Skip to content

<

Pia o Taffoni ?

A cache by super666 Send Message to Owner Message this owner
Hidden : 05/24/2021
Difficulty:
4 out of 5
Terrain:
3 out of 5

Size: Size:   other (other)

Join now to view geocache location details. It's free!

Watch

How Geocaching Works

Please note Use of geocaching.com services is subject to the terms and conditions in our disclaimer.

Geocache Description:


Pias o tafonis ?


Portugues

Para reclamar esta cache como encontrada deverão enviar para o autor desta cache uma mensagem respondendo correctamente às seguintes questões:
  1.  ¿ Quantos buracos consegue contar na rocha ?
  2. O que estamos vendo aqui? ¿Um taffoni o uma pia ? Explique porque
  3. ¿ Acha que o fenomeno vai continuar crescendo ?
  4. Adicione uma fotografia sua no local, ou outra em que você possa ver um objeto, ou seu nick em um pedaço de papel

.Se acredita ter concluído com sucesso os objectivos desta Earth Cache e já me enviou todos os requisitos conforme solicitado, por favor, sinta-se à vontade para a registar como encontrada.
.Posteriormente verificarei os requisitos enviados e, caso seja necessário, contacta-lo no sentido de efectuar as devidas correcções ao seu registo.

Tafoni

O Que São?

Tafoni são cavidades rochosas naturais, elipsoidais, em forma de taça. Estas características cavernosas incluem poços minúsculos, cavidades de tamanhos moito grandes, formas de favos de mel aninhados e forma oval. Os Tafoni desenvolvem-se tipicamente em superfícies inclinadas ou verticais, e ocorrem em grupos. Estes acidentes geográficos intemperismo cavernosos requintados e fascinantes estão presentes nas superfícies de muitos tipos diferentes de rochas localizadas em uma infinidade de regiões geográficas em todo o mundo.

Tafoni são relatados mais frequentemente rochas de silicato de meia à granulação grossa, como granitos, grano dioritos, gnaisse e arenitos.

A forma das aberturas da cavidade tende a ser elipsoidal, alongado, e paralelo ao chão em ambas as configurações do deserto e costeiras


Meteorização

Meteorização define o conjunto de processos biológicos, físicos, químicos e / ou que decompõem e quebram a pedra em pedaços menores. Os processos de meteorização podem actuar de forma independente e em conjunto, bem como em diferentes escalas de observação. A erosão é o transporte dos detritos erosionados, muitas vezes pelo vento e pela água, longe do interior da cavidade.

a) Meteorização biológica. Por ácidos orgânicos que segregam na forma de um halo, as colónias de microrganismos , corroíndo quimicamente a biotita. Este processo bioquímico deixa para trás uma área elipsoidal, empobrecido em cimento de óxido férrico, que é mais facilmente desgastado e corroído.

b) Meteorização química. Processos químicos associados ao desenvolvimento tafoni tendem a incluir a hidratação, hidrólise, ea troca de cátions entre as soluções minerais e da rocha hospedeira. Fontes de humidade que promovem formação tafoni pode ser auga de mar rica en sais, humidade
da condensação do ar, neve derretida, a água subterrânea e água da chuva. A decomposição de feldspato de minerais de argila, o ataque químico do quartzo pelo sal, eo destacamento de ferro a partir de biotita aparecem particularmente importante na meteorização química de tafoni.

c) Meteorização física. Processos atmosféricos cavernosos físicos ou mecânicos geralmente se referem à destruição grão-a-grão de uma pedra (também conhecido como desintegração granular). Meteorização física é nomeada pelos pesquisadores mais frequentemente do que as biológicas ou meteorização química ao descrever as forças criativas dos tafoni.


Meteorização
Diferencial

A propriedade desconcertante dos tafoni, é que rochas aparentemente homogéneas desenvolverem tafoni. Blackwelder (1929) descobriu que a forma do tafoni em rochas sem irregularidades estruturais ou de composição aparentes, como variações litológicas, fraturas ou planos de cama. Ele sugeriu que o tafoni desenvolverem devido ao diferencial de humedecimento da superfície da rocha e da criação de condições micro climáticas dentro de cavidades, que causam hidratação de minerais de feldspato e esfoliação e posterior remoção pelo vento e pela chuva.

a) Mecanismo de realimentação positiva. Tafoni interiores e os microclimas que promovem ciclos de realimentação positivo e diferenciais de intemperismo da rocha. Quando o ar entra em um tafone na sombra e esfria, se condensa a humidade nas paredes da cavidade, promovendo, assim a meteorização química e física, e a criar uma maior área de superfície em que mais humidade pode-se condensar, aumentando ainda mais a meteorização

b) Para cima e para trás. As paredes traseiras e telhados meteorizaçãm mais facilmente porque essas áreas protegidas são mais frias e a superfície da rocha permanece em contacto com a humidade por longos períodos, perpetuando, assim, mecanismos de crescimentopositivo. Consequentemente, o tafoni cresce "para cima e para trás" e criar viseiras ou margens salientes amplas nos maiores tafoni.

c) Mecanismos de crescimento negativo. Um exemplo de um mecanismo de feedback negativo, retardando ou impedindo o desgaste, é o interior das paredes da cavidade, que são reforçados com organismos ou mineral secundário precipitados.

d) Clima. Grandes e pequenos tafoni podem variar por causa de que umtafone grande, é o suficiente volumoso para criar um microclima específico com "suficientementes" condições húmidas para a meteorização do interior.


Pias

-"Pias" (Gnammas) são depressões formadas em rocha sólida (Twidale e Corbin, 1963). Morfologicamente eles variam em detalhes, mas a maioria é oval, elíptica ou circular no plano. Alguns, fortemente influenciada pela articulação, são angular na forma, e outros, resultantes da coalescência de dois ou mais indivíduos, são irregularmente lobulados no plano. Todas servem como armazenagem temporários de água. A água acumulada da chuva e do escoamento é perdida ou através da evaporação, ou a utilização pelos animais (incluindo os humanos), ou por bacias rock underground são depressões formadas em rocha sólida (Twidale e Corbin, 1963). Morfologicamente elas variam em detalhes, mas a maioria é oval, elíptica ou circular no plano. Alguns, fortemente influenciada pela articulação, são angular na forma, e outros, resultantes da coalescência de dois ou mais indivíduos, são irregularmente lobulado no plano. Todos são armazéns de água temporários. A água acumulada da chuva e do escoamento é dissipada ou através da evaporação, ou pela utilização por animais (incluindo os humanos), ou por infiltração no subsolo. Alternativamente, se a oferta excede a armazenagem e perdas, a água nas bacias burda, formando uma saída para que a depressão eventualmente torna-se parte de um sistema de drenagem integrada.



Evolução



1- Pias menores e tigelas desenvolvem-se a partir de irregularidade da superfície e / ou fraquezas litológicas (Pe., juntas, xenólitos, mudança textural).

2- Pias ampliam-se e aumentam em profundidade, comumente sazonalmente enchendo-se com água.

3- A “pia” desenvolve paredes verticais, resultando em formas de marmita. Vertedouros são incipientes. A precipitação sazonal remove o lodo acumulando, areia e alguns seixos.

4- Aumento das taxas do crescimento dos laterais e as velocidades de aprofundamento diminuem. Ampliam-se lateralmente e os fundos aumentam para produzir panelas mais amplas. Subprodutos da erosão acumulam-se.

5- Taxa de crescimento das paredes diminui. Poços adjacentes e panelas podem se aglutinar em gnammas maiores. Vertedouros ampliam-se com canais marcados. Revestimentos Rocha pode evoluir para de cementação, que promove o desenvolvimento de lábios. A “Pia” começa a encher com subprodutos da erosão ou através de contribuições de lodo e areia.

6- Canais e vertedouros unem-se as gnammas adjacentes. Acumulação de sedimentos suporta o crescimento da planta (grama, musgo, carriço, … ) para colonizar a depressão.

Observam-se Gnammas em blocos de rocha em algumas áreas, sugerindo que as formas evolucionam rapidamente em termos geológicos - em questão de alguns milhares de anos.


Morphology



São reconhecidos vários tipos morfológicos:

- “Pits” são hemisférica e desenvolvem-se em encostas suaves
- “Pan” são relativamente raso, são planas, e também são desenvolvidos em encostas suaves
- “Cavidades cilíndricas”, geralmente
são circulares e retangulares em secção vertical, de modo que eles sejam apropriadamente referidos como de forma cilíndrica
- Depressões em "forma de silha" são assimétricas na seção normal, com os contornos, tendo altos respaldos do lado da curva ascendente, mas sendo abertos na descendente. Eles são típicas das encostas íngremes.






English

To log this earthcache, send me an email with the answer to the following questions:

1) How many holes can be counted at  the rock?
2) What are we looking here?
It is a taffoni or a pit? Explain why
3) What do you think, 
will It continue to grow?
4) Add a photo to your local, another one that you can see an object, or one nick in a piece of paper


If you believe you have successfully completed this Earth Cache goals and has already sent to me all the requirements as requested, Please, feel free to log it as found. Later i will verify the requirements sent and, if necessary, contact you in order to make the necessary corrections to your log.

Tafoni

What Are They?

Tafoni are ellipsoidal, pan- to bowl-shaped, natural rock cavities. These cavernous weathering features include tiny pits, softball-sized cavities, truck-sized caves, and nested and cellular honeycomb forms. Tafoni typically develop on inclined or vertical surfaces and occur in groups. These exquisite and fascinating cavernous weathering landforms are present on the surfaces of many different kinds of rocks located in a multitude of geographic regions around the world.

Tafoni are reported on most often on medium to coarse-grained, granular, silicate rocks like granite, granodiorite, gneiss, and sandstone.

The shape of cavity openings tends to be ellipsoidal, elongated, and parallel to the ground in both desert and coastal settings.

Weathering Processes

Weathering defines the set of physical, chemical, and/or biological processes which decay and break rock down into smaller pieces. Weathering processes can act independently and in concert as well as at different scales of observation. Erosion is the transport of the weathered debris, often by wind and water, away from the cavity interior


a) Biological Weathering. By secreting organic acids in the shape of a halo, colonies of microorganisms chemically weather biotite. This biochemical process leaves behind an ellipsoidal area, depleted in ferric oxide cement, which is more readily weathered and eroded.


b) Chemical Weathering. Chemical weathering processes associated with tafoni development tend to include hydration ,hydrolysis, and the exchange of cations between mineral solutions and the host rock. Sources of moisture promoting tafoni formation can be from saline-rich sea spray and splash, condensation from the air, melted snow, groundwater, and rainwater. The decomposition of feldspar to clay minerals, the chemical etching of quartz by salt, and the detachment of iron from biotite appear particularly important in the chemical weathering of tafoni.


c) Physical Weathering. Physical, or mechanical, cavernous weathering processes generally refer to the grain-by-grain destruction of a rock (also known as granular disintegration). Physical weathering is invoked by researchers more often than biological or chemical weathering when describing creative tafoni forces.


Differential Weathering


A perplexing property of the tafoni pattern is that uniform, seemingly homogenous rocks develop tafoni. Blackwelder (1929) discovered that tafoni form in rocks with no apparent structural or compositional irregularities like lithologic variations, fractures, or bedding planes. He suggested tafoni develop due to differential moistening of the rock surface and the creation of microclimatic conditions inside cavities, which cause hydration of feldspar minerals and subsequent exfoliation and removal by wind and rain.

a)Positive feedback mechanisms. Tafoni interiors and the microclimates they afford promote positive feedback cycles and differential weathering of the rock. When air enters a shaded tafone and cools, it condenses moisture onto cavity walls, thereby promoting chemical and physical weathering and creating a larger surface area on which more moisture can condense, further enhancing differential weathering feedback processes.


b)Upwards and backwards. Backwalls and roofs weather more readily because such sheltered areas are cooler and the rock surface remains in contact with the moisture for longer periods, thereby perpetuating positive feedback mechanisms. Consequently, tafoni grow “upwards and backwards” and create visors or broad overhanging margins on larger tafoni.


c)Negative feedback mechanisms. An example of a negative feedback mechanism slowing or preventing weathering is the interior of cavity walls that are reinforced with organisms or secondary mineral precipitates.


d)Climate. Large and small tafoni may differ because a large tafone is voluminous enough to create a specific microclimate with “sufficiently” humid conditions to differentially weather the interior


Rock basins

Rock basins are depressions formed in solid bedrock (Twidale and Corbin, 1963). Morpho-logically they vary in detail, but most are oval, elliptical or circular in plan. Some, strongly influenced by jointing, are angular in form, and others, resulting from the coalescence of two or more individuals, are irregularly lobate in plan. All are temporary water storages. Water accumulated from rainfall and runoff is lost either through evaporation, or use by animals (including humans), or by underground Rock basins are depressions formed in solid bedrock (Twidale and Corbin, 1963). Morpho-logically they vary in detail, but most are oval, elliptical or circular in plan. Some, strongly influenced by jointing, are angular in form, and others, resulting from the coalescence of two or more individuals, are irregularly lobate in plan. All are temporary water storages. Water accumulated from rainfall and runoff is lost either through evaporation, or use by animals (including humans), or by underground seepage. Alternatively, if supply exceeds storage and losses, the water in the basin overflows, cutting an outlet so that the depression eventually becomes part of an integrated drainage system.

Evolution



1- Minor depressions and bowls develop from surface irregularity and/or lithologic weaknesses (i.e., jointing,xenoliths, textural change).
2-Depressions enlarge and deepen, commonly seasonally filling with water.
3-Bowls develop vertical walls resulting in pan-forms. Spillways are incipient. Seasonal precipitation removes accumulating silt, sand, and some pebbles.
4-Lateral growth rate increases and deepening decreases.Bowls enlarge laterally and bottoms flatten to produce broader pans. Surface skins and coatings may develop to facilitate lipped and flask-like edges.Weathering byproducts accumulate.
5-Lateral growth rate decreases. Adjacent pits and pans may coalesce into larger gnammas. Spillways enlarge with defined channels. Rock coatings may develop into case-hardening that promotes the development of lips, visors, and flask-shaped profiles. Sediment infilling begins with weathering by-products (i.e., grus) or through aeolian contributions of silt and sand.
6-Channel and spillways link adjacent gnammas. Sediment accumulation supports plant growth (grass, moss, sedge, small plants) to colonize the depression. Once sediment and plant-filled, they act as sumps and/or as reservoirs for adjacent downslope gnammas.

-Rock basins have developed on scree blocks in some areas suggesting that the forms evolve quite rapidly in geological terms - in a matter of a few thousands of years.

Morphology



Several morphological types have been recognised :
- pits are hemispherical and developed on gentle slopes;
- pans are comparatively shallow, are flat floored, and are also developed on gentle slopes;
- cylindrical hollows vary in plan shape, though they are generally circular and are rectangular in vertical section so that they are appropriately referred to as being of cylindrical form;
- armchair-shaped hollows are asymmetrical in section normal to the contours, having high backwalls on the upslope side, but being open downslope. They are typical of the moderately steep (20 -30 ) slopes that lead down from the flattish crestal areas to the steep bounding slopes and the plains.



Additional Hints (No hints available.)