Skip to content

This cache has been archived.

garri: As there's been no cache to find for months, I'm temporarily archiving this to keep it from continually showing up in search lists. Just contact us when you have the cache repaired, and assuming it still meets the guidelines, we'll be happy to unarchive it.

Luis Garrido
geocaching.com volunteer reviewer

Please respond via my profile http://www.geocaching.com/email/?u=garri

More
<

A Brief History of Cartography

A cache by Geógrafo Send Message to Owner Message this owner
Hidden : 10/08/2006
Difficulty:
1.5 out of 5
Terrain:
2.5 out of 5

Size: Size:   regular (regular)

Join now to view geocache location details. It's free!

Watch

How Geocaching Works

Please note Use of geocaching.com services is subject to the terms and conditions in our disclaimer.

Geocache Description:


A BRIEF HISTORY OF CARTOGRAPHY
Esboço representativo do mapa encontrado em Ga Sur

INTRODUÇÃO
Desde os tempos mais remotos que o homem, vivendo em grupos que se deslocavam continuamente , à procura de meios de subsistência ou em actividades guerreiras, sentiu necessidade de conservar informações sobre os caminhos percorridos e as suas direcções e de as transmitir a outros. Desta necessidade surgiram os primeiros esboços representando a superfície da Terra, isto é, os primeiros mapas.
Ainda hoje, qualquer pessoa que não saiba ler, mas a quem se pergunta qual o melhor caminho para ir a um lugar, é capaz de fazer um esboço, mostrando o caminho a seguir, os factos importantes que existam ao longo do percurso e os principais obstáculos, pelo que se pode considerar que fazer mapas é uma aptidão inata da humanidade.
O PRIMEIRO MAPA
O mapa mais antigo de que se tem conhecimento foi encontrado nas escavações da cidade de Ga Sur, 300 Km a norte da Babilónia, e data de 2500 a.C..
É uma pequena placa de argila, representando o vale de um rio, provavelmente o Eufrates, com uma montanha de cada lado e desaguando por um delta de três braços. Além desta, foram encontradas outras placas, representando povoações ou mesmo toda a Babilónia, o que mostra a importância que a cartografia tinha na antiguidade.
Segundo a concepção que então existia, a Terra era plana, com a forma de um disco e constituída por uma massa continental que flutuava na água, com a abóbada celeste por cima.
A expansão política, comercial e marítima dos povos do mediterrâneo levou à elaboração de mapas marítimos e, sobretudo, à descrição de lugares e de povos. Estas descrições, denominadas "périplos" (navegar em redor), são sobretudo conhecidas pelas referências feitas pelos escritores da antiguidade, tendo chegado até aos nossos dias muito poucas.
OS GREGOS

O pensamento geográfico sistematizado surgiu com os Gregos e a palavra geografia foi naturalmente criada por eles e significa exactamente «escrever sobre a Terra».
O primeiro mapa Grego de que se tem notícia foi elaborado por Anaximandro de Mileto (650-615 a.C.), discípulo de Tales de Mileto, que era filósofo, engenheiro e geógrafo.
O segundo mapa da antiguidade foi elaborado por Hecateu de Mileto (560-480 a.C.), que viajou por parte do mundo conhecido e escreveu uma "Descrição da Terra", a qual era ilustrada por um mapa em que a Terra estava representada por um disco com água à volta.
O mundo conhecido então pelos Gregos era constituído por uma faixa que se estendia do Atlântico ao rio Indo. As regiões a norte e a sul eram pouco conhecidas. Considerava-se que a ecúmena (mundo habitado) tinha uma forma oblonga, cujo eixo este-oeste possuía o dobro do comprimento do eixo norte-sul. Os nossos termos actuais «longitude» e «latitude» derivam deste conceito.
A esfericidade da Terra foi apenas concebida depois do século V a.C. e surgiu como resultado da reflexão filosófica sobre a forma ideal dos corpos, e não da observação: a esfera é a mais perfeita de todas as formas, portanto, a Terra, obra-mestra dos deuses, deve ser uma esfera. A ideia (de Parménides, 510-450 a.C.) foi apoiada por Platão, que lhe deu a credibilidade necessária. As provas da esfericidade surgiriam depois com Aristóteles.
No século IV, Dicearco construiu um mapa utilizando dois eixos perpendiculares: um alongado no sentido este-oeste, o «diafragma», passando pelas Colunas de Hércules e por Rodes, e o outro, a «perpendicular», passando por Rodes. Mais tarde, Eratóstenes (276-196 a.C), que passou a ter a seu cargo a direcção da Biblioteca de Alexandria e é o primeiro filósofo Grego a autodenominar-se "geógrafo", aperfeiçoou o mapa de Dicearco, introduzindo-lhe vários meridianos e paralelos, formando uma rede rectangular, que constitui a rede de meridianos e paralelos ainda hoje por nós utilizada para localizar qualquer lugar.
A partir daqui, a resposta à pergunta "Onde?", uma das questões fundamentais da geografia, passa a poder ser dada com rigor, pois, a partir desta altura, é possível localizar com precisão num mapa, qualquer ponto da superfície terrestre.
Mais tarde, Hiparco de Niceia (190-125 a.C), astrónomo de Rodes, aperfeiçoou o quadriculado utilizado por Eratóstenes. Segundo ele, a posição rigorosa de um ponto só pode ser determinada astronomicamente e a representação cartográfica deve ser feita tendo como base a projecção da superfície esférica da Terra num plano.
Hiparco utilizou a divisão da circunferência em 360º e construiu também uma rede de paralelos e meridianos, mas projectados e igualmente distanciados.
No século II d.C. surgiu o ultimo geógrafo da antiguidade - Ptolomeu de Alexandria (90-168 d.C). Ptolomeu retomou as concepções de Hiparco, tendo criado um processo de projecção cónica da superfície da Terra num plano. Elaborou um mapa muito mais aperfeiçoado que o de Eratóstenes, tendo representado uma área maior.
A sua obra "Geographia" continha um mapa do mundo e vinte e seis mapas de pormenor, constituindo o primeiro Atlas Mundial.
IDADE MÉDIA  E OS ÁRABES
Posteriormente à queda do Império Romano, e com a difusão do cristianismo iniciou-se um período de regressão no conhecimento científico, e portanto, no conhecimento geográfico. As causas para esta regressão podem encontrar-se no contexto social, económico e religioso que se viveu durante este período.
A adopção dos conhecimentos bíblicos tornou-se evidente na cartografia. Utilizam-se mapas circulares romanos, nos quais se introduziam caracteres teológicos, e não geográficos. Assim Jerusalém, a Cidade Santa, ocupava o centro do mapa e o Mediterrâneo tinha uma posição meridiana. Foi esquecido que a Terra era esférica e reapareceu o conceito de Terra plana: um disco circundado de água.
Mas, enquanto a ciência decaía no mundo ocidental, no mundo árabe, com o estabelecimento do Império Muçulmano, depois do ano 800 d.C., passou a verificar-se um desenvolvimento científico. Devido a problemas de ordem militar e administrativa, surgiu a necessidade de conhecer o mundo. A geografia e a cartografia sofrem um novo impulso.
Apesar disso, o conhecimento e as descrições geográficas produzidas são muito imprecisas e as localizações pouco rigorosas. Os Árabes não se serviam da latitude e da longitude para localizar os lugares à superfície da terra e elaborar mapas. Estas eram usadas pelos astrónomos nas suas observações, mas quem elaborava a cartografia eram os geógrafos. Surge assim no mundo árabe, e pela primeira vez na história, uma separação clara entre geógrafos e astrónomos.
Nos finais da Idade Média, as cruzadas, as peregrinações e o renascimento do comércio entre a Europa e o Ocidente levaram a um ressurgir da curiosidade pelo mundo desconhecido e, portanto, a uma nova etapa no desenvolvimento da geografia.
Com o desenvolvimento da navegação houve necessidade de voltar a uma cartografia realista e útil tais como os portulanos, onde eram assinalados com notável exactidão os acidentes costeiros, o que levou ao abandono da cartografia religiosa.
Os Árabes trouxeram para o Ocidente a bússola, que era utilizada pelos chineses na navegação. No sec. XIV, a sua utilização veio revolucionar o processo de construção dos mapas para a navegação.
Através da utilização da agulha da bússola, que indica o norte magnético, foi possível desenhar os vários rumos dos ventos, constituindo uma rede de rumos, seguidos quando se navega a partir de um ponto conhecido: a rosa-dos-ventos central é ligada, em todas as direcções, a outras rosas-dos-ventos-, dispostas à sua volta segundo um polígono de oito, dezasseis ou trinta e dois lados.


Esboço representativo do mapa elaborado por Hecateu de Mileto


Um dos mapas desenhados por Eratóstenes



Mapa elaborado por Ptolomeu

Mapa elaborado por Ptolomeu

 

A CACHE


A cache está localizada no Centro Ecoturístico e Ambiental da Ribeira de Avis, no concelho de Fronteira, que localmente é conhecida como Ribeira Grande e que outros autores mais antigos denominaram Rio Zetas.
A ribeira nasce em Monforte, onde é conhecida como Ribeiro do Freixo. Ao juntar-se à Ribeira do Assumar, toma o nome de Ribeira de Grande ou de Avis, e após passar Fronteira, segue em direcção a Figueira e Barros, Ervedal, Avis, Cabeção e Mora. Entre estas duas últimas localidades, conflui com o Rio Sôr e passa a chamar-se Rio Sorraia, o qual desagua no Tejo, já perto de Benavente.


Os moinhos e azenhas que (ainda!) existem na margem esquerda da ribeira no concelho de Fronteira desempenharam uma grande importância na economia local, uma vez que eram de vital importância para o abastecimento regular de farinha e, consequentemente, de pão à população.
Repetidamente arruinados pelas cheias da Ribeira e reconstruídos, mantiveram-se activos até à introdução de novas formas de energia e produção, no início do século XX. Recentemente, foram recuperados pela autarquia local, de forma a serem integrados no Centro Ecoturístico e Ambiental, apesar de até à data ainda não lhes ter sido atribuída uma função específica e estarem fechados ao público.
O local destaca-se pela sua grande diversidade biológica. É quase impossível trilhar o PR delineado (PR2 - Percurso Pedestre da Ribeira Grande) sem ver muitos dos animais que figuram nas placas de identificação existentes ao longo do trilho - répteis, mamíferos, peixes e, principalmente aves.



O percurso até à cache, inicia-se na Praia Fluvial da Ribeira Grande e é apenas uma pequena parte do PR2 existente, pelo que se for com tempo, poderá continuar o trilho (9km no total) depois de encontrar a cache.
O trilho, praticamente sem desníveis e sempre ao lado do curso de água, pode ser efectuado a pé ou de bicicleta. Se optar pelas duas rodas, terá apenas de subir meia dúzia de escadas logo no início e de ultrapassar duas secções muito curtas de dificuldade baixa com a bike às costas.



O grau de dificuldade atribuído à cache prende-se com a distância (+- 2,5km) e não com as condições do terreno, mas mesmo assim, é um trilho perfeitamente adequado a qualquer idade e que não exige grande esforço.
O estacionamento (N 39º 04 198'   W 007º 39 029') deverá ser feito na Praia Fluvial da Ribeira Grande, onde se inicia o trilho e onde existem algumas infra-estruturas de apoio (restaurante, bar e WC), e onde se pode observar o novo Observatório Astronómico na margem oposta (é mesmo verdade! há um observatório astronómico novinho em folha perdido no meio do Alentejo!!!).



Para chegar a esta cache precisa apenas de três coisas:
- apesar de haver uma fonte com água potável muito próxima da cache, esta nem sempre tem água, por isso é aconselhável que vá prevenido, principalmente se for Verão e se levar crianças;
- pelo caminho irá encontrar várias cancelas. A função delas não é impedir a sua passagem, mas sim a do gado, pelo que terá de as abrir para passar SEM ESQUECER DE AS FECHAR depois de passar ;
- leve máquina fotográfica! Se caminhar em silêncio e com atenção vai poder fotografar bicharocos que geralmente só encontra no Jardim Zoológico.

Sendo uma cache temática, os itens disponíveis para troca são APENAS MAPAS. O conteúdo inicial da cache é composto por:
1 mapa do Porto 1/20000m com mapa detalhado da zona histórica
1 mapa de Coimbra 1/50m de 1992
2 mapas de Coimbra 1/100m de 1999
1 mapa de Coimbra 1/100 de 2004
1 mapa da Madeira 1/50000m com mapa do Funchal 1/50m
2 mapas de Porto Santo 1/25000m com mapa da Vila de Porto Santo 1/50m
2 mapas da Figueira da Foz 1/100m de 1998
1 mapa de Torres Novas 1/100m
1 mapa da província de Lázio 1/350000m com mapa da cidade de Roma 1/100m
1 mapa do Concelho de Condeixa-a-Nova com mapa da Vila
1mapa do Parque Nacional de Cévennes 1/200000.

Para os 5 primeiros visitantes há ainda cd’s do “Arquivo Virtual de Cartografia Urbana Portuguesa”, com dezenas de mapas em alta resolução da história da cartografia portuguesa.

Boa caçada!

   
   

Additional Hints (No hints available.)