Skip to content

<

"A ERMIDA" Arrábida

A cache by Aguias da Rasca Send Message to Owner Message this owner
Hidden : 10/27/2019
Difficulty:
2 out of 5
Terrain:
3 out of 5

Size: Size:   other (other)

Join now to view geocache location details. It's free!

Watch

How Geocaching Works

Please note Use of geocaching.com services is subject to the terms and conditions in our disclaimer.

Geocache Description:


História, Tradições e Lendas: 

A origem e história desta serra que constitui uma fascinante viagem pelas origens e diversas fazes da formação do Planeta e das suas civilizações que habitaram aquele espaço, com as suas lendas e tradições que ficaram nela retratada. É também uma viagem emotiva pela história de Portugal, através dos castelos que a serra alberga, palco de batalhas antigas  e das lendas dos seus habitantes, como a lenda de Hildebrandt, um religioso Inglês que viajou para Portugal trazendo consigo uma imagem de pedra de Nossa Senhora, igual à que na Ordem de S.Pedro na Inglaterra adoravam, e que o salvou de uma tormenta no mar, onde se extraviou a imagem.

Tradições:

Grupos juntam-se todos os anos para percorrer os trilhos serranos entre Vila Nogueira de Azeitão e o Portinho da Arrábida. Um costume de todas as Sextas-feiras Santas naquela vila desde tempos imemoriais.
A caminhada de Sexta-Feira Santa é a única vez no ano que percorre a montanha. "É um pretexto para vir à serra" e uma ocasião para relembrar o seu passado.

A Lenda:

Segundo a lenda, por volta de 1215, no reinando em Portugal D. Afonso II, dirigia-se a Lisboa uma nau inglesa, o mar estava embravecido e era uma noite escuríssima; pelo que a nau, perdendo o rumo, foi arrastada pelos ventos fortes para lá do Cabo Espichel e estava a ponto de se despedaçar contra os rochedos da serra da Arrábida.
    Vinha a bordo um mercante religioso chamado Hildebrandt, que era capelão da nau, ou de um fidalgo que vinha de passagem, chamado D. Bartolomeu.
    Trazia o religioso, no seu beliche, uma imagem de Nossa Senhora, e vendo-se em tamanho perigo, foi busca-la, para que toda a tripulação a exortasse pedindo-lhe o salvamento; mas não a achou, o que lhe causou grande terror, bem como a toda a marinhagem. Ajoelharam todos, pedindo entre lágrimas, a Santíssima Virgem, que os livrasse de tão grande aflição.
    Viram então na encosta da serra que olha para o mar uma brilhante cruz, que alumiava tudo, como se fosse claro dia, onde nesse mesmo instante aplacou o furor das ondas.
    Fundearam pela manha seguinte, o religioso e os seus principais tripulantes da nau foram então ao sitio em que tinham visto brilhar a milagrosa cruz.
    Em lugar da cruz, viram a imagem da Nossa Senhora, que frei Hildebrandt havia tido no seu camarote. Entenderam que a Senhora queria ser adorada neste sitio e por uso, todos subscreveram com esmolas para que, com licença do bispo de Lisboa, aqui se edificasse uma ermida, o que logo teve efeito. Construíram também um aposento para o religioso e para D. Bartolomeu, que o quis acompanhar naquela aspérrima solidão. Hildebrandt,  prometeu dedicar os seus dias a amar e servir Nossa Senhora na montanha, onde a sua protecção não fora invocada em vão. Distribuiu parte dos seus bens pelos outros membros da tripulação do navio e pediu-lhes que todos os anos viessem, em romaria, à serra da Arrábida visitar o local onde passara a viver. Atribuiu-se a este facto a origem do círio dos Saloios de Alcântara até finais do século XIX.

Passando depois a chamar-se de: "Cirio de Nossa Senhora da Arrábida". 

 

 

Additional Hints (Decrypt)

Gercne crdhrab ebpurqb
Cnen purtne nb ybt obbx, onfgn qrfybpne

Decryption Key

A|B|C|D|E|F|G|H|I|J|K|L|M
-------------------------
N|O|P|Q|R|S|T|U|V|W|X|Y|Z

(letter above equals below, and vice versa)