Skip to content

Verde ou Cinza? [VG Vale de Barreiras] Traditional Geocache

Hidden : 08/13/2018
Difficulty:
2.5 out of 5
Terrain:
3 out of 5

Size: Size:   regular (regular)

Join now to view geocache location details. It's free!

Watch

How Geocaching Works

Please note Use of geocaching.com services is subject to the terms and conditions in our disclaimer.

Geocache Description:


Verde ou Cinza? [VG Vale de Barreiras]

Verde ou Cinza? [VG Vale de Barreiras]

Esta foi uma das muitas caches do tourpedido que foram arquivadas por esse país fora.
Em jeito de homenagem e de modo a proporcionar mais uma pequena aventura num talefe, decidi recuperá-la, deixando no local o antigo contentor e o seu livro de registos, que continua imaculado. Peço que respeitem o local e deixem tudo em condições para que não entre chuva dentro do contentor.

 

[Texto original, da cache do touperdido]

Causas dos incêndios em Portugal

De acordo com o relatório da Direcção Geral dos Recursos Florestais (DGRF) de 17 de Agosto de 2005, de entre as principais causas determinadas que estiveram na origem dos 126 grandes incêndios (áreas ardidas = 100 ha) que ocorreram no território português entre 1 de Janeiro e 14 de Agosto de 2005, destacam-se o Incendiarismo (30%) e o Vandalismo (26%), seguido das Queimadas realizadas para renovação da pastagem e para a caça (11%), com muito menor expressão. Mesmo assim, a causa de 70% desses grandes incêndios ainda está a ser investigada.

Um fogo, para que se desenvolva precisa de três elementos: combustível (como a madeira), comburente (o oxigénio do ar) e temperaturas elevadas, pelo que para além da origem do incêndio, a dimensão do mesmo irá depender do fornecimento em simultâneo destes três elementos. Quando apenas 22% (5144) das ocorrências são praticamente responsáveis pelos 115 000 ha de área ardida este ano (relatório DGRF), evidencia-se a importância de não deixar “crescer” o fogo.

Falta uma rede viária e compartimentação estruturada e contínua nas áreas florestais, pois estas permitirão a vigilância, detecção precoce e extinção de qualquer foco que surja no terreno. Quando o fogo surge, as nossas forças de combate têm que estar preparadas, em termos de material e de recursos humanos, não podendo o país continuar no “aluguer de longa duração” de meios.

 

 

 

Vértices Geodésicos:

Conjunto de todos os vértices geodésicos e das suas relações geométricas, distribuídos pelo país, colocados em posições dominantes de forma a garantir intervisibilidade, devidamente coordenados. Estão materializados através de diversas formas geométricas, como pirâmides ou troncos de cone sobre cilindros (bolembreanas) ou são coincidentes com estruturas já existentes.


 

Um VG ou vértice geodésico (popularmente chamado "talefe" em Portugal e "pinoco" no Norte de Portugal) é um sinal que indica uma posição cartográfica exacta e que forma parte de uma rede de triângulos com outros vértices geodésicos. São escolhidos sítios altos e isolados com linha de visão para outros vértices.

A rede geodésica portuguesa é formada por vértices geodésicos que se dividem em três ordens de importância:

painel

  1.ª ordem - pirâmides distando 30 a 60 km
2.ª ordem - cilindro + cone listados distando 20 a 30 km
3.ª ordem - cilindro + cone distando 5 a 10 km
 




O número de vértices existentes na totalidade do território (Portugal Continental e Regiões Autónomas) é, atualmente, de cerca de nove mil, repartidos por vértices de:
Continente: 1.ª ordem (cerca de 120), 2.ª ordem (cerca de 900) e 3.ª ordem (com uma densidade aproximada de 1 vértice por cada 10 km²)
Arquipélago dos Açores: cerca de 500.
Arquipélago da Madeira: cerca de 150

A RGN é a infra-estrutura básica onde se apoia toda a cartografia do país e que serve todos aqueles (empresas, autarquias e outros organismos públicos e privados) que, por força das suas actividades, necessitam de referenciar geograficamente os seus projetos (os Planos Diretores Municipais, por exemplo).



O Centro Geodésico de Portugal está situado na Serra da Melriça, freguesia e concelho de Vila de Rei, distrito de Castelo Branco.



Encontrando-se a uma altitude máxima ao nível do mar de 592 m (anm/asl) é delineado fundamentalmente pelo Marco Geodésico Padrão, pelo Museu da Geodesia e áreas envolventes de apoio e estacionamento.

Este marco geodésico, que serviu de base à marcação dos restantes 8000 vértices geodésicos de Portugal continental, é conhecido popularmente por "Picoto da Melriça" e foi uma das primeiras pirâmides geodésicas em Portugal, tendo estado na origem do sistema de coordenadas geográficas associado ao Datum 73, o sistema de referência nacional adotado na década de 1970. É constituído por um vértice geodésico de 1.ª ordem, piramidal, em alvenaria com 3 metros de base e 9 metros de altura e está desde há muito associado à história da cartografia moderna em Portugal. Esta iniciou-se no século XVIII, no reinado de D. Maria I, quando a soberana convidou a Academia Real da Marinha a iniciar os trabalhos de triangulação geral do território para a realização da Carta Geográfica do Reino. Foi Francisco António Ciera quem escolheu o topo desta serra perto de Vila de Rei como um dos pontos da triangulação fundamental em Portugal. Os trabalhos arrancaram em 1790, mas foram interrompidos treze anos depois devido às invasões francesas.
As primeiras observações tendo em vista a triangulação do local seriam feitas em 1870, enquanto que as observações astronómicas de latitude, longitude e azimute, bem como as primeiras observações por satélite no picoto da Melriça se realizaram nas décadas de 1960 e 70. Em 1982 procederam-se a observações de distância integradas num poligonal norte-sul, usando-se pela primeira vez, já no início dos anos de 1990, o sistema de posicionamento global GPS.


As coordenadas do Picoto da Melriça são: latitude: N39º 41´ 40,14" longitude: W8º 07´ 49,80" que corresponde ao Maidenhead Locator IM59wq. Nele pode-se encontrar a geocache (GC1E4NM) integrada nas caches Lusitani.

 

 

A CACHE

Este VG situa-se a 506 metros de altitude e é de 3.ª ordem. Encontra-se sobre um lapiá, rodeado de pinhal, eucaliptal e vegetação típica da serra. Aconselho a deixarem o veículo no ponto indicado e subir pela direita, por um trilho que foi aberto, e saltando um muro de pedra. Daí, o acesso é muito mais fácil. Tenham cuidado na abordagem ao contentor. Um descuido pode causar danos sérios. Por favor, não divulguem fotos do contentor e levem material de escrita.

 

Additional Hints (Decrypt)

An sraqn tenaqr.

Decryption Key

A|B|C|D|E|F|G|H|I|J|K|L|M
-------------------------
N|O|P|Q|R|S|T|U|V|W|X|Y|Z

(letter above equals below, and vice versa)