View Geocache Log

Found it Cachecolhe found #1 - Mata de Marrazes - O Parque esquecido

Wednesday, June 1, 2011Leiria, Portugal

It looks like your log contains HTML or UBB formatting. We now use Markdown formatting because it works on both web and mobile. Would you like to convert your log?

Success! To keep these changes, hit “Submit Log Entry” at the bottom of the page.

Hmm. Some of your log formatting is not supported. You might want to remove it and use Markdown formatting.

<p><em>----------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------- <br /> <a href="http://www.pauloadriano.com">www.pauloadriano.com</a> | #28<br /> ----------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------- </em></p>

Imaginem o lusco-fusco e aquela luz que a gente não sabe bem se é de dia se é de noite. Imaginem-se a passar pelo meio de ruínas entre dois edifícios abandonados, como se estivessem a atravessar o portal para outra dimensão. Imaginem que ao fundo desse breve trilho, estão umas escadas de pedra, desgastadas pelo tempo e pelos transeuntes que agora não passam de meras miragens. E descem as escadas. Para um nível inferior. Agora estão no meio de uma floresta. O ar é ainda mais sombrio, um escuro do tamanho das imensas e gigantes árvores centenárias em que os ramos caem como se de lágrimas falássemos. Entrecruzam-se de vez e formam V’s onomatopaicos dos ventos que, envergonhadamente se cruzam por ali. Vuuuuh… E o silêncio é ensurdecedor, ouvindo-se uns gritos aqui e acolá a fazer-nos imaginar também as almas penadas que parecem habitar aquela cidade deserta de casas e de gentes. Vêem-se ruínas, paredes desfalecidas como estivessem cansadas de esperar alguém que lhes desse vida. Vê-se, além, o que parece ter sido um lugar para crianças. Abandonado. Apenas o desenho que o tempo parece querer apagar, faz crer que ali houve petizes, na brincadeira. Agora não. Apenas resto eu. A fazer-me companhia, estão as árvores e as paredes partidas. <br><br>
Entretanto tinha aparecido uma nova companhia e, com ela, um arrepio que atravessa toda a cervical. Medo. A solidão tem destas coisas. E o medo é uma delas. Medo de ficarmos presos naquele mundo para sempre e medo de não encontrarmos o nosso mundo como ele era antes. A nossa missão corre o risco de ser abortada antes de chegarmos ao nosso propósito. Mas a insistência tem coisas que, às vezes, apenas a coragem explica. Procuramos por todos os recantos o nosso “graal”: nos entrecortes das árvores, nos ramos que desenham letras pelo chão, nas esquinas dos muros, alguns deitados, outros em pé. Procuramos uma vez, e outro e mais outra. O nosso mapa parece, também ele, ser afectado por aquela nova dimensão. Irrequieto, deixa-se contagiar pelo nervosismo de quem o transporta. E procuramos. Damos voltas, muitas voltas. Numa delas, chama-nos a atenção a particularidade que procurávamos noutros sítios. Vês? Está ali. Ó vê! Mas isso não chegava. Seria preciso ainda, embrenharmo-nos ali. Aquele local exigia que fizéssemos parte dele para que pudéssemos encontrar a chave e sair dali. Finalmente, as nossas mãos teriam de agarrar o coração de pedra, tirá-lo cá para fora para nos vermos livres dele. E elas haveriam de ficar encardidas da missão. Seriam as nossas cicatrizes de guerra. Agora era tempo de regresso. Ansiado. <br><br>
<em>Fazer geocaching sozinho tem destas coisas. Permite-nos experimentar as sensações de quem vive, de quem busca. Mas também de quem encontra e, por fim, regressa a casa onde tem mais uma história para contar…</em><p><em>-----------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------
<br />
<a href="http://www.pauloadriano.com">www.pauloadriano.com</a>

| #28<br />

</em></p><br /><br />This entry was edited by oitodoonze on Friday, 03 June 2011 at 16:32:02 UTC.

Mata dos Marrazes #1 (1)Imaginem-se a passar pelo meio de ruínas entre dois edifícios abandonados, como se estivessem a atravessar o portal para outra dimensão.

Additional Images Additional Images

Mata dos Marrazes #1 (1) log image Mata dos Marrazes #1 (1)

Mata dos Marrazes #1 (2) log image Mata dos Marrazes #1 (2)

Mata dos Marrazes #1 (3) log image Mata dos Marrazes #1 (3)

Mata dos Marrazes #1 (4) log image Mata dos Marrazes #1 (4)

Mata dos Marrazes #1 (5) log image Mata dos Marrazes #1 (5)

Mata dos Marrazes #1 (6) log image Mata dos Marrazes #1 (6)

Mata dos Marrazes #1 (7) log image Mata dos Marrazes #1 (7)

Mata dos Marrazes #1 (8) log image Mata dos Marrazes #1 (8)

Mata dos Marrazes #1 (9) log image Mata dos Marrazes #1 (9)

Mata dos Marrazes #1 (10) log image Mata dos Marrazes #1 (10)

Mata dos Marrazes #1 (11) log image Mata dos Marrazes #1 (11)

Mata dos Marrazes #1 (12) log image Mata dos Marrazes #1 (12)

infoThis is the original cache type consisting, at a bare minimum, a container and a log book. Normally you'll find a tupperware container, ammo box, or bucket filled with goodies, or smaller container ("micro cache") too small to contain items except for a log book. The coordinates listed on the traditional cache page is the exact location for the cache.
Visit Another Listing:

Advertising with Us