Skip to Content

View Geocache Log

Found it Gatarron found Reis à Solta! - Tesouro Final

Saturday, February 3, 2018Lisboa, Portugal

#2902

Dia passado em Lisboa e na Margem Sul para observação de aves no Sapal de Corroios e Geocaching um pouco por toda a parte, com o aliciante de bater o record de 9 tipos diferentes de caches num único dia.

Depois do evento no Museu Geológico, estava programado com o fcarioca uma visita ao tesouro final dos reis de Portugal, uma expedição há muito tempo apalavrada e nunca concretizada, muito por culpa minha. Mas hoje era o dia ideal para visitar uma cache para a qual ando a trabalhar desde que comecei no Geocaching, tendo encontrado algumas caches da série que foram entretanto arquivadas. Falta-me um rei, que reside fora dos meus itinerários habituais, mas o trabalho e equipa com o fcarioca supriu essa falta. E foi um gosto ver as coordenadas a formarem-se diante dos olhos numa folha Excel à medida que introduzia os dados, e revelarem no Google Earth a localização final num sítio já esperado.

O fcarioca já tinha recolhido toda a informação sobre o acesso, e por isso deixei as despesas da expedição com ele, limitando-me a segui-lo. Comecei logo a duvidar do juízo dele quando vejo o sítio para onde ele se dirigia, uma espécie de condomínio fechado de oficinas de automóvel umas a seguir às outras, só que em versão bairro de lata, em plena atividade apesar de ser sábado, com os mecânicos a olharem desconfiados os dois mânfios que lhes invadiam o território. O que não impediu de estabelecermos um breve contacto por causa de um churrasco que ali tinha decorrido e que deixou no ar um cheirinho agradável de carne grelhada que abria o apetite.

Fomos dar a um beco aparentemente sem saída, com uma vedação e um portão ao fundo, de onde começou a ladrar um cão. Depois apareceu o dono a espreitar o que se passava. Não demos quaisquer explicações e resolvemos a coisa com um 'Boa tarde'. O fcarioca já se enfiava pelos caniços adentro, contornando a vedação, e eu fiquei a ver no que tudo aquilo ia dar, um pouco confortado com o facto de sermos dois. Porque se ali estivesse sozinho há muito que já me tinha ido embora.

Havia ténues vestígios de trilho com algumas canas derrubadas e outras que lhes tomavam o lugar, e foi por ali que avançámos, subindo por uma íngreme ribanceira que ia ficando destapada de vegetação até chegarmos à parede de calcário de onde se podia observar melhor o Geomonumento. Lá em baixo alguns dos mecânicos e o dono do cão juntavam-se para apreciar o espetáculo da aventura que se passava lá em cima.

Prosseguimos por um carreiro arenoso, olhando para a cidade ao largo e para o que parecia as suas traseiras, mesmo por baixo de nós. A cache não tardou a surgir à nossa frente, visível a certa distância. Depois das cerimónias de registo, o fcarioca, que estava on fire, achou que o melhor era mergulhar no mar de canas logo em frente, só porque se via um caminho marcado lá por baixo de tudo aquilo.
Eu resignei-me ao papel de espectador que me calhou neste dia e fiquei a aguardar por notícias. De lá do fundo do mar de canas ouvi, primeiro, que o caminho era bom, depois que afinal havia um vedação, mas que se passava bem, após o que surgiu a voz do dono do cão que, em vez de se chatear por estarmos a entrar na sua propriedade (que afinal, disse-nos ele depois, era da Câmara e ele só lá estava enquanto a Câmara quisesse), acabou por ser muito prestável e ajudar-nos a sair daquela embrulhada. Com esta segurança, mergulhei no mar de canas e vim por aí abaixo, nadando com maior facilidade porque o meu companheiro de aventura já tinha desbravado o caminho por mim.

Fomos dar ao quintal onde o homem guardava os seus pertences e onde ele preparava a caçada do dia seguinte, que ia ser aos tordos e por isso não ia levar o guloso do cão, que tinha acabado de comer o resto dos ossos que estavam no grelhador por onde tínhamos passado.

Uma cache épica, bem adequada a toda a série monárquica, que deu uma aventura dos diabos e uma valente história para contar. Favorito.

Obrigado miguelgodinho pela cache!

Selva urbana

Additional Images Additional Images

infoA Mystery Cache is the “catch-all” of cache types, this form of cache can involve complicated puzzles you will first need to solve to determine the coordinates. The only commonality of this cache type is that the coordinates listed are not of the actual cache location but a general reference point, such as a nearby parking location. Due to the increasing creativity of geocaching this becomes the staging ground for new and unique challenges.
Visit Another Listing:

Advertising with Us

Return to the Top of the Page