessário terreno junto da Casa-Escola da Travessa do Matinho, foi adquirido um armazém a Emídio Barradas, por 350.000$00.

Cerca de 20 anos mais tarde, começaram os Corpos Gerentes desta Instituição a notar que, as instalações se mostravam insuficientes para o grande movimento que os Bombeiros registavam. Assim, em 24 de Agosto de 1989, a Associação dirigiu uma carta à Câmara Municipal apresentando alternativas previstas para a implantação de um novo quartel, a qual teve a melhor atenção, pois, em reunião camarária foi referido o novo quartel dos Bombeiros informando a Edilidade de que a elaboração do projecto havia sido confiada a uma equipa de arquitectos, encontrando-se já concluído o estudo preliminar.

A 26 de Junho de 1990, em reunião camarária, foi aprovada a localização do novo quartel dos Bombeiros Voluntários de Peniche, na Prageira, junto a Rua da Ponte Velha.

Finalmente, a 13 de Março de 1999, é concretizado o grande sonho da Associação para a cidade de Peniche, ou seja, a inauguração do actual Quartel de Bombeiros, o qual dispõe de 21 viaturas, com as quais prestam serviço a 6 freguesias compreendidas numa área de 77,6 Km2.

-------------------------

Como é de conhecimento geral, os Bombeiros Voluntários têm como principais missões a protecção de pessoas, bens e património natural e, como objectivo específico, o exercício de actividades de socorro e de outras modalidades de intervenção humanitária.

São estes os heróis que agem de forma desinteressada e que se privam de estar com os seus entes queridos em prol de auxiliar o próximo com o lema “Vida por Vida”.

A geOeste desenvolveu uma acção que consiste na colocação de uma geocache junto a cada corporação de Bombeiros Voluntários (ou na sua área limítrofe) dos 12 Concelhos do Oeste.

Um grande BEM HAJAM, Bombeiros Voluntários do Oeste assim como a todos os Bombeiros por este mundo fora.


- - - Levar material de escrita - - -


As coordenadas virtuais indicam a localização do quartel dos Bombeiros Voluntários de Peniche


Additional Hints (Decrypt)

Ab trbpurpxre.

Decryption Key

A|B|C|D|E|F|G|H|I|J|K|L|M
-------------------------
N|O|P|Q|R|S|T|U|V|W|X|Y|Z

(letter above equals below, and vice versa)