Skip to content

Lapa da Caldeira | Penedo dos Mouros [Rãs] - BE14 EarthCache

Hidden : 04/05/2021
Difficulty:
1.5 out of 5
Terrain:
4 out of 5

Size: Size:   other (other)

Join now to view geocache location details. It's free!

Watch

How Geocaching Works

Please note Use of geocaching.com services is subject to the terms and conditions in our disclaimer.

Geocache Description:


 

 
Como Validar o teu Found?

Pedimos que tenham em atenção o acesso ao topo do Penedo, em tempo molhado poderá ser mais perigoso, dai a classificação do mesmo! O Fenómeno que vos queremos apresentar está no topo do penedo, a descair para Sul, e é bem visível a olho nú!

1 - Explica por palavras tuas o que é o intemperismo?

2 - O que te faz parecer este fenómeno na coordenada publicada?

3 - Qual o diâmetro deste fenómeno?

4 - O que existe no centro deste fenómeno?

5 - Que Tipo de Intemperismo está aqui presente? Explica por quê!

6 - Quais as principais causas e consequências que causaram o fenómeno assinalado?

7 - OBRIGATÓRIO - Uma fotografia tua ou de algo que te identifique no topo do Penedo sem mostrar o fenómeno que vos estamos a apresentar!

 
Na Freguesia de Rãs, a sudeste da mesma, existe uma vasta area recheada de história. A Lapa da Caldeira, abrigava os pastores e caçadores,  existindo no dias de hoje, ainda, duas pedrinhas que ali colocaram a servir de banco para se sentarem. Os pastores faziam ali fogueiras para se aqueceram, transportando da aldeia o fogo em bosteira de vaca que ficava a remoer o dia inteiro.

O Penedo da Moira, onde nas noites de S. João, pela madrugada fora, vinham os jovens da aldeia para ver a moira estender as meadas de linho para corarem ao sol. Fala-se de um buraco na rocha, que não se conseguiu localizar, onde se enfiava a cabeça e se ouvia um zunido. Diziam os garotos que era a moura a fazer o comer. De um dos lados, a rocha tem uma configuração de chaminé, tomando a designação de Forno dos Mouros. No chão queimado pelo fogo recente, surgem aqui e ali umas flores violeta, com pétalas estreitas, designadas por campainhas ou brincos de Nossa Senhora. Em frente fica o Alto das Rolas. Mais abaixo fica o Vale das Lebres.

 

 

É chamado de intemperismo o processo de alteração das rochas que ficam expostas às condições do tempo local. Daí o intemperismo ser também chamado de processo de meteorização das rochas, já que sua ocorrência depende dos agentes atmosféricos de uma determinada região. Ele pode ser classificado como físico e químico.

 

Intemperismo Físico ou Mecânico:
O intemperismo é físico quando as rochas sofrem desintegração por ação mecânica. Uma estrutura rochosa exposta a variação de temperatura – calor e frio – sofrerá expansão e retração nos seus constituintes minerais. Após um período relativo de exposição, começará a desagregação da rocha.

O mesmo poderá ocorrer em regiões onde há congelamento de água. Ela penetra pelos poros das rochas, congela e expande-se, forçando suas paredes, desintegrando-as. As raízes das plantas e os micro-organismos animais que penetram nas rochas também forçam a sua desagregação por ação mecânica. O intemperismo físico é mais intenso nas regiões desérticas, nas regiões polares e de altas montanhas.

Mudanças Volumétricas nas Rochas: Mudanças volumétricas nos vazios e fissuras do interior das rochas:

- Expansão Térmica

- Álívio de Pressão

- Congelamento

- Cristalização de Sais

- Actividade biológica

Fig.1: Intemperismo Físico - Desintegração no solo influenciada por temperatura

Intemperismo Químico:
O intemperismo é químico quando a desagregação das rochas ocorre por reações químicas, o que altera suas estruturas e provoca modificações nos seus constituintes minerais. A água é o seu principal agente, pois penetra por capilaridade nas rochas e reage com os componentes da estrutura mineral. Por isso, afirma-se que as regiões sujeitas a grande pluviosidade estão mais expostas ao intemperismo químico, como é o caso das regiões tropicais do planeta.

Os organismos vegetais e minerais, ao penetrarem nas rochas, também podem causar reações químicas que alterarão as constituições originais dos minerais.

- Dissolução

- Hidratação

- Hidrólise

- Acidificação

- Carbonatação

- Oxidação

Fig.2: Intemperismo Químico - Dissolução do calcário em contato com a água

Intemperismo Biológico:
por meio de processos biológicos, esse tipo de intemperismo é provocado principalmente pela decomposição dos seres vivos, favorecendo assim, a transformação das rochas e o enriquecimento do solo.

Fig.3: Bactérias provocam a decomposição biótica de matérias orgânicas Fig.4: Arvore que nasceu no meio da rocha provocando a sua divisão
Causas e consequências do intemperismo
Água

A água proveniente das chuvas e das consequentes enxurradas arrasta uma quantidade enorme de materiais, alterando continuamente o espaço em que age. Por exemplo, em uma área que sofreu desmatamento e o solo ficou exposto, a ação contínua da água pode provocar a erosão do solo – gerando ravinas (estágio inicial) e voçorocas (estágio avançado) – ou, em áreas com declividade, escorregamentos de terra ou movimentos de massa.

desempenham importante papel como agentes externos do relevo, pois, em seu trajeto, retiram, transportam e depositam diversos materiais, provocando mudanças em sua área de ocorrência.

Vários fatores interferem na ação das águas fluviais para a modelagem do relevo, sendo os principais a velocidade de escoamento da água, a declividade do terreno e o tipo de rocha (mais maleável ou menos maleável).

Um dos exemplos mais notáveis da ação das águas é o Grand Canyon, localizado no oeste estadunidense. O cânion, formado predominantemente por rochas sedimentares, foi escavado lentamente pelas águas do rio Colorado, em um processo que continua até os dias de hoje.

Fig.5: Grand Canyon onde é possível observar os diversos tons da rocha que representam as diferentes etapas do processo de formação do canyon

Gelo
Outro elemento importante é o gelo, causador da erosão glacial. Esse tipo de erosão ocorre em áreas do planeta submetidas a baixas temperaturas, como nas regiões polares ou em suas proximidades, além das geleiras situadas em elevadas altitudes.

São exemplos da ação glacial a formação dos fiordes, que são vales em forma de U, originados da ação das geleiras, e de lagos resultantes do derretimento do gelo, de que são exemplos os Grandes Lagos, localizados entre o Canadá e os Estados Unidos.

Fig.6: Abrasão Glaciar Fig.7: Bloco de gnaisse sofre ação do gelo
 Os ventos
A ação eólica também contribui para a formação das paisagens terrestres. É dividida em dois tipos, a saber:
Destruição: Acumulação

A ação eólica, em seu trabalho destrutivo constante, retira partículas das rochas, transporta-as e as lança com violência contra outras rochas, que acabam sofrendo um processo de escavações denominado corrosão. Em consequência, aparecem formatos curiosos, esculpidos em função da direção e intensidade do vento, bem como da resistência das rochas. A seguir, um exemplo desses formatos.

Ao diminuir sua velocidade, o vento deposita os materiais por ele carregados, resultando em formas diferentes de depósitos, das quais as dunas são o exemplo mais comum.

Fig.8 e 9: Rochedos Esculpidos pela erosão Éolica

 
 


 
 

Additional Hints (Decrypt)

Cnen nprqre nb gbcb, baqr rfgá b sraózrab, qrirz cnffne n yncn n qvervgn, r ab ebpurqb fhove cryn mban vapyvanqn ngeáf.

Decryption Key

A|B|C|D|E|F|G|H|I|J|K|L|M
-------------------------
N|O|P|Q|R|S|T|U|V|W|X|Y|Z

(letter above equals below, and vice versa)