Skip to content

O pinheiro Traditional Geocache

Hidden : 05/06/2022
Difficulty:
5 out of 5
Terrain:
4.5 out of 5

Size: Size:   small (small)

Join now to view geocache location details. It's free!

Watch

How Geocaching Works

Please note Use of geocaching.com services is subject to the terms and conditions in our disclaimer.

Geocache Description:


Pinheiro-bravo: a conífera mais abundante em Portugal

O pinheiro-bravo é a espécie resinosa mais abundante de norte a sul do país e, além do papel socioeconómico que desempenha, as suas características ecológicas foram determinantes na história e na paisagem portuguesas. 

Árvore de grande porte que pode elevar-se até aos 40 metros de altura, com folhas em forma de agulha que se mantêm todo o ano, e raízes profundas que o tornam bastante resistente ao vento, o pinheiro-bravo é a espécie resinosa mais comum de norte a sul de Portugal e também a mais abundante das coníferas, ou seja, das plantas que produzem pinhas.

De nome científico Pinus pinaster Aiton, esta espécie de crescimento rápido e longevidade média – a sua vida não ultrapassa em muito os 200 anos – representa 22% da floresta em Portugal continental e está também presente nos arquipélagos dos Açores e Madeira.

Resistente à seca, ao frio e às geadas, o pinheiro-bravo consegue crescer em condições desfavoráveis, com exceção para a sombra, pois é intolerante ao ensombramento. Apesar de encontrar melhores condições em zonas de temperatura média anual entre 11º a 15º C. e de precipitação média anual entre 550-1200 mm (com pelo menos 100 mm no verão), consegue desenvolver-se em quase todo o país, até aos cerca de 700 a 900 metros de altitude.

O pinheiro-bravo também é tolerante a solos pobres e degradados, embora prefira os siliciosos, permeáveis, soltos e arenosos, com profundidades entre os 30 e os 60 cm, onde as raízes se podem desenvolver. Não tolera, no entanto, níveis muito elevados de salinidade ou calcário.

Esta sua adaptabilidade, a par da elevada produção de sementes, contribuiu para que tenha sido, por excelência, a espécie escolhida para a arborização das dunas litorais e dos baldios serranos, integrando as mais antigas iniciativas de florestação planeada em Portugal. Nas regiões autónomas, estas suas características têm ainda permitido a plantação de floresta em terrenos muito declivosos, como proteção contra a erosão e enxurradas.

Additional Hints (No hints available.)