Skip to Content

Reviewer notes

Use this space to describe your geocache location, container, and how it's hidden to your reviewer. If you've made changes, tell the reviewer what changes you made. The more they know, the easier it is for them to publish your geocache. This note will not be visible to the public when your geocache is published.

This cache has been archived.

btreviewer: Esta cache foi arquivada por falta de uma resposta atempada e/ou adequada perante as situações relatadas. Relembro a secção das guidelines sobre a manutenção http://support.groundspeak.com/index.php?pg=kb.page&id=307#maint :

[quote]
You are responsible for occasional visits to your cache to maintain proper working order, especially when someone reports a problem with the cache (missing, damaged, wet, etc.). You may temporarily disable your cache to let others know not to search for it until you have a chance to fix the problem. This feature is to allow you a reasonable amount of time – normally a few weeks – in which to check on your cache. If a cache is not being maintained, or has been temporarily disabled for an unreasonable length of time, we may archive the listing.

Because of the effort required to maintain a geocache, we ask that you place physical caches in your usual caching area and not while on a vacation or business trip. It is best when you live within a manageable distance from the cache placements to allow for return visits. Geocaches placed during travel may not be published unless you are able to demonstrate an acceptable maintenance plan, which must allow for a quick response to reported problems. An acceptable maintenance plan might include the username of a local geocacher who will handle maintenance issues in your absence.[/quote]

Como owner, se tiver planos para recolocar a cache, por favor, contacte-me por [url=http://www.geocaching.com/email/?u=btreviewer]e-mail[/url].

Lembro que a eventual reactivação desta cache passará pelo mesmo processo de análise como se fosse uma nova cache, com todas as implicações que as guidelines actuais indicam.

Se no local existe algum container, por favor recolha-o a fim de evitar que se torne lixo (geolitter).

Obrigado

[b] btreviewer [/b]
Geocaching.com Volunteer Cache Reviewer

[url=http://support.groundspeak.com/index.php?pg=kb.page&id=77][i][b]Work with the reviewer, not against him.[/b][/i][/url]

More

Multi-cache

Vale de Seiça - Seiça Valley [Figueira da Foz]

A cache by SP Team Send Message to Owner Message this owner
Hidden : 8/30/2006
Difficulty:
2 out of 5
Terrain:
1.5 out of 5

Size: Size: micro (micro)

Join now to view geocache location details. It's free!

Watch

How Geocaching Works

Please note Use of geocaching.com services is subject to the terms and conditions in our disclaimer.

Geocache Description:

PT - O Vale de seiça fica situado a cerca de 15 km da Figueira da Foz, direção Sul. Seguir para Paião, depois Copeiro e por fim Seiça.
ENG - Seiça is near Figueira da Foz, about 15 km away. Drive south and look for Paião, then Copeiro and finally Seiça.

O Vale de Seiça

Seiça tem uma história provida de interesse, que se cruza com os Mouros, D. Afonso Henriques, a Ordem de Cister e o arroz.
Seiça é um sítio divino, mágico, onde habita Santa Maria de Seiça, que podemos visitar na sua capela, e onde existe um convento em ruínas, que urge ajudar a não cair de vez. Foi habitado por monges da Ordem de Cister e, desde o séc. XIX, pela família Carriço, que o utilizou como fábrica de descasque de arroz e construiu ainda no local três vilas. Trata-se pois, com três casas, um convento, uma capela, três fontes, campos de arroz e de milho, uma ribeira e os seus canais, sapais e algumas zonas pantanosas, não de uma aldeia, talvez de um sítio, onde os monumentos e as casas se misturam num eco sistema rico e cheio de vida.

A Capela

A esta capela dedica a população uma grande devoção, que se revela nas Festas de Nossa Senhora de Seiça, comemoradas anualmente a 15 de Agosto. É uma construção de forma octogonal, de estilo barroco, datada do séc. XVII. O edifício está coberto por uma cúpula oitavada e no seu interior podem ser apreciadas algumas telas de tema religioso, de cariz popular, e azulejos de fabrico de Coimbra. É classificado como Imóvel de Interesse Público, desde 1970.
É a única capela octogonal da Península Ibérica. O exterior terá sido edificado pelo Abade João, em 850.
Seria, contudo, reconstruído no reinado de D. Afonso Henriques ou de D. Sancho I. No interior encontram-se sete painéis pintados que representam a história dos degolados. E também azulejos de D. Maria. A capela é local de vários rituais religiosos, como a festa das fogaças.
Situada num largo em frente ao Convento de Seiça, a capela actual não é já a original, que remonta a sua história a tempos muito antigos, intimamente ligada à lenda do abade João de Lorvão. Tendo esta ruído em 1590, foi construída a actual, em 1602, pelo abade Frei Manuel das Chagas, vindo a receber nova reforma durante o século XVIII. Trata-se de uma capela muito elegante e bem proporcionada, de planta e cúpula octogonal, exteriormente envolvida por uma colunata de colunas dóricas que suportam o entablamento, sendo substituídas nos ângulos por pilares. A porta de entrada da capela tem inscrito na verga o ano de 1602, tendo o corpo mais duas portas laterais e janelas, reforma do século XVIII. Também o interior da capela se mostra muito interessante, com as suas esculturas, salientando-se a Virgem com o Menino, ainda do séc. XIV, fazendo referência à lenda da capela primitiva, o retábulo de madeira, os azulejos de fabrico coimbrão a as telas que ilustram a gesta do abade João, tudo datado da segunda metade do séc. XVIII.

O Convento

A fundação deste mosteiro data do séc. XII, altura em que entrou para a Ordem de Cister, quando D. Sancho I o doou ao mosteiro de Alcobaça. A construção foi levada a cabo pelo arquitecto Mateus Rodrigues, durante finais do séc. XVI, início do séc. XVII. Em 1834, com a extinção das ordens religiosas, o edifício foi vendido a particulares que o aproveitaram para instalar uma unidade industrial de descasque de arroz. O recheio foi então levado, tendo grande parte desaparecido, salvando-se a que foi aproveitada para outras igrejas dos arredores.
Das ruínas que hoje encontramos, não deixamos de ser surpreendidos pela imponente fachada da igreja. De traçado austero, bem ao tipo das construções da época dos grandes estaleiros do reino, impõe-se pela sua projecção no isolamento do local. A fachada é constituída por um corpo central sem frontão, dividido em três registos verticais, com nicho, encimados pelo arco semicircular do janelão. A entrada é feita por um átrio de três arcadas que dá acesso à porta da igreja, com decoração setecentista. É ladeada por duas torres que ultrapassam a altura da fachada com os seus remates bulbosos que testemunham as reformas efectuadas no século XVIII.
O interior, bastante alterado com a posterior utilização do edifício, obedeceria ao traçado das igrejas beneditinas, com nave única para a qual se abriam as capelas laterais. Todo este espaço se encontra actualmente em degradação, revelando mais do teor industrial que albergou, do que do espaço religioso para que foi construído. O coro-alto, cúpula, capela-mor e transepto há muito que ruíram. Do claustro, ligado lateralmente à igreja, apenas se conservam duas alas, com arcos redondos sobre pilares quadrados no piso térreo e, na galeria superior, com colunas dóricas a suportarem o entablamento.
O corpo do mosteiro mantém algumas das dependências dos religiosos, com as celas e provavelmente a sala do refeitório, livraria e outras, que entretanto foram sendo utilizadas e alteradas para outros fins, retirando-lhes o traçado original. A fachada é constituída por um corpo comprido, separado verticalmente por pilastras, abrindo-se em cada registo uma janela rectangular de avental. Do lado oposto ao do corpo do mosteiro, ergue-se imponente a chaminé de tijolo burro que serviu à fábrica de descasque de arroz, e que marca pois o contraste de duas realidades e vivências distintas: a religiosa e a industrial. A originalidade deste monumento reside, efectivamente no contraste dos opostos, construindo uma realidade cunhada por mundos e épocas diferentes entre si.

A Cache / The Cache

1.
[PT] A coordenada inicial aponta para a Capela de Santa Maria de Seiça. Para encontrar a cache final deverá observar a capela e contar o n.º de lados da mesma o n.º de portas e janelas.
[Eng] The initial coordinates points to the Chapel of Santa Maria of Seiça. To find the final cache you must see the chapel and cont the number of sides of the chapel, nr. of doors and windows.

2.
[PT] Coordenadas da Cache final:
N 40º 02.500+[(P+J)X(3xP)]+6 , W 000+Lº 47.26x(P+J)
Onde:
L = n.º Lados
J = n.º Janelas
P = n.º Portas
[Eng] Coordinates of the final Cache:
N 40º 02.500+[(P+J)X(3xP)]+6 , W 000+Lº 47.26x(P+J)
Where:
L = nr. of sides
J = nr. of windows
P = nr. of doors

Additional Hints (Decrypt)

CG-An sbagr nf crqenf nytb rfpbaqrz.
RAT-Va gur sbhagnva gur ebpxf uvqrf fbzrguvat.

Decryption Key

A|B|C|D|E|F|G|H|I|J|K|L|M
-------------------------
N|O|P|Q|R|S|T|U|V|W|X|Y|Z

(letter above equals below, and vice versa)



 

Find...

  • A CapelaA Capela da da Santa Maria de Seiça é unica na Peninsula Ibérica.
  • O Convento O Conveto de Seiça continua em pura degradação.
  • O ValeO vale e a sua beleza peculiar.

271 Logged Visits

Found it 236     Didn't find it 16     Write note 2     Archive 1     Needs Archived 5     Publish Listing 1     Needs Maintenance 8     Owner Maintenance 2     

View Logbook | View the Image Gallery of 65 images

**Warning! Spoilers may be included in the descriptions or links.

Current Time:
Last Updated: on 11/15/2017 3:26:35 PM (UTC-08:00) Pacific Time (US & Canada) (11:26 PM GMT)
Rendered From:Unknown
Coordinates are in the WGS84 datum

Return to the Top of the Page