Skip to Content

This cache has been archived.

Crow T Robot: Archived.

More
<

Winds of change [Arruda dos Vinhos]

A cache by slickman Send Message to Owner Message this owner
Hidden : 08/18/2004
Difficulty:
3 out of 5
Terrain:
3 out of 5

Size: Size: regular (regular)

Join now to view geocache location details. It's free!

Watch

How Geocaching Works

Please note Use of geocaching.com services is subject to the terms and conditions in our disclaimer.

Geocache Description:


        

English: if an english translation is required, send me an e-mail and I’ll be glad to mail it to you!

A zona:

 

O município de arruda dos Vinhos encontra-se numa região de transição entre a Estremadura e o Ribatejo, estando a sua sede a cerca de 30 km de Lisboa.

         Situado entre os concelhos  de Sobral de Monte Agraço, Alenquer, Vila Franca de Xira, Loures e Mafra, o conselho conta, actualmente, com uma população de 10500 habitantes, distribuídos pelas quatro freguesias que compõem o conselho.

Apesar da sua pequena área – cerca de 77 km2 - este concelho é marcado por uma paisagem de verdadeiros contrastes, que vão desde a altivez marcante dos relevos montanhosos, às pequenas extensões mais aplanadas.

A agricultura é a principal e mais importante ocupação da maioria da sua população. A reciclagem de sucatas urbanas e a metalomecânica estão bem representadas. A região é fertilíssima em todos os géneros agrícolas mas são, contudo, os seus vinhos que merecem o justo renome com que sempre foram estimados.             Pela sua excepcional composição, são de óptimo paladar e atingem com frequência elevada graduação. A zona vinícola de Arruda é característica do que Duarte Amaral chamou “a região do vinho popular”, do vinho das tabernas, do “vinho da casa” dos restaurantes regionais, do vinho de garrafão. Paralelamente fazem-se vinhos de grande qualidade. Tomemos como exemplo um dos concursos do Instituto da Vinha e do Vinho, o de 1993, que premiou o “Adega Cooperativa de Arruda”, branco, de 1990, e o “Arruda”, tinto, do mesmo ano.

 Arruda dos Vinhos é um dos municípios mais antigos do País, tendo recebido foral de D. Afonso Henriques em 1172, e de D. Manuel I, em 1517. Naquele ano, e por doação do nosso primeiro monarca, confirmada por D. Sancho I em 1186, o castelo de Arruda dos Vinhos passou a pertencer à Ordem de Santiago. A sede do concelho foi transferida em 1887 para Sobral de Monte Agraço, o que determinou grandes rivalidades entre esta vila e Arruda dos Vinhos. Em 1890 foram constituídos dois novos concelhos com sede naquelas duas terras, atéque pela reforma de 1895 foram extintos, sendo anexada Arruda ao concelho de Vila Franca de Xira. Em 1898 foram novamente restaurados, ficando o concelho de Arruda dos Vinhos sem a freguesia de Sapataria, que passou para o de Sobral de Monte Agraço.

 A bela igreja matriz da sede do concelho, cujo orago é Nossa Senhora da Salvação é monumento digno de ser apreciado sob o ponto de vista histórico, arquitectónico, decorativo e pictórico. Foi fundada cerca do ano 1.500 e tem um interessante pórtico manuelino. Deste diz José Saramago que examina a sua própria surpresa, e conclui que, tendo penetrado num mundo tão diferente em topografia e paisagem geral, estaria, inconscientemente, à espera de que fosse outra a arquitectura. Dentro a igreja é harmoniosa, com as suas colunas aneladas no fuste e os excelentes azulejos com cenas da vida de santos. Havia nesta igreja uma colegiada muito respeitada pela solenidade e devoção com que exercia as funções do culto. Compunha-se de sete beneficiados, número que no século XIII foi reduzido a seis, que conservou até ser extinta.

 É bastante fervoroso o culto a Nossa Senhora da Salvação, em todo o povo do concelho. As grandiosas festividades em sua honra são extraordinariamente concorridas de devotos. Tem esta festa tradições seculares de grandiosidade, que remontam muito provavelmente a 1531, data em que D. João III, reedificado o templo, ordenou solenes festas em acção de graças.

 Uma das figuras mais gradas e ilustres deste concelho foi a escritora portuguesa Irene do Céu Vieira Lisboa (1892-1958). Professora primária e grande pedagoga, Irene Lisboa usou os pseudónimos de João Falco e Manuel Soares. Foi autora de: “Um Dia e Outro Dia”; “O Outono Havia de Vir”; “Uma Mão Cheia de Nada e Outra de Coisa Nenhuma”; “Crónicas da Serra”, etc. Divulgadora dos modernos métodos pedagógicos, “Modernas Tendências da Educação”, publicou também um “Inquérito ao Livro Português”, obra em 2 volumes.

 

A cache:

 

         Esta é uma multicache que se estende por uma distância de cerca de 10km. Se gostarem de andar, é uma caminhada que se faz bem. As estradas são acessíveis a veículos motorizados (pelo menos até parte do caminho J) mas o ideal é mesmo uma btt – na terceira micro vão perceber por quê!

         A cache é constituída por três micros e uma cache regular.

         A primeira micro encontra-se num ponto com uma vista fantástica, pelo menos é o que acho. A busca começa á entrada da vila ao pé do posto de abastecimento da galp( N 38º 58.741 W 009º 04.609). Existe aí um parque de estacionamento (ideal para quem veio de bike e gosta (muito) de subir (muito!)). Em frente há uma primeira rotunda que deve ser contornada até fazerem 90º à esquerda (é a saída a seguir ao sentido proibido!), seguindo essa estrada irão encontrar uma segunda rotunda que deve ser novamente contornada, saindo na terceira saída (sentido Arranho, Bucelas, Santiago dos Velhos). Alguns metros mais à frente vai aparecer uma estrada á direita com uma tabuleta a indicar que a Capelã é nessa direcção (pessoal do btt, vai começar o sofrimento!). Agora não há que enganar, é sempre a subir até um cruzamento em T em que para a esquerda se vai para a Carvalha e para a direita, por terra batida (tinha de ser!) se vai ao encontro da nossa primeira etapa! Pois bem, a ajuda termina aqui e o resto é convosco! Boa sorte!

 

A cache contém:

         - Logbook e lápis

         - Folheto turístico com mapa da zona

         - Guia de turismo da região oeste

         -  As bugigangas do costume

Additional Hints (Decrypt)

1ª zvpeb - Cebpherz anf crqenf
2ª zvpeb - Qrfsnçnz b zheb(znf ibygrz n cbe ghqb ab yhtne)
3ª zvpeb - Ohenpbf aãb snygnz, cebpherz abf znvf npvzn!
pnpur - hz qbf pnyunhf grz hz ghary dhr cnffn cbe onvkb. ngenirffrz-ab cbvf r znvf snpvy fhove qb ynqb brfgr qn ebpun! cbvf é! gn znvf npvzn!
Pnzvaub n gbzne - orz, fb graub n qvmre dhr aãb vairagrz zhvgb. nf zvpebf rfgnb (dhnfr) rz yvaun!

Decryption Key

A|B|C|D|E|F|G|H|I|J|K|L|M
-------------------------
N|O|P|Q|R|S|T|U|V|W|X|Y|Z

(letter above equals below, and vice versa)



 

Find...

12 Logged Visits

Found it 5     Didn't find it 2     Write note 4     Archive 1     

View Logbook | View the Image Gallery of 27 images

**Warning! Spoilers may be included in the descriptions or links.

Current Time:
Last Updated:
Rendered From:Unknown
Coordinates are in the WGS84 datum

Return to the Top of the Page

Reviewer notes

Use this space to describe your geocache location, container, and how it's hidden to your reviewer. If you've made changes, tell the reviewer what changes you made. The more they know, the easier it is for them to publish your geocache. This note will not be visible to the public when your geocache is published.