Skip to Content

This cache has been archived.

SUp3rFM: Esta cache foi arquivada por falta de uma resposta atempada e/ou adequada. Relembro a secção das guidelines sobre a manutenção de geocache http://www.geocaching.com/about/guidelines.aspx#maint :

[quote]
As the cache owner, you are also responsible for physically checking your cache periodically, and especially when someone reports a problem with the cache (missing, damaged, wet, etc.). You may temporarily disable your cache to let others know not to hunt for it until you have a chance to fix the problem. This feature is to allow you a reasonable time – [b]normally a few weeks[/b] – in which to arrange a visit to your cache. In the event that a cache is not being properly maintained, or [b]has been temporarily disabled for an extended period of time, we may archive the listing[/b].

It may be difficult to fulfill your maintenance obligations if you place a cache while traveling on vacation or otherwise outside of your normal caching area. These caches may not be published unless you are able to demonstrate an acceptable maintenance plan. It is not uncommon for caches to go missing, areas to be cleared, trails to be blocked or closed, objects used for multi-cache or puzzles to be moved or removed, etc. [b]Your maintenance plan must allow for a quick response to reported problems.[/b]
[/quote]

Como owner, se tiver planos para recolocar a cache, por favor, contacte-me por [url=http://www.geocaching.com/email/?u=sup3rfm]e-mail[/url].

Lembro que o "desarquivamento" de uma cache, e a sua eventual consequente reactivação, passa pelo mesmo processo de análise como se fosse uma nova cache, com todas as implicações que as guidelines indicam.

Abraço e obrigado,

SUp3rFM
Geocaching.com Volunteer Cache Reviewer para Portugal.

More
<

Os Maias [Sintra]

A cache by Portelada Send Message to Owner Message this owner
Hidden : 12/05/2004
Difficulty:
2.5 out of 5
Terrain:
1.5 out of 5

Size: Size: small (small)

Join now to view geocache location details. It's free!

Watch

How Geocaching Works

Please note Use of geocaching.com services is subject to the terms and conditions in our disclaimer.

Geocache Description:

Desta vez propomos-lhe uma viagem no tempo e na literatura portuguesa, com um interessante passeio por Sintra, com base na grande obra “Os Maias”, de Eça de Queirós. Para quem não sabe, a referida obra foi publicada em 1888 e uma pequena parte da acção passa-se em Sintra.

Em pleno séc. XIX, esta vila era, entre muitas coisas, ponto de encontro para os casais apaixonados, sobretudo aqueles que, segundo a mesma sociedade, não o deveriam ser. Falamos, claro, dos amores proibidos. Esta escolha por parte das pessoas, ficava a dever-se ao facto de Sintra ser, ao mesmo tempo, afastada e próxima de Lisboa. Ou seja, era suficientemente longe dos olhares críticos e,como a viagem não era muito longa, ficava perto da capital.

Propomos-lhe, então, que se ponha a caminho desta bela vila. Não o fará, certamente, de coche, como em pleno séc. XIX, mas tem de começar, exactamente, no local onde se inicia a passagem por Sintra, na obra “Os Maias”. Para começar, damos-lhe a coordenada do primeiro ponto. A partir daí, fica por sua conta. Ou seja, o melhor é levar um papel e uma caneta, pois vai precisar de fazer algumas contas. Para encontrar a coordenada do segundo ponto, tem de fazer contas com base nas coordenadas do primeiro ponto. Para encontrar as coordenadas do terceiro ponto, tem que fazer contas com base nas coordenadas achadas do segundo ponto e assim sucessivamente, até chegar à cache que está no último ponto.

 


1º PONTO

 

Para cá chegar ainda vai precisar de um meio de transporte.

N38º 47.339 W009º 22.488

 

 

«E, a passo, o breque foi penetrando sob as árvores do ????. Com a paz das grandes sombras, envolvia-os pouco a pouco uma lenta e embalada susurração de ramagens (...).» “Os Maias”

 

Repare no curioso monumento funerário que a voz popular designa como Túmulo dos Dois Irmãos. Segundo a lenda, estão aí sepultados dois irmãos, tendo um deles, sem o saber e movido por ciúmes, assassinado o outro, suicidando-se a seguir, depois de conhecer a identidade da vítima. Mas a realidade parece ser bem diferente: a abertura do túmulo, em 1830, a mando de D.Manuel revelou a existência de apenas um corpo que, segundo as teses mais plausíveis, embora ainda incomprovadas, trata-se de D. Luís Coutinho, bispo de Viseu, mais tarde de Lisboa, que teria falecido em Sintra, vítima de lepra, em meados do séc. XV.

É de referir, ainda, que o túmulo se encontrava, inicialmente, no cemitério, local que hoje é ocupado pelo campo de futebol. Optamos por este monumento por mero interesse, pois o mesmo não é referido na obra.

 

Para chegar ao ponto seguinte, precisa de fazer algumas contas:

 

Coordenada N - Divida por quatro a data em que o monumento foi restaurado. Ao total some 22. Some o resultado obtido à cordenada N do primeiro ponto.

 

Coordenada W - Pegue no último algarismo da data e divida-o pelo nº de irmãos. Some 1000. Pegue no total e some à coordenada W do primeiro ponto.

 

 

Se chegou até à vila de carro, recomendamos que o estacione, e que faça o percurso a pé.

 


2º PONTO

 

Se fez bem as contas, chegou a um hotel que nem sempre teve o nome que tem hoje. Até 1977, aqui funcionava o Hotel Nunes, um dos três hoteis onde os apaixonados se hospedavam. Um era o Hotel Victor, que já não existe, e o outro, que ainda existe, não lhe podemos dizer já o nome, pois vai até lá no 5º ponto

 

«- Nós não vamos para (...) – disse Carlos, saindo bruscamente do seu silêncio e espertando os cavalos.

- Vamos para o Nunes, estamos lá melhor!» “Os Maias”

 

Quer continuar? Se respondeu afirmativamente, mais contas terá de fazer. De frente para a porta principal:

 

Coordenada N - Retire à coordenada N do primeiro ponto, metade das estrelas.

 

Coordenada W - Multiplique por dois o nº de varandas, ao qual deve somar o nº de lâmpadas que estão por baixo do telheiro e, de seguida, retirar o nº de hastes das bandeiras. Pegue no total e diminua à coordenada W do primeiro ponto.

 


3º PONTO

 

Depois de ler o excerto que se segue, certamente, irá perceber se acertou nas contas, pois é fácil perceber a que monumento é que Cruges de refere.

 

«E foi o que mais lhe (Cruges) agradou – este maciço e silencioso ???, sem florões e sem torres, patriarcalmente assentado entre o casario da vila, com as suas belas janelas manuelinas que lhe fazem um nobre semblante real (...).» “Os Maias”

 

Se estiver de frente para uma fonte, é bom sinal, pois está no bom caminho.

 

Coordenada N - Multiplique por sete o nº de saídas de água da fonte e retire o valor que obteu, à coordenada N do terceiro ponto.

 

Coordenada W - Multiplique o nº de arcos pelo nº de candeeiros que estão pendurados no tecto para lá dos arcos. Multiplique o total por dois e some o resultado à coordenada W do terceiro ponto.

 


4º PONTO

 

«Na praça, por defronte das lojas vazias e silenciosas, cães vadios dormiam ao sol. Através das grades da cadeia, os presos pediam esmolas (...).» “Os Maias”

 

Não vai acreditar, mas se fez bem as contas, está de frente para a antiga Cadeia da Comarca. O edifício foi erguido no séc. XIX, para instalar os condenados da região saloia. No entanto, o facto dos presos incomodarem os transeuntes com palavras e gestos desagradáveis, fez com que a população da vila se manifestasse contra a sua localização e pedissem a sua transferência para uma zona mais isolada. E assim aconteceu. Em 1911 inicia-se a adaptação do edifício para o que hoje aí funciona. Não quer desistir, pois não? Então siga as nossas indicações.

 

De frente para as portas:

 

Coordenada N - Multiplique por dois o nº da porta impar, ao valor obtido some o nº de arcos mais o nº de círculos em pedra. Retire o valor obtido à cordenada N do quarto ponto.

 

Coordenada W - Some as duas portas pares e multiplique por dois. Pegue no total e some duas vezes o nº de quadrados em pedra. Some o total à coordenada W do quarto ponto.

 


5º PONTO

 

>

 

«- ??? onde é? Na serra? – perguntou ele, (Cruges) com a ideia repentina de ficar ali um mês naquele paraíso.» “Os Maias”

 

Se tudo estiver a correr bem, está perante o hotel mais antigo da Península Ibérica. Nascido em 1764 com o actual nome, transformou-se em Hospedaria Inglesa em 1850. Foi depois vendido ao Srº Miguel Gallway que aumentou o edifício para, em 1900, alugar uma parte para ser usada como pastelaria, onde se fabricaram os primeiros pastéis de feijão. Em 1935 foi comprado por uma senhora checoslovaca que abriu o hotel em 1949 como Estalagem dos Cavaleiros, que viria a encerrar em 1961. Em 1989 é adquirido pela família holandesa Bos e reerguido até à presente data para mais uma vez se chamar ????.

 

Para avançar, mais contas tem de fazer:

 

Coordenada N - O que é que costuma haver em cima dos telhados? Chaminés! Procure uma, com uma data. Pegue no terceiro algarismo e multiplique-o pelo último algarismo. Ao total obtido tire o número formado pelos dois primeiros algarismos. Pegue no total obtido e some à coordenada N do quinto ponto.

 

Coordenada W - Os três últimos algarismos da data formam um número. Divida-o por três. Ao total, some 58. Ao valor obtido some a coordenada W do quinto ponto.

 

CURIOSIDADE: Antes de avançar, dê uma vista de olhos para o pequeno quintal que está do outro lado da estrada e que tem o nº 23. Se olhar bem, ainda consegue ver algumas argolas, em ferro, numa das paredes interiores. Era neste espaço que ficavam os burros que antigamente transportavam os turistas até ao castelo.

 


6º PONTO

 

«Eram duas horas quando os dois amigos saíam enfim do hotel, a fazer esse passeio a ???? – que desde Lisboa tentava tanto o maestro.» “Os Maias”

 

Não desista...Está quase a chegar ao fim. Agora, deve estar perante um majestoso edifício, construído no último quartel do séc. XVIII por Daniel Gildemeester, então consul da Holanda em Portugal. Nos finais desse século, foi vendido ao Marquês de Marialva, D. Diogo Vito, que acrescentou, à primitiva construção, o corpo do lado nascente e o majestoso arco triunfal, encimado pelo brasão real e um medalhão que contém as efiges de D. João VI e D. Carlota Joaquina.

 

Pois é, que pena...estas são as últimas contas que precisa de fazer para chegar à cache:

 

Coordenada N - Multiplique o nº de estrelas pelo nº de candeeiros que vê na fachada principal. Pegue no total e multiplique-o pelo nº de efíges que estão no medalhão do arco. Ao total obtido some 11. Pegue no valor obtido e diminua da coordenada N do sexto ponto.

 

Coordenada W - Multiplique o nº de estrelas pelo nº de candeeiros que vê na fachada principal. Pegue no total e some o nº que associamos ao azar. Pegue no total e diminua da coordenada W do sexto ponto.

 


ÚLTIMO PONTO - CACHE

 

Agora é só procurar. Damos-lhe uma pista: quando o muro do lado norte deixa de ser liso.

 

Conseguiu? Parabéns! Esperemos que tenha gostado deste passeio. Agora, recomendamos que regresse à vila e restabeleça a energia perdida, saboreando os deliciosos travesseiros de Sintra.

 

 


Would you like to know more about Geocaching in Portugal ?
Join the discussion group and visit Geocaching@PT

Additional Hints (Decrypt)

N pnpur rfgá ngeáf qr hzn crqen, n prepn qr 1 zrgeb qr nyghen !!!

Decryption Key

A|B|C|D|E|F|G|H|I|J|K|L|M
-------------------------
N|O|P|Q|R|S|T|U|V|W|X|Y|Z

(letter above equals below, and vice versa)



 

Find...

110 Logged Visits

Found it 75     Didn't find it 7     Write note 22     Archive 1     Post Reviewer Note 1     Temporarily Disable Listing 2     Enable Listing 1     Needs Maintenance 1     

View Logbook | View the Image Gallery of 83 images

**Warning! Spoilers may be included in the descriptions or links.

Current Time:
Last Updated:
Rendered From:Unknown
Coordinates are in the WGS84 datum

Return to the Top of the Page

Reviewer notes

Use this space to describe your geocache location, container, and how it's hidden to your reviewer. If you've made changes, tell the reviewer what changes you made. The more they know, the easier it is for them to publish your geocache. This note will not be visible to the public when your geocache is published.