Skip to content

A Ermida da Cela Traditional Geocache

Hidden : 10/03/2020
Difficulty:
2 out of 5
Terrain:
3 out of 5

Size: Size:   small (small)

Join now to view geocache location details. It's free!

Watch

How Geocaching Works

Please note Use of geocaching.com services is subject to the terms and conditions in our disclaimer.

Geocache Description:


Ermida da Cela

Situada em plena Serra do Cercal, ainda na freguesia de Vila Nova de Milfontes, em lugar aprazível, a ermida da Cela, cuja invocação variou entre Nossa Senhora e Santo António, constituiu, para a população das redondezas, um motivo de atração festivo-religiosa.

Até à década de 1950 o povo acorria à ermida, mormente em determinadas datas, fazendo passeios, muitas vezes em burricada, em que a componente recreativa e social estava muito presente. As alumiadas, as vigílias e os bailes, em particular no 1º de Maio, faziam, igualmente, parte de algumas práticas da religiosidade popular, eivadas de reminiscências pagãs, que a ermida concitava. Nunca foi, porém, um santuário de multidões, mas apenas de pequenos grupos de pessoas, aliás de acordo com a demografia regional.

A história da ermida remonta ao século XVI, embora possivelmente se tivesse erguido sobre um mais antigo santuário, e liga-se à figura de um frade franciscano, de seu nome Bernardino, aqui refugiado da vivência do mundo, como era corrente no fenómeno do eremitanismo. Ele morreu quando, chamado a Lisboa pelo seu Provincial, a caravela em que seguia naufragou na barra do rio Mira. Segundo a narrativa da sua morte, transmitida por escritores de feitos e casos religiosos, Frei Bernardino terá predito o naufrágio ao embarcar e, logo depois, as águas transportaram o seu corpo, esteiro acima, até à proximidade da sua cela, onde foi encontrado, com as mãos cruzadas sobre o peito e o breviário enxuto na bolsa. O facto, considerado milagroso, levou a população a erguer uma ermida no lugar da sua cela, devotada, nos primeiros tempos, a São Bernardino de Sena, santo italiano muito em voga, que tinha o nome do nosso eremita.

Deixando o antigo relato imbuído de maravilhoso, vemos, hoje, que o edifício se encontra em ruínas, com a alvenaria de xisto e barro à vista. É ainda bem legível a sua estrutura composta: nave e capela-mor rectangulares, separadas por arco triunfal; e pequena sacristia, também rectangular, adossada à capela-mor, segundo determina a regra, do lado da Epistola. A fachada obedece ao modelo dito "em bico", o mais usual nas singelas ermidas rurais, e apresenta, à esquerda de quem entra, vestígios de uma sineira; da cobertura do corpo principal, em duas águas, resta apenas o sector correspondente à capela-mor.

Na pedra da verga do portal é visível uma inscrição, gravada pela mão de alguém sem domínio da escrita, com a data, aparentemente, de 1704, evocando um momento em que recebeu obras de monta. No interior da capela-mor, perduram vestígios de pinturas murais, testemunhos das beneficiações levadas a cabo por finais do seculo XVIII.

A ermida está registada em nome da Paróquia, mas subsiste alguma confusão pois um particular reclama a sua propriedade. Tudo resulta, parece, de um lapso aquando dos registos efectuados no tempo da I República, lapso que, no entanto, foi resolvido, mais tarde, pelo Estado a favor da Igreja. Em todo o caso, urge resolver a questão do registo predial.

Nos últimos anos, a ermida da Cela tem continuado a sofrer o efeito da passagem do tempo, com a agravante de ter sido alvo de "caçadores de tesouros", que, naturalmente não encontraram qualquer tesouro, mas, esburacando o pavimento, acentuaram os riscos para a "saúde" do pequeno edifício. Um grupo de amigos da ermida, levou a cabo, há alguns anos, o escoramento dos vãos, que acusavam sinais de estarem a ceder.

O "destino" desta ermida é exemplar: com a transformação da sociedade, com o abandono das antigas práticas religiosas e festivas, com o próprio esquecimento da sua existência, o pequeno templo quedou-se abandonado, embora se encontre em lugar aprazível e constitua um interessante pedaço de património cultural. Nem o aproveitamento turístico, possivelmente a solução para a sua manutenção e o seu uso, foi até hoje equacionada. Este é, portanto, um "dossier" que, apesar de tudo, continua em aberto.

Em busca da Ermida da Cela

Desde muito jovem que ouvia a minha mãe falar desta pequena Ermida perdida algures pelas serras da Sela, com o passar do tempo e as tardes passadas em passeios de bicicleta por estas serras sempre foi meu objectivo encontar esta Ermida, sempre pedindo mais uma ou outra indicação à minha mãe lá ia percorrendo os caminhos da Sela em busca da dita. A verdade é que na altura cheguei a identificar este edifício como a Ermida, mas atendendo ao seu estado devoluto e acessos nunca chegámos perto do mesmo e só muitos anos mais tarde vim mesmo a confirmar se tratar da Ermida da Sela que a minha Mãe me falava e eu muitos Kms de bicicleta fiz em busca.
Local remoto e que dá prazer desfrutar, não fosse o empreendimento "turístico" agora ali ao lado e parecia que estavamos perdidos no meio do nada.

Não entrar em propriedade privada! Contornar a propriedade! Evitar dar nas vistas para os residentes da propriedade vizinha!

This page was generated by Geocaching Portugal Listing Generator

Additional Hints (Decrypt)

Qronvkb qr gryun bh qronvkb qb puãb, pbzb cersreverz.
Aãb rfgá qrageb qn rezvqn, arz rz arauhzn cnerqr qn zrfzn!!

Decryption Key

A|B|C|D|E|F|G|H|I|J|K|L|M
-------------------------
N|O|P|Q|R|S|T|U|V|W|X|Y|Z

(letter above equals below, and vice versa)