Skip to content

Pateira de Fermentelos EarthCache

Hidden : 04/05/2020
Difficulty:
1 out of 5
Terrain:
1.5 out of 5

Size: Size:   other (other)

Join now to view geocache location details. It's free!

Watch

How Geocaching Works

Please note Use of geocaching.com services is subject to the terms and conditions in our disclaimer.

Geocache Description:


Para dar esta cache como encontrada deverá enviar um e-mail com as respostas correctas às seguintes perguntas:

1 - Considerando o ciclo de vida de um lago, diz em que estágio se encontra a Pateira de Fermentelos.

2 - Observando as areias junto à margem da pateira, classifica o seu grau de arredondamento e calibragem. Na composição das areias consegues identificar conchas de organismos ?

3 - Tendo em conta a tua análise das areias, consideras que o seu transporte foi curto ou longo ?

4 - Escolhe um lugar ou vários e tira fotografias de ti ou do teu GPS onde seja visível esta bonita lagoa e junta-as ao teu registo ( Tarefa facultativa ).

Envia as respostas via email e poderás dar a earthcache como encontrada de seguida.

Pateira de Fermentelos

Conhecida por Pateira de Fermentelos, trata-se da maior lagoa natural da Península Ibérica. Área sensível e importante zona húmida da REDE NATURA 2000. Aí ocorrem habitats, ecossistemas e espécies com estatutos de protecção nacional e internacional.

Historicamente, a Pateira deve ser considerada como um antigo braço marinho onde desaguavam, independentemente uns dos outros, os rios Cértima, Águeda e Vouga, antes da constituição da Ria de Aveiro. Aquele braço que os aluviões dos três rios fecharam, originou um só curso de água (o rio Vouga) passando a foz a situar-se muito mais a Noroeste, como actualmente. Em finais do século XV, devido às sucessivas inundações dos rios Cértima e Águeda e alagamento dos campos ribeirinhos, foi originada a lagoa (Pateira).

Evolução geológica da Pateira de Fermentelos 

A origem e evolução das bacias cenozóicas, onde se inclui a Bacia do rio Vouga, assentes sobre os sedimentos mesozóicos da Bacia Lusitânica, está associada às fases pirenaica e bética da orogenia alpina e à deformação interna que afectou a microplaca ibérica.

Durante o Quaternário, depositaram-se, no Baixo Vouga, extensas planícies aluviais e areias marinhas e eólicas. A regressão gradual ocorrida durante o Quaternário baixou o nível de base do rio Vouga, conduzindo ao encaixe da rede hidrográfica e erosão parcial dos terraços, cujos testemunhos se preservam no topo aplanado das elevações mesozóicas que caracterizam todo o Baixo Vouga.

A formação da Pateira de Fermentelos, ocorrida durante o Quaternário, parece estar inicialmente associada a uma secção especialmente deprimida de um sistema fluvial plistocénico. Em seguida, durante o Holocénico, a sua evolução parece relacionar-se com a evolução a Ria de Aveiro que, em termos geomorfológicos, não constitui uma ria, mas antes um sistema laguna ilhabarreira (Figura 2.2).

Mais recentemente, nomeadamente antes do século X, na zona onde hoje se espraia a planície aluvial da Ria de Aveiro, existia uma baía localizada entre Espinho, a Norte, e o Cabo Mondego, a Sul, que mais tarde deu origem à configuração actual da Ria de Aveiro, através da deposição de areias, com formação de cordões dunares litorais e de um sistema de ilhas no interior da laguna. A diminuição da influência marinha e o progressivo assoreamento da laguna conduziram ao isolamento da Ria de Aveiro em relação ao mar. No entanto, em 1808, os trabalhos de engenharia efectuados no cordão dunar que separava a laguna do mar permitiram a manutenção de uma barra e a comunicação artificial com o mar, marcando o fim de um processo de evolução natural desta laguna.

O ciclo de vida dos lagos

Um lago é um corpo de água cercado por terra. Existem milhões de lagos no mundo, são encontrados em todos os continentes e em todo o tipo de ambiente, em montanhas e desertos, nas planícies e perto das praias.

Uma vez formados, os lagos não permanecem os mesmos. Como as pessoas, elas passam por diferentes estágios da vida - juventude, maturidade, velhice e morte. Todos os lagos, mesmo os maiores, desaparecem lentamente quando as suas bacias se enchem de sedimentos e material vegetal. O envelhecimento natural de um lago ocorre muito lentamente, ao longo de centenas e até milhares de anos, mas com influência humana, pode levar apenas décadas.

 

 As plantas e as algas de um lago morrem lentamente. A água morna e rasa da camada superior do lago faz com que as plantas e as algas se decomponham e, eventualmente, afundam na bacia. Depósitos de poeira e minerais no fundo do lago combinam-se com as plantas para formar sedimentos. A chuva lava o solo e as pedras na bacia. Os restos de peixes e outros animais acumulam-se no fundo do lago ( estágio de maturidade ). O lago fica menor, começando pelas bordas e trabalhando em direção ao meio. Eventualmente, o lago torna-se um pântano ( estágio da velhice ). Nesse ponto, o processo de secagem diminui drasticamente; limnologistas, pessoas que estudam lagos e lagoas, não sabem ao certo o porquê. Eventualmente, o lago torna-se terra seca ( estágio de morte ) ( Figura 2 ).

A EarthCache

Sedimentogénese

Actividade que conduz à formação de materiais - sedimentos ou detritos - a partir de rochas preexistentes, ou de restos de seres vivos, o seu transporte e a sua deposição.

Meteorização

Alteração física e química das rochas que afloram à superfície da crosta, por acção de agentes diversos, como a água, o ar, o vento, as diferenças de temperatura e os seres vivos. As rochas existente à superficie da terra, principalmente as rochas magmáticas e metamórficas, ao ficarem expostas a condições muito diferentes daquelas em que foram geradas, fragmentam-se em pedaços cada vez mais pequenos, que irão constituir os sedimentos.

Erosão

Após a meteorização das rochas ocorre a erosão, processo pelo qual os agentes erosivos, principalmente a água e o vento, arrancam e separam fragmentos da rocha-mãe. Estes sedimentos são constituídos maioritariamente por areias, mas também siltes, assim como de restos orgânicos e conchas de organismos.

Transporte

Os materiais resultantes da meteorização não permanecem no seu local de formação. A força exercida pelos agentes erosivos é, normalmente, suficiente para iniciar o transporte destes materiais.

Os fragmentos, durante todo o processo de transporte, sofrem continuos desgastes, rolam, chocam e partem dando origem a fragmentos cada vez mais pequenos e arredondados.

Sedimentação

Ocorre quando o agente transportador perde energia e os materiais transportados ficam depositados. A deposição dá-se, geralmente, em camadas sobrepostas - estratos - horizontais e paralelas, principalmente quando ocorre no ambiente aquático.

This page was generated by Geocaching Portugal Listing Generator
Bibliografia- Rota da bairrada ; câmara municipal de Águeda ; National Geografic ( Encyclopedia ); 10_ano powerpoint, Paulo Valentim 2010 e Texas Aquatic Science.

Additional Hints (Decrypt)

Cnen hzn ceágvpn frthen qb trbpnpuvat yrvnz r erfcrvgrz bf ngevohgbf.

Decryption Key

A|B|C|D|E|F|G|H|I|J|K|L|M
-------------------------
N|O|P|Q|R|S|T|U|V|W|X|Y|Z

(letter above equals below, and vice versa)