Skip to content

#23 Nigel Mansell Traditional Cache

Hidden : 01/04/2017
Difficulty:
1.5 out of 5
Terrain:
1.5 out of 5

Size: Size:   micro (micro)

Join now to view geocache location details. It's free!

Watch

How Geocaching Works

Please note Use of geocaching.com services is subject to the terms and conditions in our disclaimer.

Geocache Description:





World Race TB´S

Este PT tem como objectivo dar a conhecer todos os campeões de Formula 1.

Muitos foram os que voaram baixinho desde 1950, fazendo sonhar os adeptos, mas poucos foram os que escreveram o seu nome a letras douradas nesta modalidade.

É um PT totalmente em asfalto, tal como são os circuitos de F1.




Nigel Mansell



(Upton-upon-Severn, 8 de agosto de 1953) é um ex-piloto de Fórmula 1, campeão do mundo de 1992. Conhecido pelo estilo arrojado, Nigel Mansell, muito por essa forma agressiva de conduzir, notabilizou-se também pelo fato de não ter tido muita sorte na Fórmula 1, pois em várias ocasiões, algumas até com o título praticamente assegurado sofria acidentes. Foi um dos pilotos que mais dividiram opiniões no seu tempo: ao mesmo tempo em que havia os que o admiravam pela ousadia e ímpeto, capaz de belíssimas exibições, outros o consideravam um automobilista pouco esperto, sujeito a cometer erros estúpidos.



Após a conquista em 1992, sagra-se campeão na Fórmula Indy no ano de 1993, e primeiro piloto a conquistar o título na sua estreia. Mansell disputou duas temporadas na Fórmula Ford britânica, onde obteve sucesso. Em 1976, venceu seis corridas das nove disputadas na temporada. Já em 1977 vence 33 das 42 corridas disputadas e torna-se campeão da categoria. Em 1978, muda de categoria e vai disputar a Fórmula 3.

Mansell inicia como piloto de testes da equipa Lotus, desenvolvendo a versão B do Lotus 81. Na temporada de 1982 repete a posição final, desta vez com 7 pontos e um 3º lugar no GP do Brasil (em função das desclassificações de: Piquet (vencedor) e Rosberg (2º colocado)) - além de não ter disputado dois GPs por problemas de saude. Nesse mesmo ano o seu contrato é estendido por Colin Chapman, pouco depois Chapman morre. Quem assume o comando da equipe é Peter Warr, com quem Mansell não tinha o mesmo relacionamento que tinha com Chapman. Na temporada de 1983, a Lotus troca os pneus Goodyear pela Pirelli e também troca o motor Ford Cosworth aspirado pelo Renault Turbo. Porém, Mansell disputa a primeira parte da temporada com o Lotus 92 ainda com o motor aspirado, e conquista apenas um ponto com esse carro. A partir da 9ª etapa, o Grande Prêmio da Grã-Bretanha, em Silverstone - começa a disputar com o Lotus 94T e o motor francês turbo. Com essa nova combinação obtem: um terceiro, um quarto e um quinto lugar, somando 9 no total de 10 pontos e o 13º lugar no campeonato de pilotos.

Com um carro melhor que de outras temporadas, em 1984, a equipa volta à Goodyear e Mansell conquista a primeira pole position - no GP dos EUA em Dallas (esse GP bateu o recorde de temperatura, sendo realizado a 40 °C e além disso, Mansell protagonizou um dos momentos mais fortes da temporada ao desmaiar próximo a linha de chegada, tentando empurrar o seu carro) -, além de conquistar dois pódios e pela primeira vez terminar o campeonato entre os dez primeiros com 13 pontos. Esse foi o último ano do "Leão" na Lotus, sendo substituído pelo brasileiro Ayrton Senna para a próxima temporada.



Em 1985, Mansell assina com a equipa de Frank Williams para ser companheiro do campeão de 1982, o finlandês Keke Rosberg. Na sua primeira temporada, o inglês obteve duas vitórias nos GPs: da Europa e da África do Sul, onde também conquistou a primeira pole position na equipa e a segunda vitória na sua carreira. Relativamente ele fez uma boa temporada, terminando com 31 pontos e o 6º lugar no campeonato de pilotos. Este ano também, foi o primeiro em que o "Leão" usou o mítico "Red 5", a numeração do carro naquela temporada. Fazendo a sua primeira temporada pela Ferrari, em 1989, Mansell volta a conquistar vitórias, conseguindo a primeira na nova equipa no GP de estreia, no Brasil.



Na temporada de 1990 o então tricampeão Alain Prost é contratado pela Ferrari, para ser companheiro de equipa de Mansell. Prost, como era de se esperar, vai para defender o seu título e Mansell enfrenta problemas. A temporada de 1992 inicia com Mansell favorito a ganhar o título ao mostrar um carro muito superior aos restantes. O aperfeiçoamento feito à suspensão ativa, juntamente com o potente motor da Renault, fez do FW14B um carro "imbatível". Dominou a temporada literalmente, fazendo 9 vitórias, 14 poles e 8 voltas mais rápidas, ganhando o primeiro, e único, campeonato com o 2º lugar na Hungria - faltando cinco corridas para o fim do campeonato - e com 52 pontos de diferença para o vice-campeão, e companheiro de equipa, Riccardo Patrese. Aos 39 anos e com o título conquistado, Mansell anuncia sua retirada da Fórmula 1 (que acabou sendo provisória).


Em 1994, Mansell retorna à categoria. Depois da morte de Ayrton Senna volta à Fórmula 1 com a Williams, com um salário de £900,000 por corrida, para substituir o novato escocês, David Coulthard no GP da França e nos três últimos GPs da temporada. Nos quatro GPs em que disputou, conquistou sua última vitória no controverso GP da Austrália, onde Damon Hill e Michael Schumacher, que disputavam o título, colidiram, dando o primeiro título ao piloto alemão e a vitória ao "Leão", no carro pilotado pelo tricampeão brasileiro. Ainda nessa prova, Mansell conquistou sua última pole position.




No final do campeonato de 1996, Eddie Jordan procurava um substituto para o piloto inglês Martin Brundle, que decidira retirar-se da competição e para o brasileiro Rubens Barrichello, que rumava para a Stewart. Já tinha garantido os serviços do alemão Ralf Schumacher, irmão de Michael Schumacher, que iria estrear na Formula 1 e procurava um piloto experiente, para o ajudar na sua temporada de estreia. Tentou o novo campeão do Mundo, Damon Hill, mas ele nessa altura já tinha assinado pela Arrows. Então, a Jordan vira-se para Nigel Mansell, pois o patrão tinha a promessa de um contrato de £ 8 milhões por parte da tabaqueira Benson & Hedges. O teste é marcado para Dezembro de 1996, no circuito de Barcelona, e Mansell, com 43 anos, anda bem mais lento que o resto da concorrência. Somente como exemplo, no primeiro dia, é 4 segundos mais lento que o melhor piloto desse dia, o Williams do canadense Jacques Villeneuve. No final dos três dias, apesar de afirmar estar disposto a correr mais uma temporada, Eddie Jordan decide escolher outro novato, o italiano Giancarlo Fisichella, para a segunda vaga da equipe, e Mansell deixa definitivamente a F-1.



Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre


A Cache:


Apenas contém logbook. NÃO TEM MATERIAL DE ESCRITA

Boas Corridas
Pé Na Chapa


Additional Hints (Decrypt)

Ireqr

Decryption Key

A|B|C|D|E|F|G|H|I|J|K|L|M
-------------------------
N|O|P|Q|R|S|T|U|V|W|X|Y|Z

(letter above equals below, and vice versa)