Skip to content

Moinho da "Borralheira de Cima" Traditional Geocache

Hidden : 09/05/2020
Difficulty:
2.5 out of 5
Terrain:
2.5 out of 5

Size: Size:   micro (micro)

Join now to view geocache location details. It's free!

Watch

How Geocaching Works

Please note Use of geocaching.com services is subject to the terms and conditions in our disclaimer.

Geocache Description:


Nenhuma descrição disponível.

 

Várzea justifica a bússola apontada a Norte, as sementeiras do linho, o cadenciar dos teares e uma riqueza adormecida que acorda em cada Primavera, tocada por mãos firmes de mulheres delicadas e rostos trigueiros.

Situada num terraço natural com uma magnífica vista sobre um vale onde corre o rio Vouga, a Várzea é um prodígio no meio da natureza, tocado pelas levadas que embalam ritmos e sementeiras, fiando e tecendo.

Várzea é uma tira do Vouga, pedras sobrepostas na água, atravessando rio sem molhar pés, olhando o velho moinho, apreciando a natureza e conhecendo uma aldeia marcada pelo linho, que ditou evidências e modos, tecendo voltas, ripando e atando. Uma vida de molho, um maçadoiro feito estaquinha. Uma valente espadelada, o linho que seca, os fios que dobam. Várzea é esse merecimento da planta, da linhaça, dos teares, a ligação da terra ao homem, como o mostra o Museu do Linho de Várze de Calde, forno e pão, lagar e adega, as taleigas e as tulhas, salgadeira e cozinha. Pão e vinho sobre o linho: esta é a hospitalidade beirã, contada fio a fio, seguindo o rio que conta memórias, trazendo generosidade, da colheita à fiação. Arrancado, malhado e moído. Espadelado, batido, “sedeirado” e haja fuso, dobrando e lavando.

Várzea de Calde é uma aldeia onde corre água, vertida aos pés do Museu, na Fonte de S. Francisco, no rio que inunda as leiras e os rincões, o regadio que levou D. Maria I a acreditar nas sementeiras. Várzea é a casa de lavoura, a oficina do linho, o bater de muitos teares e as fiandeiras cantando e encantando, escutando o sussurro das águas, levando as espigas, lavando rio e ribeira, as eiras e os cantares. E esse valente arraial do três de outubro chamam-lhe os tecedores de “Toco de S. Francisco”: roubam-se pinheiros, chiam os carros e, no adro, o vozear, de ano intermitente, dançando todos, vassourando as sobras do milho e do linho. E descendo ao rio, os campos cultivados, as videiras enlatadas, os encanamentos, atravessando as pedras para Sanguinhedo, cortando para a barragem, uma extraordinária paisagem, verde e azul, cadenciada e sincopada. A Várzea é o linho, é a terra, é a generosidade da natureza, feita magia, tecida e dobada. E vestida pois então!

 

Um dos muitos moinhos presentes ao longo do percurso pedestre de Várzea de Calde.

É o único moinho de toda a aldeia que ainda se encontra em funcionamento onde ocasionalmente os habitantes ainda se deslocam lá para fazer uso.

Additional Hints (Decrypt)

an onfr qn áeiber.

Decryption Key

A|B|C|D|E|F|G|H|I|J|K|L|M
-------------------------
N|O|P|Q|R|S|T|U|V|W|X|Y|Z

(letter above equals below, and vice versa)