Skip to content

Quinta Azul e Quinta da Estrada Traditional Geocache

Hidden : 04/27/2022
Difficulty:
1.5 out of 5
Terrain:
1.5 out of 5

Size: Size:   small (small)

Join now to view geocache location details. It's free!

Watch

How Geocaching Works

Please note Use of geocaching.com services is subject to the terms and conditions in our disclaimer.

Geocache Description:


Quinta Azul

Arquitetura agrícola, do século 20. Quinta de produção, de construção antiga, com a casa reconstruída no início do séc. 20, aglomerado por três corpos alinhados e interligados, com frente arruamento principal do entrada, marcando a O. da localidade. A propriedade encontra-se fortaleza em quatro parcelas, apoio e apoio do bosque, um jardim, uma densa área arbórea e uma casa ocupada por pomar.

Descrição

Conjunto composto por quinta de planta aproximadamente retangular, possuindo um grande eixo central no sentido NO. - SE., marcado por um muro largo em alvenaria de pedra (eventualmente com função de distribuição de água) e um outro eixo transversal a este, que une o mirante ao poço com nora, localizado junto à ribeira, no extremo da propriedade. A propriedade é assim dividida em quatro parcelas: na parcela S. situa-se a casa, estruturas de apoio e o jardim, a parcela N. apresenta um prado natural, a área NO., mais declivosa, possui uma densa mancha arbórea com olival e bosquete de pinheiros-manso, e a parcela SE. é constituída por um pomar. A casa é composta por dois corpos articulados por um corpo de menores dimensões, formando uma marquise de passagem, todos de planta retangular e de dois pisos, formando frente urbana contínua. Os edifícios dos extremos têm coberturas homogéneas, o do lado esquerdo com três águas e o direito com duas águas. Têm estruturas em alvenaria de pedra e tijolo maciço, com as paredes parcialmente rebocadas e pintadas, percorridas por socos de cantaria, o corpo do lado esquerdo com as fachadas flanqueadas por cunhais de cantaria; ambos rematam em cornijas e platibandas plenas interrompidas por métopas e encimada por urnas cerâmicas. O edifício do lado esquerdo tem a fachada principal virada a SE., com os dois pisos definidos por friso de cantaria lavrada, ondulado, motivo que se repete nos espelhos trabalhados das sacadas. A composição da fachada segue um eixo de simetria central, com o piso térreo composto por quatro janelas de peitoril e quatro portas, todos eles emoldurados a cantaria recortada de calcário. As duas portas localizadas ao centro da fachada têm perfil em arco abatido e fecho com o motivo da folhagem de louro, disposta verticalmente, articulado com duas outras folhas, da mesma planta, embora mais delgadas, decorando superiormente o lintel; as restantes portas e as janelas têm vergas retas ornamentadas por elementos em pedra calcária lavrada com motivo vegetalista, ao centro. O piso superior é composto por dois pares de janelas de sacada corrida com bacias em pedra, apoiadas em quatro mísulas decoradas e protegidas por guardas vazadas, em ferro forjado; tem quatro janelas de peitoril, duas ao centro, no alinhamento vertical das portas principais e uma junto a cada um dos extremos da fachada. O cunhal possui base composta por pedra de soco, sobrepujada de listel, bocel e caveto. A fachada lateral esquerda tem duas janelas em cada piso emolduradas a cantaria, de moldura simples no piso térreo e em arco abatido no piso superior. O corpo do lado direito tem os ângulos apilastrados e a fachada principal marcada por falsas pilastras em massa, estas rematadas superiormente por friso, cornija e platibanda interrompida por métopas. É rasgada por vãos em arcos abatidos com molduras salientes de cantaria em calcário, os correspondentes às portas com pedra de fecho saliente. O primeiro piso tem três portas, o do lado O., de maiores dimensões, surgindo, no superior, quatro janelas de varandim, protegidas por guardas em ferro. A fachada lateral direita é rasgada por dois vãos em arco abatido, correspondentes a porta, com acesso por escada exterior em betão aposta à fachada, que indicia ter sido inicialmente uma janela, e por uma janela de sacada. O corpo central tem cobertura homogénea em telhado de duas águas, funcionando como passadiço coberto entre os corpos laterais. Fachada principal voltada a SE., com o piso térreo rasgado ao centro por porta de grandes dimensões, em arco abatido e emoldurada a cantaria de calcário, com pedra de fecho lavrada, sobrepujada por peça com monograma que se prolonga até ao parapeito em cantaria do piso superior, rematando inferiormente por cinta de cantaria e por cornija no topo. A marquise é fechada por caixilharias de madeira, parcialmente desaparecidas, rematando em friso metálico, assente em consolas do mesmo material.

Descrição Complementar

A platibanda da fachada principal compreende sete módulos separados por métopas com motivo geométrico; o central, que remata superiormente a zona de entrada do edifício, é preenchido com padrão geométrico em massa, simulando uma treliça, e um monograma com as iniciais"VB", da família Vieira Borges com a data de 1906 cercado por coroa de louro e encimado por uma vieira, em massa. O pomar é dominado por laranjeiras (Citrus sinensis) e limoeiros (citrus limon), com algumas romanzeiras (Punica granatum), marmeleiros (Cydonia oblonga) e figueira (Ficus carica). O limite NO. - SO. da propriedade é ladeado, ao longo do muro alto de pedra, por uma azinhaga marginada por oliveiras. O jardim apresenta pérgula a ensombrar os caminhos, apoiada em muretes com floreiras adossadas e a ruína de uma nora em posição central. Nesta área sobressaem três plameiras-das-canárias.

Cronologia

1606 - a área edificada compõem-se de duas casas, ambas de dois pisos, e com frente para a Rua Alfredo Dinis; a parte agrícola é composta por 18 courelas de cereal e olival, aforadas a diferentes indivíduos; a casa a O., localizada no gaveto da Rua Alfredo Dinis com a Rua do Castelo Picão, possui um logradouro nas traseiras; a casa a E. encontra-se aforada ao Doutor Gaspar Barreto de Brito, Juiz do Tombo das Propriedades do Mosteiro de São Vicente de Fora e responsável pelo Tombo das Fazendas do Tojal realizado em 1606; 1660 - a casa implantada a O. encontra-se aforada a João de Magalhães, que a deixa a Simão de Oliveira da Costa. A casa implantada a E. encontra-se aforada ao Doutor Martim Leitão; séc. 19 - reconstrução do edifício, a partir das pré-existências; 1906 - obras de reconstrução, promovidas pelos proprietários, a família Vieira Borges.

Materiais

Paredes em alvenaria de pedra e tijolo maciço, rebocadas e pintadas; socos, cunhais, modinaturas, bacias e mísulas das sacadas, parapeito do passadiço em cantaria de calário; portas e janelas em madeira; frisos, mísulas e guardas em ferro; cunhais em massa; coberturas revestidas a telha cerâmica. Árvores: Araucaria (Araucaria heterophylla), cipreste (Cupressus sp.), Eucalipto (Eucaliptus sp.), laranjeira (citrus sinensis), nespereira (Eriobotrya japonica), palmeira-das-canárias (Phoenix canariensis), pessegueiro (Prunus pérsica), pinheiro-manso (Pinus pinea) e tília (Tilia tomentosa); Arbustos: buxo (Buxus sempervirens); Trepadeiras: buganvilea (Bougainvillea sp.), glicínea (Wisteria sinensis), hera (hédera hélix), madressilva (Lonicera japónica) e vinha-virgem (Parthenocissus quinquefólia).

 

Quinta da Estrada

 

Arquitetura agrícola, seiscentista e setecentista. Quinta de produção composta por casa e atravessada por uma ribeira no sentido N. - S., sendo delimitada pela própria casa e por muro, a N.. A casa é de planta retangular e evolui em dois pisos, sendo rasgada por vãos de verga reta emoldurados a cantaria de calcário.

Descrição

A quinta de configuração irregular é composta por casa, área agrícola e construções de apoio, sendo delimitada pela própria casa e anexos, e por muro no lado N., beneficiando para S. de vistas panorâmicas sobre a várzea. As construções de apoio, de um piso, implantadas marginalmente à estrada, prolongam para E., a frente construída, até ao contacto com o muro da quinta. A área agrícola da Quinta é atravessada pela ribeira de Santa Clara que corre no sentido N.S. e constitui um espaço-charneira entre os dois aglomerados vizinhos. A cota máxima de 18 m regista-se no extremo NE. da propriedade e a cota mínima de 11 m no leito da ribeira, no extremo S. Casa de planta trapezoidal, que evoluiu a partir de volume único inicial, por ampliações para S., evoluindo em dois pisos, com cobertura composta que evoluiu por ampliações de cobertura homogénea de três águas, rematadas em beiradas duplas. A estrutura é em alvenaria de pedra e tijolo maciço, com as fachadas rebocadas e pintadas de branco, com o ângulo NO. marcado por cunhal em pedra aparelhada. Os vãos são retilíneos e emoldurados a cantaria de calcário. A fachada virada a O. é composta por quatro portas no piso térreo, uma na zona de feitura mais recente, ponto onde se rasgam duas janelas de peitoril. No piso superior, quatro janelas de peitoril. A fachada virada a N. possui duas portas no piso térreo a que correspondem, no superior, duas janelas de peitoril. A fachada S. possui uma janela de peitoril no piso superior. Do lado E., encostam à casa, no mesmo alinhamento, anexos utilitários com cobertura em telhados de duas águas, rematadas em beirada simples, formando uma frente de um piso com três portas. e remata em duplo beirado. A quinta apresenta uma ocupação do solo muito simples e homogénea, com culturas de sequeiro e algumas oliveiras, identificando-se as seguintes espécies de árvores: oliveiras (Olea europeae), eucalipto de grande porte (Eucalyptus globulus), 2 pereiras (Pyrus communis,), marmeleiros (Cydonia oblonga) e 1 figueira (Ficus carica).

Descrição Complementar

No piso térreo, sobre as vergas das portas mais próximas do cunhal, registos de azulejos azul e branco, com a inscrição "MERCERIA", envolvida por moldura de acantos enrolados em torno de "ferronerie". Junto aos anexos utilitários existe um tanque de rega, de remate côncavo e capeamento a pedra.

 

Cronologia

Séc. 17 - construção da casa; 1606 - existência, no local, de um conjunto de casas sobradadas e de um só piso; a parte agrícola é constituída por uma parcela de vinha, duas de cereal e uma outra mista, de cereal e olival, para E. da Ribeira de Santa Clara, formando uma quinta murada; o limite S. separa a propriedade do Mosteiro dos terrenos da Mitra; 1660 - Joana de Campos, herda as casas e propriedades agrícolas de seu marido, Inofre Alentão, e, sendo viúva, adquire outras; 1695 - é proprietário da quinta Matias Alentão; é constituída por casas térreas e de sobrado, pomar, vinha, terra de cereal, oliveiras, árvores de espinho e uma nora; séc. 18 - reconstrução do edifício; séc. 20 - colocação de placas de azulejo, alusivas à utilização do espaço como mercearia.

 

Materiais

Paredes exteriores em alvenaria de calcário, rebocadas e pintadas; cunhal e modinaturas em cantaria de calcário; portas e janelas com caixilharias em madeira e em alumínio lacado; janelas com vidro simples; registos em azulejo; cobertura revestida com telha cerâmica de canudo.

 

Fonte textos e fotos: SIPA Sistema de Informação para o Património Arquitectónico (Site Câmara Municipal de Loures)

Additional Hints (Decrypt)

Fr Graf Byubf Cáen

Decryption Key

A|B|C|D|E|F|G|H|I|J|K|L|M
-------------------------
N|O|P|Q|R|S|T|U|V|W|X|Y|Z

(letter above equals below, and vice versa)