View Geocache Log

Found it joom found Pandora

Monday, October 19, 2015Viana do Castelo, Portugal

It looks like your log contains HTML or UBB formatting. We now use Markdown formatting because it works on both web and mobile. Would you like to convert your log?

Success! To keep these changes, hit “Submit Log Entry” at the bottom of the page.

Hmm. Some of your log formatting is not supported. You might want to remove it and use Markdown formatting.

#6081 @10:59

Com umas horas livres de manhã mas com almoço marcado a horas aproveitei para vir andar um bocado para vir encontrar esta cache. Era a cache mais próxima dos Arcos de Valdevez e sempre que olhava para o GPSr quando por aqui andava ficava a pensar porquê é que ainda não tinha vindo cá. Hoje, e como a chuva prometia umas abertas, ficou decidido. Viria ver esta construção de mais perto como se fosse um farol digno de apetecer no universo de Tolkien.

Estacionei em Ferreiros e depois de ver no mapa o caminho a seguir deu corda aos sapatos. Depois de ser bem observado pelos cães que guardavam o rebanho de cabras e ter que mostrar que não queria nem companhia nem mordidelas avancei pelo estradão por ali fora.

Não quis dar a volta ao mundo e na parte da passagem do rio, segui em frente, um pouco sobre as pedras pois há água com fartura, e avancei pelo velho caminho “empedrado” com sinais de muitas passagens.

Fui vendo a distância ao ponto zero e pouco variava de 1,3km para 1,5km. Assim que vi a seta laranja pintada no granito, subi mais um bocado e a distância começava a diminuir. Ali, ao meu lado direito vi uma rocha parecida com um dente de tubarão e mais à frente, um solitário e isolado VG.

De vez em quando a construção perto do ponto zero aparecia como a mostrar o que me faltava andar para lá chegar.

Com mais umas passadas, algumas centenas, cheguei à base verde do monte rochoso, ainda com caminho, e procurei o melhor acesso pela linha mais suave. Em pouco tempo estava no topo do mundo. Olhei para onde o GPSr apontava, pousei tudo, tirei a música das orelhas e fui explorar, em modo espeleológico, o local.

Ainda demorei a encontrar a cache mas com alguma persistência, umas voltas, e alguma atenção aos possíveis esconderijos a cache apareceu. Infelizmente estava cheia de água, com o livrinho, o catálogo e o carrinho vermelho em modo submarino.

Ao retirar a cache da sua toca, e pelo facto de a água presente, com o cheiro de quem não vê ar há algum tempo, a tampa foi empurrada e caiu. Pelo barulho que fez a escorregar tentei identificar o seu pouso e fui colocar a cache em zona mais segura e mais arejada.

Depois voltei de novo para baixo de terra e vi a tampa azul a chamar por mim. Para lá chegar tive que fazer uma manobra de contorcionista, digna do Houdini, e até parecia que estava dentro de uma caixa. Tinha a tampa ao alcance da mão e ainda lhe toquei mas infelizmente não foi o suficiente para a retirar. Continuou lá.

Registei a minha passagem, em modo braille com cor no molhado papel, arrumei tudo no mesmo local, já sem tampa, como a cache estava não faz grande falta, e regressei ao carro a ver o tempo que me faltava para o almoço.

Optei por seguir em direcção ao poste eléctrico colorido e daí para baixo segui o caminho do gado.

Consegui transformar uma cache quase drive-in para uma caminhada agradável de 9 quilómetros.

Fantástica cache, com fabulosa paisagem a acompanhar, que infelizmente permanece aqui sem muitas visitas.

Foi um real prazer vir aqui e fiquei curioso sobre a utilidade desta curiosa construção.

Sem trocas
Obrigado pela cache

Já está um estacionado

Visit Another Listing:

Advertising with Us