Skip to content

<

Praça Marquês de Pombal

A cache by Filipona* Send Message to Owner Message this owner
Hidden : 06/04/2019
Difficulty:
1 out of 5
Terrain:
1 out of 5

Size: Size:   virtual (virtual)

Join now to view geocache location details. It's free!

Watch

How Geocaching Works

Please note Use of geocaching.com services is subject to the terms and conditions in our disclaimer.

Geocache Description:


Vila Real de Santo António




Vila Real de Santo António é uma cidade raiana portuguesa no Distrito de Faro, região e sub-região do Algarve, com cerca de 11 900 habitantes. É sede de um município com 61,25 km² de área (Fonte: INE) e 19 156 habitantes (Fonte: INE/Censos 2011), subdividido em 3 freguesias. É um dos poucos municípios de Portugal territorialmente descontínuos, dividindo-se numa porção ocidental, a freguesia de Vila Nova de Cacela, e uma porção oriental, onde se situa a cidade e Monte Gordo. A parte oriental é limitada a norte e oeste pelo município de Castro Marim, a leste pelo Rio Guadiana, que define a fronteira com Espanha, município de Ayamonte, e a sul tem litoral no oceano Atlântico; a parte ocidental é limitada a norte e leste por Castro Marim, a oeste por Tavira e a sul tem litoral no oceano Atlântico.

 

Ao longo da sua História, Portugal teve sempre problemas políticos com a vizinha Espanha, e por isso sempre houve um especial cuidado com as regiões raianas. A foz do Rio Guadiana divide o extremo sudeste português do extremo sudoeste espanhol, e durante muitos anos a única cidade portuguesa que protegia o território nacional nessa zona era Castro Marim. Nessa medida, e porque esse período foi uma era de grandes mudanças no país, foi assinada a 30 de Dezembro de 1773 uma Carta Régia que dava conta da criação de uma cidade no extremo algarvio – nascia assim Vila Real de Santo António.

 

A cidade nasceria no local onde antes existia uma povoação de pescadores denominada Santo António da Arenilha. Sebastião José de Carvalho e Melo, mais conhecido como Marquês de Pombal, ministro do rei D. José I, foi o homem responsável pela criação da cidade. A edificação da cidade foi bastante rápida; a 17 de Março de 1774 foi lançada a primeira pedra e no dia 6 de Agosto do mesmo ano já estavam terminadas as Casas da Câmara e da Alfândega, os quartéis e começava-se a construção da igreja. Os edifícios foram construídos da mesma forma que os da Baixa lisboeta, à base de peças pré-fabricadas que depois eram aplicadas no local, tornando a construção mais uniforme e célere. As obras ficaram concluídas a 13 de maio de 1776. A cidade desenvolvia-se numa malha urbana ortogonal perfeita, centrada na Praça Marquês de Pombal. Uma grande marginal percorria as várias centenas de metros que separavam o aglomerado urbano do Rio Guadiana.

 

No final do século XIX, e início do séc. XX a cidade viveu prosperamente. O sector das pescas (principalmente sardinha e atum) dinamizou a cidade, transformando-a num importante centro pesqueiro e conserveiro. Era também um importante porto para os barcos que transportavam minério, desde as minas de São Domingos. A importância da cidade traduziu-se também na tecnologia; foi a primeira cidade algarvia a ter iluminação a gás, em 1886.

 

Atualmente a cidade e o município de Vila Real de Santo António vivem do turismo e do comércio. Os extensos areais dão ótimas praias, que na época balnear se enchem de turistas nacionais e estrangeiros.

 

Praça Marquês de Pombal




A Praça Marquês de Pombal, outrora chamada Real e depois Praça do Comercio, é o principal largo da cidade, tendo sido delineado pelo Arquiteto Principal da Corte, o Capitão Reinaldo Manuel dos Santos. 


Ao centro deste largo, ergue-se o Obelisco que faz frente, no seu lado norte, à Igreja de Nossa Senhora da Encarnação, o único templo da paróquia. Neste largo espaçoso, perfeitamente quadrado, cada um dos lados tem precisamente 330 palmos de 22 centímetros. A Praça Marquês de Pombal é o maior impacto urbano e o elemento urbanístico por excelência, depois da fachada da vila. 


A estratégia construtiva utilizada procurou colocar a Praça o mais perto possível do Guadiana, distando deste apenas dois quarteirões. Embora não constituísse o centro geométrico da planta é o centro cívico e comercial da vila. Aí se encontravam a Casa da Câmara e a cadeia a nascente, o Corpo de Guarda a sul e a Igreja a norte. Os restantes edifícios destinavam-se ao comércio no rés do chão e à habitação no primeiro andar. Os quatros cantos da Praça estão marcados por quatro torrões morfologicamente iguais e ao centro ergue-se o Obelisco encimado por uma coroa. Apesar de não ser o centro geométrico, a Praça Real é um espaço central e nuclear, por reunir os serviços públicos e comerciais.

  

A cache

Podes efetuar esta cache de duas maneiras:

1ª Opção e preferencial: Dirigir-se à coordenada publicada e tirar uma foto com a máquina existente no local, inserir o seu correio electrónico e receberá a mesma, depois é só publicá-la aqui, é fácil;

 2ª Opção: Deve dirigir-se à seguinte coordenada: N37º 11.658 W007º 24.941 e efetuar uma foto conforme a seguinte imagem, se não quiser aparecer na imagem deverá incluir algo que o(a) identifique.


Virtual Rewards 2.0 - 2019/2020

This Virtual Cache is part of a limited release of Virtuals created between June 4, 2019 and June 4, 2020. Only 4,000 cache owners were given the opportunity to hide a Virtual Cache. Learn more about Virtual Rewards 2.0 on the Geocaching Blog.

Additional Hints (Decrypt)

Qvivegn-fr

Decryption Key

A|B|C|D|E|F|G|H|I|J|K|L|M
-------------------------
N|O|P|Q|R|S|T|U|V|W|X|Y|Z

(letter above equals below, and vice versa)