Skip to content

<

Amonites em Auren Medieval - BE17

A cache by bmps2003 & smss78 Send Message to Owner Message this owner
Hidden : 08/17/2021
Difficulty:
2 out of 5
Terrain:
1.5 out of 5

Size: Size:   other (other)

Join now to view geocache location details. It's free!

Watch

How Geocaching Works

Please note Use of geocaching.com services is subject to the terms and conditions in our disclaimer.

Geocache Description:


Translation
 

 

Como Registar esta Earthcache:

Esta Earthcache vai vos levar a encontrar diversos fósseis de Amonite num local pouco provável de existirem, numa rocha que foi utilizada para a construção pelo ser humano na recuperação do castelo de Ourém.

Área 1 - Rectângulo Vermelho

1 - Relativo a amonite indicada com o circulo vermelho, qual o seu diâmetro exterior?

2 - Neste rectângulo existem mais amostras de amonites?

Área 2 - Rectângulo Verde

3 - Qual o diâmetro médio das Câmaras de flutuação desta amonite?

4 - Qual o diâmetro exterior da amonite?

Área 3 - Rectângulo Azul

5 - É possível visualizares as Câmaras de flutuação esta amonite?

6 - Consegues perceber a existência do Septo neste fóssil?

7 - [OBRIGATÓRIO] Uma fotografia tua ou de algo que te identifique no GZ junto de uma amonite a tua escolha em qualquer um dos patamares!

 
1ª Amonite (Vermelho): 1 º Degrau a contar de cima, 3º Quadrilátero da Esquerda
2ª Amonite (Verde): 5 º Degrau a contar de cima, 2º Quadrilátero da Esquerda
2ª Amonite (Azul): 6 º Degrau a contar de cima, 3º Quadrilátero da Direita
 
Os fósseis (palavra derivada do termo latino fossillis que significa "desenterrado" ou "extraído da terra") são restos de seres vivos ou evidências de suas actividades biológicas preservados em diversos materiais. Essa preservação ocorre principalmente em rochas, mas pode ocorrer também em materiais como sedimentos, gelo, piche, resinas, solos e cavernas e os exemplos mais citados são ossos e caules fossilizados, conchas, ovos e pegadas.

A Paleontologia é a principal disciplina científica que utiliza fósseis como objecto de estudo, instaurada com a aceitação dos trabalhos de Georges Cuvier. Nessa área do conhecimento, os fósseis fornecem dados importantes quanto a evolução biológica, datação e reconstituição da história geológica da Terra.

A totalidade dos fósseis e sua colocação nas formações rochosas e camadas sedimentares é conhecido como registo fóssil, o qual contém inúmeros restos e vestígios fossilizados dos mais variados seres do passado geológico da Terra. Porém, apenas uma percentagem ínfima das espécies que já habitaram a Terra preservou-se na forma de fósseis, já que a fossilização é considerada um fenómeno excepcional por contrapor-se aos processos naturais de decomposição e a meteorização. Logo, as partes esqueléticas biomineralizadas, mais duras e resistentes à decomposição e à erosão, tais como dentes, conchas, carapaças e ossos, é bem mais frequente e, por isso, a esmagadora maioria do registo fóssil é constituída por fósseis deste tipo de restos biológicos.

Entretanto, restos orgânicos mais delicados e perecíveis também podem fossilizar. A preservação de matéria orgânica ou de restos esqueléticos delicados, uma vez que estes se decompõem e são destruídos rapidamente, requer condições de fossilização fora do comum que, por serem especiais, ocorrem na natureza mais raramente. Isso implica que fósseis de restos destes tipos não sejam frequentes. Em qualquer das circunstâncias, para que os restos de um qualquer ser vivo fossilizem, é fundamental que estes sejam rapidamente cobertos por um material que os preserve, geralmente sedimento.

O que determina o fóssil é a ocorrência conjunta de um resto identificável com origem biológica num contexto geológico, independentemente do seu tipo e da sua idade. Muitos autores, consideram que um fóssil é todo e qualquer resto ou vestígio de seres vivos do passado preservado em contexto geológico, qualquer que seja a sua idade. De acordo com estes paleontólogos, fixar uma qualquer data para se poder considerar se algo é ou não um fóssil é arbitrário.

Desta forma, sendo o Holoceno (menos de 11700 anos) parte do registo geológico, os restos orgânicos contidos em materiais holocénicos deverão ser considerados fósseis. Há algumas fontes, entretanto, que consideram somente os restos ou vestígios de seres com mais de 11700 como fósseis. Esta idade, calculada pela última glaciação, é a duração estimada para a época geológica do Holoceno ou recente e, quando os vestígios ou restos possuíssem menos de 11700 anos, estes autores podem denominá-los de subfósseis, termo que também pode ser visto na literatura para designar os restos biológicos que não sofreram alterações.

 
 

As amonóides (do latim científico Ammonoidea), também chamados de amonites, constituem um grupo extinto de moluscos cefalópodes surgido no período Devónico e que desapareceu na extinção K-T, no final do Cretácico que também vitimou os dinossauros.

As amonites eram animais marinhos, que ocupavam o nicho ecológico das actuais lulas. Tinham dimensões muito variáveis, desde alguns centímetros a um metro de diâmetro. O animal vivia dentro de uma concha espiralada de natureza carbonatada, semelhante à dos nautilóides actuais.

As conchas de amonite são um tipo comum de fóssil em formações marinhas do Mesozóico. Em estratigrafia, as amonites são consideradas excelentes fósseis de idade.

As amonites viviam no meio aquático e eram carnívoras, usavam os seus tentáculos como pés para se deslocarem.

 

 

 

 

 

Additional Hints (No hints available.)