Skip to Content

Traditional Geocache

Epigenia do Ceira

A cache by Geógrafo e Grade Send Message to Owner Message this owner
Hidden : 3/19/2005
In Coimbra, Portugal
Difficulty:
4 out of 5
Terrain:
4 out of 5

Size: Size: regular (regular)

Join now to view geocache location details. It's free!

Watch

How Geocaching Works

Please note Use of geocaching.com services is subject to the terms and conditions in our disclaimer.

Geocache Description:


Esta cache leva-lo-á à Epigenia do Ceira, também conhecida por Epigenia da Sra. da Candosa.
Epigenia - Fenómeno conducente à formação de vales epigénicos. O mesmo que sobreimposição.
Vd. EPIGÉNICO (VALE). Epigénico (Vale) ou Epigenite - Vale originado por curso de água cujo percurso se iniciou através de formação de cobertura, facilmente erodível, mas que, ao atingir formações subjacentes, mais antigas e mais duras, continuou a erodi-las e a
encaixar-se nas mesmas. O canhão quartzítico da Senhora da Candosa, com cerca de 100 metros de profundidade, rasgado pelas águas do rio Ceira é um dos mais belos e interessantes locais do percurso do rio Ceira.

O acesso faz-se pela estrada N342-3 que liga Serpins a Vila
Nova do Ceira. Quando vir a placa a indicar o miradouro da Sra. da
Candosa, vá dar uma espreitadela para ter uma perspectiva do que o
espera. Provavelmente irá pensar duas vezes antes de continuar para
a cache... Não se assuste! Volte à estrada e continue até chegar a
uma ponte. Atravesse a ponte e corte na segunda estrada à direita
(a primeira leva-o a Ribeira da Fundeira). Esta estrada de terra
foi aberta para fazer a ligação de comboio entre Serpins e Arganil,
tendo o projecto sido abandonado devido à dificuldade em terminar o
túnel paralelo à epigenia e através da crista quartzítica, por onde
o comboio deveria passar. Estacione o carro no Ponto 1 em 40º 10'
587'' - 008º 10' 493''. O fenómeno à sua frente é a Epigenia do
Ceira. Daqui para a frente tem duas hipóteses: ou leva um barquito
de borracha ou terá de passar pelo túnel que se avista logo à
chegada.

É necessário deixar bem claro algumas recomendações para quem quer fazer esta cache:
1 - Não leve crianças para além do Ponto 1. O terreno é mesmo muito perigoso, principalmente se tiver
chovido. Nesse caso aumente o grau de dificuldade do terreno para 5.
2 - Evite ir sozinho. 3 - Boa forma física é indispensável.
Dependendo do trilho por que optar, provavelmente terá de fazer
pequenos exercícios de escalada. 4 - Se optar pelo túnel lembre-se
de marcar o ponto de saída do outro lado no GPS para poder
regressar. Provavelmente irá perder-se! 5 - Não faça, de maneira
nenhuma, esta cache durante a noite! Para além de perder o
espectáculo da paisagem, estará a correr um grande risco. A cache é
um tuperware com 13x13cm que está dentro de um saco preto. A carta
militar 1/25000 da área tem o número 242. Para fazer a cache isto é
tudo o que precisa de saber. Mas se quiser uma explicação mais
académica sobre a epigenia, leia o texto seguinte. Boa caçada!
Epigenia do Ceira O Mondego e o Ceira que só no Quaternário s.s.
definiram os seus cursos, atravessam por antecedência, em gargantas
de perfil extremamente tenso, o Maciço Marginal de Coimbra. O
problema consiste em decidir que lugar se há-de fazer à tectónica
quaternária e à erosão, comandada pelas oscilações do nível de
base, na interpretação deste relevo jovem. A bela garganta do
Cabril do Ceira, onde este rio corta a barra quartzítica que
prolonga a serra do Buçaco, vendo-se que atravessou toda a
espessura dos depósitos que afloram na proximidade, até serrar as
bancadas de rocha dura, é certamente uma das epigenias mais
demonstrativas do mundo. Infelizmente o rebordo marginal opõe um
obstáculo sério a qualquer correlação com o que se passou do lado
do mar. Este, no Pliocénico, cobria toda a extensão de terrenos da
orla e talhou, no maciço antigo, arribas vigorosas. Um testemunho
está milagrosamente conservado ma mata de São Pedro, perto de
Pampilhosa do Botão, a 260 m (areias marinhas e rebolos do pé da
arriba). Uma bela aplanação, admiravelmente conservada no quartzito
e prolongada pelos cimos regulares do xisto, se não foi talhada
pelo mar sofreu o seu retoque ou estabeleceu-se em função do nível
de base de então. Só uma restituição minuciosa deste litoral, ou
melhor, dos litorais sucessivamente embutidos, permitiria partilhar
o que pode imputar-se ao eustatismo e o que resulta de deformações
posteriores. Extraído de: Excursão à Estremadura e Portugal Central
- Orlando Ribeiro. “Finisterra. Revista Portuguesa de
Geografia”. Lisboa, vol.3, nº 6 (1968), p.283-287.

Additional Hints (Decrypt)

N pnpur "qbezr" pbz bf zbeprtbf.
(Gur pnpur "fyrc" jvgu gur ongf)

Decryption Key

A|B|C|D|E|F|G|H|I|J|K|L|M
-------------------------
N|O|P|Q|R|S|T|U|V|W|X|Y|Z

(letter above equals below, and vice versa)



 

Find...

288 Logged Visits

Found it 236     Didn't find it 22     Write note 30     

View Logbook | View the Image Gallery of 277 images

**Warning! Spoilers may be included in the descriptions or links.

Current Time:
Last Updated: on 11/15/2017 3:58:09 PM (UTC-08:00) Pacific Time (US & Canada) (11:58 PM GMT)
Rendered From:Unknown
Coordinates are in the WGS84 datum

Return to the Top of the Page