Skip to content

<

Alma de Lobo

A cache by super666 Send Message to Owner Message this owner
Hidden : 02/10/2018
Difficulty:
3.5 out of 5
Terrain:
4 out of 5

Size: Size:   small (small)

Join now to view geocache location details. It's free!

Watch

How Geocaching Works

Please note Use of geocaching.com services is subject to the terms and conditions in our disclaimer.

Geocache Description:


A Alma do Lobo


«Em maio deste ano de 1734 saiu do interior da montanha do Gerês uma desconhecida e formidável fera, que discorrendo por toda a vizinhança despedaça o que acha vivo, seja gente, gados ou ainda outras feras. A tudo avança embravecida. Corre com tanta velocidade e subtileza que em breve tempo tem aparecido sem ser sentida, a não ser pelas crueldades que obra. Não se sente tanto a multidão de gados que tem despedaçado - dos quais não se aproveita mais que o sangue - quanto as muitas pessoas que em várias partes tem morto. Afirmam alguns que são treze homem e quatro mulheres, os mais deles pastores, e que alguns foram achados com as entranhas comidas. é UM bicho muito comprido, o pescoço curto, a cabeça grande, os olhos grandes, a boca demasiadamente rasgada, guarnecida toda de dentes grandes e pequenos, os quais traz sempre à vista. Têm-se feito grandes montarias sem ser possível descobri-lo, mas ainda não para o seu estrago. A Câmara de Montalegre tem prometido um grande prémio a quem o matar, em cuja diligência se continua. Queira Deus tenha
êxito.»
Notícias de Montalegre, 1734



O dia que ficou para a história foi em vésperas de Natal. Estava frio e nevoeiro, mas um pastor conseguiu ver dois lobos, talvez três, a descerem para o ria. Correu a fazer o anúncio na aldeia e a multidão juntou-se. Era pouco provável que subissem à segurança das fragas antes do cair da noite, por isso o povo tinha de ser rápido. Era frequente os aldeãos encontrarem vestígios das feras no velho carreiro que percorre a aldeia a norte. Fechando esse caminho, os animais
ficariam encurralados. Pois era precisamente aí, junto ao muro de delimitação de urn lameiro, que fica a espetacular armadilha, com um muro de 2,20 metros de altura. «Para armadilhar o fojo bastava vedar a passagem com tábuas e confiá-las à guarda de um fafioto destemido, bem como dissimular o poço com vegetação», lê-se no artigo do antropólogo Pedro Primavera. O conselho da aldeia decidiu fazer a batida nessa mesma noite. Cada casa mandaria mv homem. Distribuíram-se os homens pelas 16 esperas, dois em cada uma. Os restantes far-se-iam ao mato, mas tiros só os podiam mandar para o ar. Uma bala desviada podia falhar o alvo e acertar num homem. Para tragédias já bastava o lobo.
Poupavam-se as palavras, como manda o costume transmontano. Os batedores tomaram os carreiros que desciam até às margens do Cávado. Simultaneamente formou-se a linha dos caçadores das esperas, armados com latas, paus e pedras. Ainda não soavam as seis quando foi lançado um petardo. Era o sinal. Os batedores iniciaram a carga, gritando impropérios e fazendo barulho. Numa questão de minutos, três lobos começaram a subir a serra a galope. Depois, mais atrasado, um quarto, em passo lento. o sol já raiava quando o último bicho chegou j zona do fo. Nas esperas fazia-se silêncio, mantinha-se o corpo quieto. Um dos guardas, sem se aperceber que havia um quarto predador, deixou passar três e levantou-se aos gritos. Os animais estacaram, perplexos. Nisto as tábuas de uma guarida cederam com estrondo, graças ao peso dos homens. Faio mote para retomarem a correria em direção à cova de quatro metros de profundidade, tapada por giestas. Tombaram todos ao mesmo tempo. O quarto bicho conseguiu escapar-se. Apercebeu-se da barulheira e voltou atrás, passando pelos batedores como uma seta. Junto ao fojo, o povo regozijava. As crianças e as mulheres da aldeia vieram todas, não é todos os dias que se apanham três feras. Depois foi alçar da espingarda e disparar. Pum, pum, pum. cada lobo foi atado pelas patas a uma vara e levado para o centro da aldeia - ainda há registos fotográficos desse dia. Os transportadores passaram por todas as casas do povoado, eem todas angariaram fumeiro e vinho. Depois ataram os animais a urna árvore e içaram os bichos. Juntou-se o povo em festa, com a comida e bebida que se tinha arranjado. Nove meses depois, em setembro de 1949, nasciam 20 crianças em Fafião

Malditos, histórias de homens e de lobos, Ricardo J. Rodrigues



Puedes validar la solución a tu puzzle con certitude.
Document made with KompoZer

Additional Hints (No hints available.)



Reviewer notes

Use this space to describe your geocache location, container, and how it's hidden to your reviewer. If you've made changes, tell the reviewer what changes you made. The more they know, the easier it is for them to publish your geocache. This note will not be visible to the public when your geocache is published.