Skip to content

This cache has been archived.

MightyREV: Esta geocache foi arquivada por falta de uma resposta atempada e/ou adequada perante uma situação de falta de manutenção.
Relembro a secção das Linhas de Orientação que regulam a manutenção das caches:

O dono da geocache é responsável por visitas à localização física.

Você é responsável por visitas ocasionais à sua geocache para assegurar que está tudo em ordem para funcionar, especialmente quando alguém reporta um problema com a geocache (desaparecimento, estrago, humidade/infiltrações, etc.), ou faz um registo "Precisa de Manutenção". Desactive temporariamente a sua geocache para que os outros saibam que não devem procurar a geocache até que tenha resolvido o problema. É-lhe concedido um período razoável de tempo - geralmente até 4 semanas - dentro do qual deverá verificar o estado da sua geocache. Se a geocache não estiver a receber a manutenção necessária ou estiver temporariamente desactivada por um longo período de tempo, poderemos arquivar a página da geocache.

Se no local existe algum recipiente por favor recolha-o a fim de evitar que se torne lixo (geolitter).

Uma vez que se trata de um caso de falta de manutenção a sua geocache não poderá ser desarquivada. Caso submeta uma nova será tido em conta este arquivamento por falta de manutenção.


MightyREV
Community Volunteer Reviewer
Centro de Ajuda|Trabalhar com o Revisor|Revisões mais rápidas|Linhas Orientação|Políticas Regionais - Portugal

More
<

Lost in Cabeça [Seia]

A cache by Geógrafo Send Message to Owner Message this owner
Hidden : 05/17/2006
Difficulty:
1.5 out of 5
Terrain:
2.5 out of 5

Size: Size:   small (small)

Join now to view geocache location details. It's free!

Watch

How Geocaching Works

Please note Use of geocaching.com services is subject to the terms and conditions in our disclaimer.

Geocache Description:

ENG: If you need an english translation on this cache, please call me by email.


LOST IN CABEÇA

Localizada numa vertente de declive bastante acentuado, cujo vale bastante encaixado chega a atingir mais de 1000 metros de altura, a aldeia de Cabeça apresenta um conjunto de áreas de enorme riqueza em termos de flora e de fauna. No que diz respeito à fauna, encontram-se aqui o Javali, Perdiz, Raposa, Coelho Bravo, Melro, Pintassilgo, Pardal, Tritão, Salamandra e até à algumas décadas atrás o Lobo. A nível piscícola, caracteriza-se pela Enguia, Bordalo e a Truta, que encontram nas águas cristalinas e quase isentas de poluição.

A floresta local é alta, quer pelas macrofanerófitas, quer por algumas megafanerófitas. Possui dois estratos arbóreos, um arbustivo e é raramente herbáceo. A folha cai, devido ás baixas temperaturas de Inverno e à fraca luminosidade, derivada da grande inclinação dos raios solares. Contudo podemos também encontrar bastantes espécies pertencentes à floresta Mediterrânea, como é o caso do Rosmaninho, Alecrim e da Oliveira.
É de salientar também a enorme mancha de Azevinho, existente na parte umbrica, localizada na vertente oeste do vale, junto à ribeira. Entre várias espécies, podemos encontrar no local o Pinheiro Bravo, Carqueja, Medronheiro, Oliveira, Sobreiro, Carvalho Alvarinho, Silva, Castanheiro, Nogueira, Carvalho Negral e Alecrim.

A litologia de Cabeça caracteriza-se maioritariamente por rochas metamórficas, designadamente Xistos mosqueados, Quartzitos e Xistos argilosos, cujo período geológico data do Câmbrico ao Pré-câmbrico, bem como alguns afloramentos de granito carregado de sílica. Contudo, desde o chamado "Povo", começando mais ou menos no largo da Igreja Nova até à Vinha da Redonda, ocupando 250 metros de largura e cujo comprimento de 1000 metros se estende até ao cimo do Souto, a composição é de um granito gnássico muito duro, alcalino e com forte presença de sílica.
A abundância de precipitação, deriva dos ventos de sudoeste e de oeste com origem no Oceano Atlântico que ao encontrarem a barreira orogénica adjacente, descarregam a sua humidade sob forma de precipitação. Contudo, embora a precipitação se encontre entre os 1400 e 1600mm anuais, apenas 3 ou 4% dessa mesma é aproveitada para rega ou consumo. De facto, a grande maioria deriva para o escoamento superficial, e para a evapotranspiração cujos valores se situam entre os 600 e 700mm anuais, e uma pequeníssima parte para os aquíferos. Estes são muito fracos em temos de capacidade de carga e pouco abundantes, dada a litologia cuja meteriorização originam argilas impermeáveis, que impedem que a água se infiltre.
Durante o ano, os contrastes térmicos são bastante acentuados, atingindo por várias vezes temperaturas negativas no Inverno, temperaturas na ordem dos 40ºC no Verão, quando as condições sinópticas são favoráveis.

A RIBEIRA
A ribeira da Cabeça integra-se no curso da Ribeira de Loriga. Escorre desde o Covão do Meio, a 1800 m de altitude, e desce pela Garganta de Loriga.
Bebendo o néctar do degelo, goteja sobre Loriga, gorgoleja no sopé da Feiteira e serpenteia pelas fragas do Serapitel, num sussurro quase imperceptível, só quebrado pelo frigir de pequenas cascatas. A partir daqui, entra no limite da Cabeça, espraiando-se e rebordando as montanhas da Feiteira e da Barroca Seca. A partir daqui pode-se entrar no leito da ribeira, "ao cachapuz" (termo local: andar ao "cachapuz" - Corta-mato pelo leito da ribeira). Seguindo pelo Ramil, Outeiro Barreiro e Fontanheiras, até ao Ramalhão chega-se extenso areal do açude do Córatão, onde a água se espraia numa imagem bucólica de impressionante beleza, recheada de estruturas naturais que reclamam a construção urgente de uma praia fluvial.
Continuando pela Fanjã até aos açudes do Poço da Ponte e das Vinhas da Ribeira, rodeada de Salgueiros, Freixos, Castanheiros, Azevinho e outra vegetação luxuriante, a ribeira gorgoleja serenamente ao longo do Outeiro da Várzea, de rebolo em rebolo, até à Barroca da Feiteirinha, movendo rodas e pedras de moinhos ancestrais. Transposto o sítio do Penedo, a ribeira abandona o limite da Cabeça, rumo ao Casal do Rei, Muro e Vide.
A água é límpida, cristalina e rica em bogas, bordalos, trutas e enguias.

A CACHE
A cache foi colocada num dia de trabalho de campo do Projecto TERRISC, do qual a freguesia de Cabeça é uma das áreas de estudo e onde existe uma 'parcela de erosão', que visa contabilizar e caracterizar a erosão hídrica em socalcos agrícolas.
O acesso à cache faz-se pelo caminho de terra (só transitável a pé!) localizado em N 40º 19.284' W007º 44.163'. O estacionamento não é fácil, visto que este acesso fica quase em cima de uma curva, por isso, muito cuidado!
Deixando para trás o alcatrão e seguindo pelo acesso referido, siga sempre em frente até localizar uma cortada à direita, estreita e com escadas, entre duas casas de xisto. Siga por aí, mesmo que tenha de molhar as solas. Se tiver sorte, é isso que vai acontecer (!), pois irá assistir ao vivo à movimentação de águas entre as "levadas", que transbordam para os caminhos regularmente.
Aquando da colocação da cache, todo o percurso para baixo foi feito em cima de água que escorria pelo caminho, mas quando voltei para cima, o piso estava (quase!) seco, porque as "levadas" são reguladas por um rudimentar sistema de mini-barragens de madeira que tinham sido alteradas, (graças, creio eu, a uma simpática anciã que nos viu passar para baixo e teve pena de nós!). Assim, se descer quando houver água no caminho acrescente uma estrela à dificuldade, pois é muito fácil "dar um bate-cú-no-chão". Leve calçado apropriado! No entanto se o caminho estiver seco, qualquer pessoa palmilha as três centenas de metros necessárias.
A partir da cortada à direita é sempre a descer até avistar a magnífica ponte de xisto (não catalogada pelo IPAR!!!) que liga as duas margens da ribeira. Chegando à ponte, siga o GPS.
A cache é uma pequena caixa (7,5cmx5cmx5cm) com um mini-log book (recuperado de um outro projecto falhado :))) e os itens habituais para troca.
Faça a cache, tire fotos e deixe tudo como estava. Lembre-se que o local está assim à muitos anos, e que já estava abandonado antes de haver geocaching, mas relativamente preservado e que é assim que deve continuar.

Depois de fazer a cache, aventure-se "ao cachapuz" pela ribeira. Apesar de não haverem PR's marcados, irá descobrir sítios fantásticos para passear por entre socalcos agricultados e outros abandonados com as típicas casas de xisto que hoje em dia apenas albergam fantasmas e memórias de outros tempos.
Se necessitar de carta militar da zona ou ortofotomapa para se aventurar, contacte-me por email.












                 

Textos adaptados de:
http://pwp.netcabo.pt/0319566602/terrisc/
http://cabeca.no.sapo.pt/
http://www.jf-cabeca.pt/

Additional Hints (Decrypt)

Fhon r cebpher qb ynqb qr sben

Decryption Key

A|B|C|D|E|F|G|H|I|J|K|L|M
-------------------------
N|O|P|Q|R|S|T|U|V|W|X|Y|Z

(letter above equals below, and vice versa)