Skip to Content

Reviewer notes

Use this space to describe your geocache location, container, and how it's hidden to your reviewer. If you've made changes, tell the reviewer what changes you made. The more they know, the easier it is for them to publish your geocache. This note will not be visible to the public when your geocache is published.

EarthCache

A Fenda da Arrábida

A cache by André&Paulo Send Message to Owner Message this owner
Hidden : 9/18/2017
Difficulty:
4 out of 5
Terrain:
4.5 out of 5

Size: Size: other (other)

Join now to view geocache location details. It's free!

Watch

How Geocaching Works

Please note Use of geocaching.com services is subject to the terms and conditions in our disclaimer.

Geocache Description:


Fotografia 1 - Paulo Teles (BroTTasTeAm)

Fotografia 2,3 e 4 - Ricardo Soares


Esta earthcache não foi fácil de idealizar um vez que existe falta de informação sobre este acontecimento geológico.

Alguns emails trocados com entidades responsáveis no estudo e de preservação e conservação da região não me levaram se não ao local onde eu já estava.

A única informação, escassa, possivel de recolha foi a seguinte, que permite enriquecer-nos um pouco mais com conhecimentos sobre o local:


A Fenda constitui um “geomonumento” de rara beleza natural, há muito conhecido, mas sem informação arqueológica publicada (no prelo). A verticalidade e dureza das suas paredes tem proporcionado uma verdadeira Meca para os amantes da escalada, que equiparam aquela arquitectura natural com várias vias de diferentes graus de dificuldade.


Fotografia 5,6,7 e 8 - Ricardo Soares


Como o próprio topónimo indica, trata-se de um acidente tectónico, que se abre ao longo de aproximadamente 700 metros na encosta sul da Serra da Arrábida, sobranceiro e paralelo à linha de praia do Portinho. Este fenómeno terá sido provavelmente causado pela orogenia que verticalizou aquela junta de estratificação, ao ponto de a abrir numa grande brecha onde se desenvolveu um submundo de maravilha e viçosa luxúria, na qual a luz se perde numa penumbra de verdes e cambiantes de terra e argila.


Fotografia 9,10,11,12,13 e 14 - Ricardo Soares


A acção erosiva das águas orgânicas corroeu aquele espaço num labiríntico complexo de ocos propícios à exploração humana, proporcionando, assim, uma potencial área de habitat e abrigo, com diversos recantos apelativos, também, para uma utilização ritual. Porém, a sua prospectabilidade é de manifesta dificuldade, pelo facto de a área se desenvolver como uma imensa bacia de dejecção sedimentar, culminada por uma espessa camada de manta morta em constante produção. Se, por uma lado, os sedimentos escondem por completo os presumíveis vestígios arqueológicos, por outro, selam-nos, preservando de forma exemplar a sua latente informação, a aguardar uma oportuna intervenção de sondagem. Ainda assim, foram identificados alguns fragmentos de cerâmica manual, e um grande búzio (“buzina” – Charonia lampas) depositado numa pequena cavidade aberta num caos de blocos.


Fotografia 15,16,17,18,19 e 20 - Ricardo Soares


Tendo em conta as singulares particularidades deste local e a sua insinuante integração na rede de povoamento loco-regional do Bronze Final, destacando-se a “umbilical” proximidade e intervisibilidade com o povoado da Serra da Cela (a escassos 500 metros), será admissível atribuir-lhe uma funcionalidade de acessório abrigo sazonal, de apoio, controlo e defesa do porto subjacente, além de eventuais atribuições rituais. Outras cronologias também devem ser tidas em conta. Recorde-se que a área do Portinho da Arrábida tem vindo a documentar uma sequência de ocupação praticamente ininterrupta, a que o sítio da Fenda não terá certamente passado despercebido.


Fotografia 21 e 22 - Ricardo Soares

Fotografia 23,24 e 25 - Paulo Teles (BroTTasTeAm)



**************************Geologia local**************************
Fenda da Arrábida
(Praia do Caeiro, Portinho da Arrábida)



Jurássico 119.6 +-0.6MA
Rocha Sedimentar. Calcário Rocha. Carbonatada Impura. Dolomito.
Zona Tectono-estratigráfica: Orla Ocidental
38º28'54.6"N 8º58'49.0"W



1:1 000 000

Código: J2
Descrição: Calcários, margas e dolomitos
Idade: Jurássico Médio
Eonotema: Fanerozóico
Eratema: Mesozóico
Sistema: Jurássico
Série: Jurássico Médio
Litologias Predominantes: Rocha sedimentar. Calcário. Rocha carbonatada impura. Dolomito.





1:500 000

Código: J2O
Descrição: Calcários de Sicó (Ançã e Andorinha); Calcários oolíticos de Santo António e Candeeiros; Calcários e calcários dolomíticos
Descrição1: Jurássico Médio da Orla Ocidental
Eonotema: Fanerozóico
Eratema: Mesozóico
Série: Médio
SHAPE_Area: 765578271,939047
SHAPE_Length: 714246,015854
Sistema: Jurássico
Zona: Orla Ocidental



Google Earth View



* * * * * * * * * * * * * * * * * * * * * * * * * * * * * * * * * * * * * * * * * * * * * *






Esta earthcache tem como objetivo dar-vos a conhecer a Fenda da Arrábida, quer pela observação in loco da sua morfologia e formação, quer pelo estudo e análise da informação dada nesta página.

Para poderem efetuar o registo de "FOUND" nesta cache tem de responder a 3 perguntas:

  • Nas coordenadas indicadas, quantos metros de altura tem a fenda?
  • Dos Espeleotemas em baixo descritos, qual/quais se formou/formaram nas coordenadas iniciais e de que cor é/são?
Estalactite

As estalactites formam-se a partir do tecto das cavidades crescendo na vertical e podem ser de dois tipos: as estalactites e as estalactites tubulares.



Estalagmite

As estalagmites formam-se na dependência das estalactites, resultando da precipitação mineral pela água que atinge o chão. Podem ter várias formas e tamanhos, sendo sempre mais grossas que as estalactites, devido à aspersão da água quando atinge o chão.



Colunas

As colunas formam-se quando uma estalagmite e uma estalactite se tocam.



Escorrimentos

A água, que escorre pelas paredes ou em torno de colunas e estalagmites mais antigos, pode formar toda sorte de figuras. Uma das formas mais comuns são os órgãos, semelhantes a grupos de estalactites coladas nas paredes. Também há cascatas de pedra, escorrimentos de grandes volumes e com formatos variados.



Bandeiras

As bandeiras resultam do escorrimento da água numa superfície inclinada, normalmente um tecto. A água em vez de pingar escorre, contornando as irregularidades, fazendo um percurso algo sinuoso.



Excêntricas

As excêntricas são formas de concrecionamento muito particulares. São muito finas, crescem em todas as direcções do espaço e a sua génese é controversa. Consistem na sua maioria em finíssimos tubos de calcite ou aragonite que crescem a partir do tecto, paredes ou do chão, desafiando as leis da gravidade. Além destes espeleotemas existem muitos mais, tais como, os gours, coralóides, pérolas de gruta, flores, medusas, bolas e mantos, entre outros.



Espirocones e saca-rolhas

Tipos especiais de estalactites em formato de saca rolha ou de espiral. Geralmente são criadas quando o canal principal da estalactite se entope e a água é forçada a buscar outros caminhos pelas paredes do tubo ou pela raíz da estalactite. O escorrimento pela parte externa faz com que a estalactite fique mais espessa próxima à raíz. Irregularidades na rocha fazem com que a água escorra em espirais criando e forma característica desses espeleotemas.



Helictites e heligmites

São espeleotemas formados a partir do teto ou de paredes (helictites) ou do chão (heligmites). O processo é inicialmente semelhante ao das estalactites, mas ao invés de se formarem verticalmente em direção ao solo, as helictites se desviam para os lados ou mesmo para cima. São feitas de calcita ou de aragonita e, em alguns casos, estão associadas a flores ou agulhas de aragonita. Quando se formam nas paredes não resultam de gotejamento, mas de exsudação, ou seja, a água sai pela parede graças à porosidade da rocha.



Flores e agulhas

As agulhas são finos tubos constituídos de aragonita transparente, com espessura muito pequena. Ocorrem aos conjuntos com dezenas ou centenas de agulhas umas próximas às outras. Podem nascer nas paredes no chão, raramente no teto, como resultado da exsudação. As flores são frequentemente constituídas de aragonita, mas também ocorrem em gipsita e calcita. São compostas de centenas de cristais que se irradiam a partir de um ponto central. Também podem fazer cachos, irradiados a partir de um eixo que pode se deslocar em diversas direções como o caule de um cacho de flores.



Outros espeleotemas

Em alguns casos, as gotas que atingem o chão não formam estalagmites. Se o chão é poroso ou constituido de areia ou argila, um furo é criado. Aos poucos as paredes do furo se calcificam formando pequenas cavidades com paredes, os cálices. Diversas outras formações são possíveis. Na verdade não há dois espeleotemas iguais em nenhuma caverna. Há uma grande variedade de testemunhos da ação da água em galerias inundadas, tais como canais de erosão, fendas e cavidades produzidas por rodamoinhos e diversos desenhos formados pela calcificação e deposição de minerais nas superfícies da caverna. Outras formas podem ser encontradas nos lagos, poças ou represamentos, tais como represas de travertino, jangadas e plataformas (precipitações que flutuam na superfície da água), pérolas e vulcões.


  • No waypoint 1, olhando para Este que animal foi talhado pela natureza no cimo da parede?

* * * * * * * * * * * * * * * * * * * * * * * * * * * * * * * * * * * * * * * * * * * * * *

Assim que me enviarem as respostas não precisam de esperar pela autorização do log. Se as respostas estiverem erradas ou houver algum inconformidade, eu comunicarei a informar!

Additional Hints (No hints available.)



 

Find...

23 Logged Visits

Found it 22     Publish Listing 1     

View Logbook | View the Image Gallery of 14 images

**Warning! Spoilers may be included in the descriptions or links.

Current Time:
Last Updated: on 5/20/2018 9:51:14 AM Pacific Daylight Time (4:51 PM GMT)
Rendered From:Unknown
Coordinates are in the WGS84 datum

Return to the Top of the Page